Home > Notícias

Sem novidades, Jobs mostra o MacBook Air

Apesar das expectativas, anúncio mais importante fala de um Mac com 1,94 cm de espessura máxima e confirma aluguel de filmes

Por Redação do IDG Now!

15/01/2008 às 10h49

Foto:

macbook_air_lado

Menos de uma semana após o fim da Consumer Eletronics Show (CES), é hora do mercado de tecnologia focar sua atenção em um novo evento construído ao redor de apenas uma marca, ao contrário da multidão presente na CES. E Steve Jobs, sem qualquer traço de modéstia, confirma o MacBook Air, "o notebook mais fino do mundo", com apenas 1,94 cm de espessura máxima (ele é mais fino próximo ao touch pad e mais espesso na parte de trás).

Leia mais:

Apple reduz preço de MacBooks no Brasil em até mil reais para o Natal

Apple e Amazon iniciam pré-vendas do Office 2008 para Mac

Clique aqui para ver as novidades da Macworld 2008

A Macworld 2008 começou hoje (14/01) em São Francisco com o tradicional keynote do fundador e presidente da Apple, Steve Jobs, um ano após a apresentação do iPhone, considerado o gadget mais importante de 2007.

Por mais que não se espere um lançamento tão impactante como o telefone celular da marca, cujo desenvolvimento custou à Apple cinco anos, o keynote de Jobs era esperado com ansiedade.

A linha de notebooks poderá também ganhar o reforço dos processadores de 45 nanômetros Penryn, apresentados pela Intel durante keynote do seu presidente, Paul Otellini, na CES 2008.

Um ano após seu lançamento, o iPhone deverá experimentar durante 2008 sua atualização mais requisitada por usuários - o suporte a redes 3G, algo já prometido pelo CEO da AT&T, operadora parceria da Apple no setor dentro dos Estados Unidos.

Mais que isto: na última semana, protótipos da suposta interface que usuários do iPhone usarão para fazer pedidos nos StarBucks, outra função sugerida por patentes registadas pela Apple, além da integração de novos serviços do Google, como o My Location.

As encomendas na popular rede norte-americana de cafés, feitas remotamente pelo aparelho e retiradas na loja mais próxima, prolongaria a parceria que a Apple tem com o StarBucks para venda de músicas digitais dentro dos estabelecimentos pelo iPhone.

Há também outras óbvias melhorias no iPhone, como sensor de imagem mais potente que os atuais 2 megapixels, inclusão de GPS e aumento do espaço interno, mas nada indica para estas alterações no keynote desta terça.

Ainda no iPhone, a Apple prometeu que entregaria a seus desenvolvedores o kit de desenvolvimento de software (da sigla em inglês, SDK) em fevereiro, o que faz dele um potencial candidato para figurar no keynote.

No setor multimídia, a principal novidade deverá se focar no aluguel de filmes que o iTunes Music Store poderá oferecer graças a acordos fechados entre a Apple e estúdios como Fox e Disney, inicialmente - DVDs desta segunda distribuídos à imprensa norte-americana já contam com esta função.

Vale lembrar também que, desde do último keynote de Jobs, três das quatro grandes gravadoras começaram a vender músicas sem tecnologia DRM por meio da loja rival Amazon MP3.

O iTunes Plus vende canções sem restrições anticópias apenas da EMI, enquanto a Amazon oferece 3,1 milhões de música de EMI, Warner, Sony BMG e Universal.
Por fim, a Fortune joga com uma suposição instigante: a de que a Apple finalmente anunciaria o catálogo dos Beatles dentro do iTunes Music Store.

Além dos indícios recentes, como Jobs tocando "Lovely Rita" no lançamento do iPhone ou a inclusão do catálogo de George Harrison, a viúva de John Lennon, Yoko Ono, estará na Macworld com seu John Lennon Educational Tour Bus.

Se, na história da banda mais famosa da história, a artista japonesa foi um fator desagregador, Ono poderá usar a Macworld 2008 para se retratar parcialmente tanto com fãs dos Beatles como com fãs da Apple, que lotarão o Moscone para ver Jobs em sua apresentação.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail