Home > Notícias

Motorola e Verizon anunciam nos EUA novos smartphones da família Droid

Destaque dos aparelhos é a longa autonomia de bateria, que pode chegar a até 48 horas, e um novo conceito em processadores que a Motorola chama de “X8”.

Agam Shah, IDG News Service e Rafael Rigues, PCWorld Brasil

23/07/2013 às 16h19

Droid_Ultra_Maxx_Mini-435px.jpg
Foto:

A Motorola Mobility e a operadora norte-americana Verizon Wireless anunciaram nesta terça-feira uma nova geração da família “Droid” de smartphones Android, composta por três modelos, o carro-chefe Droid Ultra, o Droid Maxx e o Droid Mini.

O Droid Ultra tem uma tela de 5 polegadas com resolução HD, bateria com autonomia para 24 horas de uso, acabamento na cor vermelha e apenas 7,18 mm de espessura, o que segundo Rick Osterloh, um vice-presidente sênior na Motorola Mobility, o torna o smartphone 4G LTE mais fino disponível no mercado norte-americano.

Já o Droid Maxx tem as mesmas especificações do Ultra mas é mais grosso, com 9,3 mm de espessura, para abrigar uma bateria de 3500 mAh que lhe dá uma autonomia de 48 horas de uso. Por fim o Droid Mini tem um design “ultracompacto” com uma tela de 4.3 polegadas e autonomia de bateria de até 24 horas de uso. 

Todos os aparelhos compartilham o mesmo hardware, com telas HD (1280 x 720 pixels), 16 GB de memória interna, 2 GB de RAM, câmeras de 10 MP, compatibilidade com redes 4G e o mesmo processador. Também há camadas de Kevlar no chassis para tornar os aparelhos mais finos e leves, sem comprometer a resistência e câmeras frontais de 2 MP. As telas são protegidas por Gorilla Glass.

O hardware coloca os novos smartphones no topo da linha de aparelhos da Motorola. Os processadores são 24% mais rápidos, e GPUs 2x mais rápidas, que os modelos antecessores, o Droid RAZR HD, Droid RAZR Maxx HD e Droid RAZR M. 

Todos os modelos usam um novo conceito em processadores que a Motorola chama de “X8”. O chip tem ao todo oito núcleos especializados: uma CPU Dual-Core de 1.7 GHz (baseada na arquitetura “Krait”, da Qualcomm), uma GPU quad-core (baseada na GPU Adreno, também da Qualcomm), um núcleo dedicado a “computação contextual” e outro dedicado ao “processamento de linguagem natural”. Com este design o aparelho pode estar sempre pronto para responder a comandos de voz, por exemplo, mesmo que as CPUs estejam em repouso, o que deve ajudar na autonomia de bateria. 

A Motorola chama a interação através de comandos de voz de “Touchless Control”, recurso que também estará presente no Moto X, que deve ser anunciado em breve. Basta dizer “OK Google Now” e um comando para fazer uma chamada, traçar uma rota pela cidade ou obter a previsão do tempo. 

Ainda não há informações sobre um possível lançamento dos novos Droid no Brasil. Mas membros anteriores da família chegaram até aqui, então as chance são boas. Entre eles recebemos a linha Milestone (que foram os “Droid originais” nos EUA), o RAZR, RAZR MAXX e o RAZR HD (Droid RAZR, Droid RAZR MAXX e Droid RAZR HD). O Droid RAZR M não veio, mas recebemos uma “variante” com quase os mesmos recursos, o RAZR i, que substituiu o processador Qualcomm por um chip da Intel. 

O Droid Mini irá custar US$ 99, o Ultra US$ 199 e o Maxx US$ 299 (preços nos EUA), mediante assinatura de um plano na Verizon. Os aparelhos começarão a ser entregues aos consumidores no dia 20 de Agosto.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail