Home > Dicas

Ogg Vorbis é o ‘MP3’ do mundo livre

Ele é pouco popular, mas tem a vantagem de não acarretar pagamento de royalties

Por Cristiano Meira Magalhães, especial para PC WORLD*

08/11/2007 às 14h56

pinguim_fone_70.jpg
Foto:

Atualizada às 16h05

ogg_150Algumas distribuições Linux, que prezam o uso de software livre (como a Debian, Debian BR CDD, Ubuntu e outras), não mantêm em suas instalações-padrão um suporte para alguns formatos proprietários, como MP3 (áudio), WMV (vídeo) e muitos dos codecs (na realidade esta palavra é formada pela junção de outras duas – COdificador e DECodificador) para se tocar DVDs, necessitando assim de instalação de alguns pacotes extras, algumas vezes podendo usar repositórios não oficiais da distribuição que está instalada.

Na dica anterior, relatei como poderia se ter, em seu Linux, suporte para extrair faixas de áudio de CDs em arquivos MP3. O tutorial descreve um passo-a-passo para o Ubuntu, com a instalação do Grip e extração de faixas a partir de um CD de músicas. Mas as explicações são válidas para qualquer outra distribuição Linux.

Tutoriais desse tipo não seriam necessários caso tivéssemos maior conhecimento dos formatos livres para arquivos de multimídia. Dentre alguns, posso destacar o formato Ogg Vorbis, utilizado para compactação de áudio. Para vídeo, há um formato "irmão", o Ogg Theora.

Sem entrar muito nas características técnicas desse formato, a tecnologia empregada no Ogg Vorbis resulta em compactação semelhante à utilizada pelo MP3 e WMV. Porém, com uma grande vantagem sobre eles: seu uso é gratuito.

É verdade que hoje em dia não existem muitos tocadores de DVD ou players de música compatíveis com MP3 que dêem suporte a arquivos ogg. Neste cenário, o leitor poderia questionar: “Por que usar o formato.ogg se a maior parte dos players não o reconhece?”

A dúvida é pertinente. Mas vamos olhar a questão sobre outro ponto de vista. Hoje, fabricantes de equipamentos que reproduzem arquivos MP3 pagam royalties para terem o direito de uso dessa tecnologia em seus produtos. Obviamente, essa conta é passada para o consumidor final.

Se formatos open-souce de arquivos (como o Ogg Vorbis) se tornarem mais populares (e você leitor pode incentivar seu uso ao manter em seu PC apenas arquivos de áudio no formato .ogg), a tendência é de que, em breve, tocadores comecem suportá-los também.

Não seria exagero supor que possamos ver algo semelhante ao que aconteceu com o formato MP3. Tudo é uma questão de demanda. Com a diferença de que, nesse caso, o impacto no preço final por conta do pagamento de royalties não deve existir.

Justificativas à parte, exitem diversas ferramentas Linux para converter arquivos .ogg em MP3 e vice-versa. Uma das que mais gosto e uso é o SoundConverter. Neste tutorial, vou mostrar como é fácil usá-lo:

1) Após instalar, abra o SoundConverter no seu PC. Clique no botão Adicionar Pasta.

ogg_tela02++++

3) Selecione uma pasta onde estão as músicas em MP3 para exibir as faixas que devem ser convertidas (pode-se converter mais de um arquivo por vez).

ogg_tela04

5) Acesse o menu Editar, Preferências. Na caixa de diálogo que for mostrada, vá até Formato de Arquivo (resultado) e selecione Ogg Vorbis e clique em Fechar.

ogg_tela05

6) Clique no botão Converter para dar início ao processo de conversões das faixas selecionadas.

ogg_tela06

Uma coisa bacana dos arquivos Ogg Vorbis é que seu uso não está restrito ao ambiente Linux e eles podem ser executados a partir de outros sistemas operacionais, incluindo Windows e Mac OS X, desde que você tenha o codec adequado para o tocador em cada uma destas versões.

(*) Cristiano Meira Magalhães é engenheiro e aficionado por Linux. Para entrar em contato com ele, envie um e-mail.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail