Home > Notícias

Lei de Moore tem prazo para vencer, reconhece seu criador

Em uma rara aparição no palco do IDF 2007, Gordon Moore fala sobre o passado e diz que "não dá para ir além de certos limites"

Por Daniela Moreira, repórter do IDG Now!*

18/09/2007 às 18h24

Foto:

Em uma rara aparição no palco do IDF 2007, Gordon Moore fala sobre o passado e diz que "não dá para ir além de certos limites"

Sob fortes e duradouros aplausos, Gordon Moore, um dos pioneiros da indústria de microprocessadores e co-fundador da Intel, adentrou o palco do Intel Developer Forum, em São Francisco, nesta terça-feira (18/09) em uma rara aparição pública para celebrar os 10 anos da conferência.

Leia também:

Conhecido pela lei que ditou a evolução dos chips nas últimas décadas e levou seu nome - a Lei de Moore, que previu que o número de transistores em um chip dobraria a cada 24 meses -, o visionário relembrou os tempos em que o Silicon Valley não passava de uma dúzia de pioneiros desbravando novíssimas tecnologias.   

"Tivemos sorte", disse Moore à entrevistadora Moira Gunn, da National Public Radio, sobre a trajetória que levou a companhia fundada em 1968 ao status de maior fabricante de chips do mundo.

Para Moore, a aposta nos gates de silício - entre outras tecnologias emergentes na época - no momento certo deu à companhia a vantagem necessária para estabecer um "monopólio" sobre a inovação durante um longo período.

"Sim". Esta foi a resposta à grande pergunta da tarde - afinal, após 40 anos de vigência, a Lei de Moore tem data para acabar? "Perguntaram a Stephen Hawking [cientista e físico] sobre o limite da eletrônica e ele disse que seria a velocidade da luz e a natureza atômica da matéria. Não estamos longe disso", apontou Moore. "Não dá para ir além de certos limites".

Provocando o entrevistado, Moira perguntou se ele se arrependia de ter dito no passado que o limite para a permanência de um executivo no conselho da empresa deveria se limitar aos 72 anos de idade, Moore respondeu com bom humor: "Felizmente outras empresas não têm essa regra".

Moore reconheceu que a previsão foi conservadora. "Atualmente, muitas pessoas são ativas nesta idade".

*Daniela Moreira viajou a São Francisco a convite da Intel.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail