Home > Dicas

Microsoft finalmente libera drivers para Red Hat funcionar com Hyper-V

Depois de várias acordos entre as empresas, drivers são liberados com limitações, mas há promessa de rápida implementação.

Redação da PC World/EUA

04/03/2010 às 19h55

grafico_precos150.jpg
Foto:

A Microsoft lançou um conjunto de drivers que permite a versões da edição Red Hat do Linux serem executadas no Hyper-V. Os drivers ainda apresentam algumas limitações, mas é certo que as duas empresas apóiam a implementação.

Os drivers, chamados RHEL 5.2, 5.3, e 5.4, também oferecem suporte ao SuSE Linux Enterprise Server 10 SP2 x86 e x64, e SuSE Linux Entreprise Server 11 x86 e x64.

Em julho de 2009 e com muito alarde, a Microsoft apresentou pela primeira vez, os drivers para o Kernel do Linux. Esses drivers já haviam sido testados para trabalhar com a edição Red Hat e SuSE. Em outubro, a Microsoft e a Red Hat validaram os drivers com outros parceiros de programas de virtualização, porque já estavam funcionando. Sendo assim, por que a Microsoft demorou tanto para liberar esses drivers ao público?

Questionado sobre isso, o gerente da equipe do programa de virtualização da Microsoft, Vijay Tewari, informou que o atraso foi causado porque as empresas não chegaram a um acordo sobre quem iria dar suporte ao sistema operacional Red Hat se esse fosse executado como cliente Hyper-V. O impasse foi resolvido duas semanas atrás e, em seguida, os drivers se tornaram públicos.

Limitado a um processador virtual
As máquinas virtuais com Red Hat, rodando Hyper-V, estão limitadas a um único processador virtual (PV), que limita o tamanho da carga de trabalho do Linux. Mas Tewari diz que essa limitação não é específica apenas para o Red Hat - o SuSE também está limitado a um único PV. O número de PVs varia para diferentes versões do Windows Server, também. O Windows Server 2008 R2 tem acesso a quatro PVs e o Windows Server 2003 está limitado a três. Tewari diz que a Microsoft trabalha para aumentar o número de PVs para servidores Linux com Hyper-V.

Suporte limitado a mouse
Os drivers não oferecem suporte a mouse, embora a Citrix forneça um add-on (projeto Satori) que resolve o problema. O mouse funciona se o usuário acessar fisicamente o servidor. Sem o add-on, ele não estará disponível se o usuário acessar o sistema remotamente, informou Tewari.

Código do driver Hyper-V para Linux está ramificado
Inicialmente, esses drivers eram os mesmos que foram submetidos à apreciação da equipe que mantém o núcleo do Linux (em julho de 2009), mas como os originais foram alterado com correções e mudanças propostas pela comunidade Linux, ocorreu uma separação entre este driver e a versão original.

A Microsoft informa que ao longo dos próximos meses vai intergrar os drivers de volta em uma única base de código. Mas, diz Tewari, os desencontros eram inevitáveis porque os drivers para o Hyper-V foram direcionados à última versão estável do Kernel, no momento, 2.6.32 (a versão 2.6.33 tornou-se disponível no mês passado).

Nem todas as distribuições comerciais estão usando essa versão. Como parte do trabalho de refazer o código, a Microsoft promete incluir algumas melhorias, como a correção para o problema do mouse.

Como a Red Hat vai participar do processo
A Red Hat prometeu que os drivers para Hyper-V acabarão por se tornar parte natural de sua distribuição de Linux. Mas é necessário que o Kernel do Linux seja atualizado para a versão 2.6.32 ou superior para que os drivers funcionem corretamente. De fato, esta é a principal razão pela qual a Microsoft engoliu seu orgulho e submeteu seus drivers à equipe do kernel, e sob a licença GPL. E isso apesar de continuar brincando com a ameaça de que o Linux viola suas patentes.

Em outubro, a Red Hat certificou que os drivers funcionavam no Hyper-V mas, diz Tewari, isso não significa dizer que ela daria suporte ao produto. Agora, a Red Hat vai dar suporte a seu sistema operacional, mesmo quando sua execução estiver debaixo do Hyper-V. Mas se a equipe de suporte técnico diagnosticar que o problema é do driver, nesse caso, a Microsoft é quem vai atuar.

Essa situação está longe de ser ideal, mas Tewari explica que os usuários vão esperar pouco. Ele diz compreender que compreende “que o tipo de suporte que a Micrisoft oferece ao Linux não é o mesmo que oferece ao Windows", mas que a empresa está empenhada em garantir que os clientes terão o mesmo nível de suporte ao longo do tempo. "Dentro de duas a quatro semanas já deveremos anunciar alguma novidade sobre isso", afirmou.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail