Home > Notícias

Lula inaugura fábrica brasileira de componentes no Rio Grande do Sul

Estatal sem fins lucrativos, Ceitec começa produzindo chips para identificação por radiofrequência e modulação de TV digital.

Redação do IDG Now!

04/02/2010 às 21h28

Foto:

O presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva inaugura nesta sexta-feira (5/2) a primeira fábrica de chips da América Latina, anunciou o Ministério da Ciência e Tecnologia nesta quinta-feira (4/2). A inauguração terá ainda a presença do ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende.

Instalada em Porto Alegre (RS), o Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica (Ceitec S.A.) vai produzir chips para os mercados de mídia digital, comunicação sem fio e identificação por radiofrequência (RFID).

Um de seus primeiros produtos é o Chip do Boi, um identificador por rádio que usa a tecnologia RFID. Ele é a peça fundamental de brincos que ajudam a identificar gado bovino. Testes de campo foram iniciados em novembro de 2009 em rebanhos em Minas Gerais, na fazenda experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais. A capacidade de produção é de 50 milhões de unidades desse chip por ano.

Outros produtos são um chip de modulação para o sistema brasileiro de TV digital (ISDB-T) e uma família de circuitos integrados para identificação eletrônica de bagagens, automóveis e medicamentos. A empresa também poderá fornecer tecnologia para a confecção do passaporte eletrônico.

A empresa é 100% controlada pelo governo e não tem fins lucrativos. Foi criada em novembro de 2008, por decreto presidencial. Seu presidente, o alemão Eduard Weichselbaumer, acumula mais de 25 anos de experiência em empresas do setor.

A Ceitec não é a primeira iniciativa governamental de estímulo à microeletrônica. No livro A Trajetória da Política de Informática Brasileira (Ed. Papirus), o pesquisador e professor da Unicamp Jorge Rubem Biton Tapia conta que, no começo dos anos 1980, sob a política de Reserva de Mercado, três empresas - Itaú, Docas de Santos e SID - candidataram-se para a produção de chips. No entanto, divergências dentro do governo Figueiredo sobre a concessão de incentivos fiscais levaram à paralisação dos projetos, explica Tapia.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail