Home > Notícias

Microsoft prepara investida em aplicativos de produtividade na nuvem

E fará isso como o Office Web Apps. Quando o assunto é a criação de versões móveis dos produtos, porém, a empresa é cautelosa.

Sumner Lemon, do IDG News Service

29/03/2010 às 10h18

Foto:

A Microsoft prepara uma investida agressiva na área de aplicativos de produtividade na nuvem com o lançamento do Office Web Apps e outros produtos, mas se mantém cautelosa quanto à criação de versões móveis destas ferramentas. O Office Web Apps é parte do Office 2010, cujo lançamento para consumidores corporativos está programado para 12 de maio, com disponibilidade geral prevista para junho.

A versão online da suíte de aplicativos inclui versões gratuitas de web do Word, Excel e PowerPoint. “Precisamos liderar. Temos que ser os que tomam as decisões mais difíceis e os que levam a indústria a fazer o que fazemos”, disse o presidente da divisão corporativa da Microsoft, Stephen Elop.

Pesquisa feita em 2009 pela consultoria IDC mostrou crescimento no uso do Google Docs, adotado por 20% das empresas entrevistadas, bem acima dos 6% registrados doios anos antes.

Mas entrar tarde no mercado com sua própria suíte de produtividade não deve prejudicar a Microsoft. A mesma pesquisa da IDC concluiu que o aumento na utilização do Google Docs não deve ter efeito negativo na participação de mercado do Office, sugerindo que os aplicativos de web podem ser usados como complementos, não substitutos – pelo menos por enquanto.

O papel das aplicações de produtividade de web pode mudar ao longo do tempo se as empresas se acostumarem a elas, tornando-as substitutos dos softwares de desktop. Elop descreveu o impacto da computação em nuvem no mercado corporativo de TI como um exemplo de “ruptura construtiva”, e disse que a Microsoft deve tomar cuidado ao analisar que aplicativos são implantados e usados. “Quando penso nessas ações, devo fazer de um jeito que ajude os 500 milhões de consumidores do Microsoft Office, por exemplo. Essa é a quantidade de usuários nosso produto diariamente ou com algum grau de frequência".

A grande base instalada de usuários faz do Office uma fonte importante de receita para a Microsoft. Em 2009, as vendas da suíte de aplicativos excederam os 17 bilhões de dólares, representando cerca de 30% da receita geral da empresa. Como resultado, a Microsoft quer garantir que novas versões do Office sejam acessadas online ou usadas em telefones celulares. “A qualidade da experiência tem que ser inquestionável e de acordo com tudo o que os consumidores já conhecem”, afirma Elop.

Na visão da Microsoft sobre a evolução dos aplicativos de produtividade, os usuários vão editar e mover documentos entre seus computadores pessoais, a internet e dispositivos móveis, sem perder a estrutura ou formatação dos arquivos. A versão móvel do Office estará disponível para equipamentos com o Windows Phone ainda em 2010, assim como para smartphones que rodam Symbian e Meego, disse Elop.

Porém, a Microsoft não possui planos imediatos de oferecer versão móvel do Office para aparelhos BlackBerry ou para o iPhone. “Pensamos seriamente nos cenários que precisam ser ativados em cada tipo de dispositivo, e em que momento, porque temos recursos limitados”, explicou Elop.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail