Home > Notícias

PUC-RJ desenvolve software educativo para deficientes visuais

Intenção é treinar professores e excluir a necessidade de cursos formais

Por Redação do Computerworld*

19/10/2007 às 12h07

Foto:

Intitulado “Tecnologias Assistivas para Deficientes Visuais”, o estudo começou a ser desenvolvido em março de 2006, fruto de uma parceria entre o Laboratório de Engenharia de Software (LES) do Departamento de Informática da PUC-Rio, a empresa EduWeb e o Instituto Benjamin Constant (IBC), centro de referência nacional em educação de portadores de deficiência visual.

Leia mais:

A empresa já comercializava um software para educação a distância (EAD) via internet, o AulaNet, concebido e desenvolvido no LES. Clientes como Rede Globo, Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, Alpargatas, Caixa Econômica Federal, Proderj (Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do RJ), já utilizaram os serviços da EduWeb, garantindo a entrada de recursos para manter esse ainda jovem empreendimento, nascido na incubadora de empresas da PUC-Rio.

"Conversamos com profissionais do laboratório de educação à distância do IBC que nos propuseram tornar o AulaNet acessível para deficientes visuais. Em contrapartida, uma equipe de profissionais da EduWeb formaria também, dentro do próprio instituto, uma grupo de professores que aprendesse a desenvolver os conteúdos educacionais para incluir no software", explica Hugo Fuks.

O IBC é a única instituição do país que possui um curso com especialização em deficiência visual para professores. O curso é presencial e seleciona em torno de 25 a 30 alunos do país inteiro, que ficam alojados na instituição durante o período de aulas.

"Com a utilização do software, poderíamos firmar parcerias com instituições de ensino espalhadas pelo país. Desta forma, acabaríamos com as aulas presenciais no instituto, que passariam a ser realizadas via internet. Isto possibilitaria formar um número significativamente maior de professores e contribuir enormemente para a inclusão dos deficientes visuais", explica Érica Deslandes Magno Oliveira, diretora-geral do IBC.

André Lucena, um dos sócios da EduWeb, lembra que a formação de uma equipe dentro do próprio IBC apta a elaborar conteúdos na versão para deficientes visuais do Aulanet foi o grande diferencial do projeto. "Se tivéssemos apenas tornado o software acessível, o IBC precisaria pagar cada vez que um novo curso fosse elaborado. Com a formação de uma equipe dentro da própria instituição, eles não dependerão mais de nós.

O projeto de tornar o software AulaNet acessível aos cegos foi desenvolvido em três partes: uma equipe de funcionários da empresa EduWeb ficou encarregada de oferecer ao IBC cursos de web-design, design gráfico, design instrucional e tutores (espécie de professores responsáveis pela elaboração de conteúdo didático) online para capacitar os professores do instituto a criar conteúdos para o modo acessível.

Já a concepção da nova versão do AulaNet foi toda feita no LES por meio de duas teses de doutorado e uma dissertação de mestrado do Departamento de Informática da PUC-Rio. "A execução do projeto e a adaptação do software às tecnologias assistivas foi feita pela EduWeb.  Eles utilizavam o software 'Da Silva', que lê os códigos de computador e verifica se o site é acessível ou não. Para alcançarem o objetivo, além de vários testes, eles tiveram que refazer toda a arquitetura do AulaNet", recorda Fuks.

O curso de webdesign no IBC já foi concluído. Wilcler Vieira, instrutor de informática do instituto e portador de deficiência visual, integrou a turma de alunos. Durante a formação, ele aprendeu como criar conteúdos gráficos a partir da utilização do software Flash Player, que apesar de inacessível para deficientes visuais, é capaz de gerar conteúdos acessíveis. "Ao entender o funcionamento dele, pude verificar as dificuldades encontradas por nós que não enxergamos e solicitar as mudanças necessárias para que pudéssemos crias as ferramentas acessíveis em webdesign.

Desta maneira, servi como uma espécie de consultor em acessibilidade para ajudar a equipe da EduWeb com o novo AulaNet", orgulha-se Wilcler.

Coordenador do projeto Tecnologias Assistivas para Deficientes Visuais, Hugo Fuks espera que até junho de 2008 o Ministério da Educação e Cultura (MEC) conceda a licença para que o Instituto Benjamin Constant (IBC) possa espalhar seu curso de especialização de professores on-line pelo país.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail