Home > Notícias

iPhone: os usuários gostam dele, mas não faltam queixas

Pesquisa realizada com 500 usuários do telefone da Apple revela que, apesar da satisfação geral, eles têm muitas sugestões a fazer

Por Melissa J. Perenson, especial para PC WORLD*

08/08/2007 às 13h00

iphone 70 84.jpg
Foto:

Pesquisa realizada com 500 usuários do telefone da Apple revela que, apesar da satisfação geral, eles têm muitas sugestões a fazer

Atualizada em 09/08 às 10h57

iPhone 70 84A lua de mel acabou. Pouco mais de um mês após o início das vendas o iPhone, perto de 90% dos usuários que responderam a uma pesquisa realizada pela PC WORLD nos Estados Unidos afirmam ‘amar’ seu novo brinquedo. Mas eles também têm queixas, a maioria relacionada às redes de voz e dados, e ainda fazem inúmeras sugestões.

Cerca de 13% dos pesquisados disseram ter vivenciado pelo menos um problema sério com o dispositivo desde que começaram a usá-lo. A queixa mais comum: bateria.

“É um equipamento fantástico”, revela um usuário. “Comparado a ele, meu velho Treo 700W me faz lembrar dos antigos telefones de disco. O iPhone é o primeiro e o único verdadeiro comunicador integrado”.

A maioria esmagadora (88%) dos que responderam a pesquisa, feita com quase 500 usuários, se disse “muito” ou “extremamente” satisfeita com seu novo telefone.

O que ele faz bem
O celular da Apple recebeu as melhores pontuações no quesito reprodução de músicas e vídeos. Cerca de 90% dos usuários estão “muito” ou “extremamente” satisfeitos com as funcionalidades de entretenimento do iPhone. “Como um iPod, ele é realmente bom. A facilidade de navegação é incrível”, afirmou um usuário.

Contudo, os usuários do iPhone se mostram menos satisfeitos com a performance do aparelho como telefone; ainda assim, 84% deles deram ao equipamento notas altas com relação a essa característica, percentual semelhante (83%) ao dos que se dizem satisfeitos com as habilidades de navegar na web a partir do dispositivo, classificada como “muito” ou “extremamente” satisfatória.

Já com relação ao hardware e software nativos, as menores notas de satisfação envolvem a câmera do iPhone (só 46% se dizem muito satisfeitos) e os widgets embutidos (62% estão felizes com eles).++++
iPhone 70 84O que deixa a desejar
Os fatores mais negativos apontados no telefone da Apple estão relacionados ao serviço de voz e de dados, oferecidos pela AT&T. Na pesquisa, 40% expressaram algum nível de insatisfação com relação à rede de dados EDGE, limitada a 200 kbps de velocidade, mas que raramente passa da metade disso.

A qualidade da voz do iPhone tem contribuído, também, para insatisfação de alguns usuários do gadget. Dentre os que responderam a pesquisa, apenas 61% disseram estar “muito” ou “extremamente” satisfeitos com esse quesito, bem como com a cobertura da rede.

Da amostra, 59 pessoas (13%) disseram que ter enfrentado “problemas significativos” com o iPhone – número que não pode ser desprezado, mas não surpreendente na primeira geração de um dispositivo.

Um terço desses usuários reclama da bateria; 25% de problemas relacionados à tela sensível ao toque; outro tanto de problemas relacionados ao browser Safari; e outros 24% informaram problemas relacionados a software. O total supera 100% porque foi permitido aos pesquisados apontar mais de uma falha, caso houvesse. “O navegador trava de tempos em tempos”, disse um usuário. “E, com menos freqüência, a reprodução de vídeos também”, completou. ++++

iPhone 70 84O que ainda falta
Perguntamos aos donos do iPhone que funcionalidades a Apple deveria acrescentar nas versões futuras do dispositivo. Muitas das sugestões combinam com o que nós, da PC WORLD (EUA), e a equipe da Macworld já dissemos. Alguns afirmaram que o iPhone não irá substituir todos os handhelds que possui. “Não posso abrir a porta da garagem nem mudar o canal da TV com o iPhone”, brincou um deles.

A incapacidade do iPhone em realizar edições básicas, tais como copiar, cortar e colar, irrita alguns usuários. Outros apontam a falta de um dispositivo de discagem por voz e a impossibilidade de fazer isso utilizando um software de outra empresa. Um usuário solicita aplicações de terceiros que não comprometam a estabilidade nem a segurança do celular.

Os pesquisados também apontam a falta de opções de customizações - incluindo ringtones -, ausência de mensagens multimídia, lista de tarefas, gravação de vídeos, suporte a flash vIdeo, e integração com sistemas de mensagens instantâneas.

Um dos pesquisados se queixa de dificuldade de mudar os widgets da tela principal do iPhone. “Não estou falando [de visualizar o valor de] ações ou YouTube, mas quero poder ligar ou desligar o acesso Wi-Fi com apenas um clique”.

Diversos usuários reclamam do fato de a câmera do iPhone não possuir função zoom, e da baixa qualidade das imagens tiradas em ambientes pouco iluminados. Um número ainda maior reclama da autonomia da bateria e da impossibilidade de, eles mesmos, poderem trocá-la.

Inúmeros pesquisados demandam uma rede de dados mais rápida para a segunda geração do iPhone, bem como maior capacidade de armazenamento, de receber e-mails automaticamente (push e-mail) e de poder fazer download wireless de conteúdo do iTunes.

Houve ainda quem pedisse por games desenhados para o celular da Apple e independência para escolher o provedor de internet, em vez da lentidão da conexão EDGE.

Muitos pesquisados desejam um sistema GPS integrado. Um deles, inclusive, sugeriu que o iPhone deveria ter um serviço GPS integrado ao Google Maps para facilitar a localização de serviços.

Muitas das solicitações apontam para a falta de funções de um PDA, tais como suporte a uma agenda mais ampla, compatibilidade com o Microsoft Exchange e Lotus Notes, e mais e melhores opções para os contatos.

Um grande número de usuários do iPhone espera que algumas funcionalidades sejam entregues ainda na primeira geração do celular, por meio de upgrades de software.

“Quase todas as coisas que gostaria que ele tivesse parecem baseadas em software, como uma coleção balanceada de funções que qualquer PDA ou celular deve ter, embora melhorada. É isso que vai definir e, ao mesmo tempo, garantir o sucesso ou a derrota do iPhone”, afirma um usuário.

* Melissa J. Perenson é editora sênior de produtos da PC WORLD (EUA)

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail