Home > Notícias

Mais de 50% das crianças já foram expostas a conteúdo impróprio na web

SaferNet afirma que 87% das crianças e jovens apontam não ter restrições de uso da internet e 80% usam redes sociais.

Redação do IDG Now!

09/10/2008 às 11h54

Foto:

Mais de 50% das crianças e jovens brasileiros pesquisados pela SaferNet já foram expostos a conteúdo impróprio na internet, diz estudo da organização não-governamental divulgado nesta quinta-feira (09/10).

Nem todos os pais parecem saber desta realidade, pois apenas 40% já ouviram relatos dos filhos mostrando incômodo ou constrangimento durante seu tempo online.

Leia mais:
> Pais: cuidados com os filhos na web
> Redes sociais infantis controlam diversão
> O que as crianças pensam sobre cidadania digital

Outra descoberta do levantamento foi que 64% dos jovens acessam a web de seu quarto, contrariando a recomendação de segurança de que o computador deve ficar em área comum da residência.

Longe de sua vigilância, é quase unânime a preocupação dos pais em relação à segurança online dos filhos - 84% temem que eles sejam vítimas de um adulto mal-intencionado e 74% têm medo de que os filhos vejam conteúdos impróprios.

Mesmo sob este cenário, 87% dos jovens e crianças afirmam não ter restrição de uso da internet, enquanto 63% dos pais admitem não impor limites de navegação. O monitoramento dos pais aborrece 48% dos filhos. Aliás, mais da metade (55%) dos jovens reconhecem passar tempo demais conectados. O excesso de dedicação à web pode se justificar pelo fato de 26% dos jovens a considerarem como seu principal meio de diversão e comunicação.

Entre os jovens entrevistados, 79% têm amigos virtuais - sendo que 37% conhecem mais de 20 pessoas pela web. As mães são menos flexíveis na permissão para os filhos encontrarem os amigos na vida real: 69% das mães não liberam encontros, contra 47% dos pais; e 30% das mães permitem encontros com supervisão, enquanto 41% dos pais têm esta opinião.

As redes sociais são os sites preferidos por 80% deste público e, mesmo considerando que não é permitida a participação no Orkut, por exemplo, para usuários com menos de 18 anos de idade, 30,5% dos pais responderam acompanhar sempre o cadastro dos filhos nas redes, enquanto 20,9% os deixam fazê-lo sozinhos.

Com base nestes dados, foi elaborada uma cartilha pedagógica de prevenção, com download gratuito em seu portal da SaferNet.

A organização não-governamental entrevistou 1.326 internautas de todo o País, sendo 875 crianças e jovens menores de 18 anos  e 451 adultos com filhos que usam a internet. Os entrevistados se envolveram na pesquisa por meio de um questionário no site da SaferNet, convidando os interessados a participarem.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail