Home > Notícias

Os nove pecados mortais no uso do celular

A popularidade da telefonia móvel acaba gerando comportamentos inadequados. Não caia nessa

Por David Haskin, do Computerworld (EUA)

09/07/2007 às 14h08

Foto:

A popularidade da telefonia móvel acaba por gerando comportamentos inadequados. Não caia nessa

celular - 100x120Antes de detalhar os novos pecados mortais do uso do celular, é importante enfatizar que os velhos erros, como as conversas em voz alta em locais públicos, não deixaram de existir.

Parte do problema é que muitas pessoas acreditam que, se elas pagam pelo serviço de telefonia móvel, elas têm o direito de usar o telefone da maneira e no local que quiserem.

Uma pesquisa conduzida pela VitalSmarts descobriu que 91% dos entrevistados já haviam sofrido recentemente do que se chama de “insensibilidade pública relacionada à tecnologia”. E mais: 83% deles afirmam nunca ou raramente serem culpados deste tipo de ação.

Em outras palavras, as pessoas estão se tornando rudes e chatas com os celulares, mas não estão cientes de suas próprias transgressões.

Enquanto os velhos erros continuam a acontecer, aqui estão nove dos novos pecados no uso do telefone móvel e como evitar cometê-los ou se tornar sua vítima.

1. Discagem involuntária
O pecado é tipicamente causado por pessoas que não entendem que recursos como “tecle o último número chamado” (redial) pode ser acidentalmente acionado.

O receptor de uma chamada desse tipo normalmente ouve conversas desencontradas ao fundo, o som do farfalhar de roupas ou de objetos dentro da bolsa. Imagine, então, se a conversa que for ouvida for de conteúdo sigiloso ou de foro íntimo.

Solução: bloqueie o teclado.

2. Trânsito impedido

O pecado acontece quando as pessoas estão ansiosas para descer de uma aeronave e alguém obstrui o corredor, ocupado em fazer uma chamada no celular, checar suas mensagens ou ler e-mails. Resultado: todos são obrigados a esperar.

Variações desse deslize podem acontecer em qualquer tipo de fila, como no restaurante ou supermercado.

Solução: estabeleça prioridades e deixe as ligações para depois; ou simplesmente saia da frente e deixe a fila andar.

3. "O meu é melhor!"
Os celulares se tornam menores, com mais funções e design futuristas. Isto, freqüentemente, gera diálogos entre seus usuários, em público, do tipo: “o meu é menor que o seu”; ou "como, quer dizer que o seu celular não pode fazer isso?".

Trata-se do pecado da “ostentação” e é muito normal ver alguém sacar um belo telefone em público sendo logo seguido por alguém que considera ter um modelo ainda melhor.

Solução: se usar o telefone for inevitável, faça isso discretamente.++++

4. Higiene
Cá entre nós: há algo mais, digamos, repugnante do que emprestar o celular e ele ser devolvido com o visor cheio de oleosidade?

Solução: limpe o telefone com freqüência (um lenço de papel já é um bom começo) - principalmente se você estiver o usando o aparelho de alguém. Ou, se estiver gripado, evite emprestar o aparelho.

5. Fale na posição correta
Conexões ruins prejudicam a conversação. Mas colocar o bocal longe da boca faz com que o interlocutor deixe de ouvir até 70% do que se fala.

Solução: evite encostar o celular em sua mandíbula ou segurá-lo entre a cabeça e o ombro; você também pode perguntar ao seu interlocutor se pode escutá-lo bem.  

6. Uma hora para cada coisa
Celulares de tamanho reduzido ou equipados com fones de ouvido - principalmente os modelos com bluetooth - vez por outra fazem os demais passarem por situações constrangedoras.

De repente você está caminhando e alguém a seu lado diz algo. Distraído, pode até responder e só então se dá conta de que o sujeito está ao celular.

Quando isso acontece no banheiro então, é ainda mais chato, ainda mais se você e o dito cujo são as únicas pessoas no, digamos, recinto. Há os que continuam falando mesmo enquanto usam o mictório, em total desrespeito com quem está do outro lado da linha.

Solução: se a ligação é realmente tão importante, procure um local mais reservado (e não "o reservado") e apenas converse ao telefone. Se o chamado da natureza for mais importante, deixe a ligação para mais tarde.++++

7. Abuso da câmera do telefone
Por questões de segurança e evitar espionagem, algumas empresas não permitem que seus funcionários usem telefones celulares com câmeras no ambiente de trabalho.

Em público, no entanto, esses aparelhos transformam todo mundo em potencial paparazzi. Saiba que isso incomoda e constrange muita gente. 

Solução: mesmo para os amadores, vale a regra dos fotógrafos profissionais: se não se trata de uma pessoa pública, fazendo algo em público, você não tem o direito de tirar fotos a menos que peça permissão.

8. Falar e comer
Este pecado é muito semelhante ao listado no item 6, sobre o uso do aparelho do banheiro.

Saiba que seu interlocutor pode escutar os barulhos da sua mastigação e, acredite, isso não é nada agradável.

Solução: se estiver comendo, não fale ao telefone; se receber uma chamada de quem, claramente, está comendo, deixe seu interlocutor saber, de forma polida, que você prefere conversar com ele em outro momento.

9. Viva-voz em público
Antigamente, esse era um pecado restrito aos usuários dos modelos mais antigos de aparelhos de trunking.

Mas agora, como quase todo celular possui o recurso de viva-voz, é cada vez mais comum ver o patético show daquele ser que - se não bastasse obrigar a todos ao redor ouvir o que ele fala, muitas vezes em voz alta - ainda submete esses pobres ao suplício de ter de ouvir o outro lada da conversa.

Outros vai ainda mais além: são capazes de fazer uma teleconferência na mesa do almoço, com vários indivíduos se acotovelando ao redor do aparelho, lutando para serem ouvidos e também escutar o que se diz do outro lado. E nem aí para quem está nas demais mesas.

Solução: como sempre, o bom senso resolve a maior parte dos problemas; assim, use o recurso quando ele for realmente necessário e, de preferência, em locais fechados.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail