Home > Notícias

Número de usuários convergentes pode dobrar até 2011, diz IDC

Segundo a consultoria, maior integração entre as redes fixa e móvel pode garantir ganhos de 20% na produtividade dos usuários.

Redação do COMPUTERWORLD

22/12/2008 às 14h52

Foto:

Unificar as comunicações, apesar das vantagens, é tarefa difícil de ser realizada, tanto em nível corporativo como individual. Um estudo recente da IDC - Fixed-Mobile Convergence - constata que a convergência tecnológica nas telecomunicações ainda está atrelada a alguns fatores para viabilizar a tão sonhada produtividade.

Vinicius Caetano, analista de telecomunicações da IDC, informa que “pesquisas recentes da consultoria mostram que a maioria das empresas espera ganhos de no mínimo 20% em produtividade com as comunicações unificadas. Hoje, o número de usuários convergentes no Brasil ainda é pequeno, mas a previsão para os próximos três anos é de um crescimento de até três dígitos”.

O estudo da IDC comparou também o Brasil a outros dois países, onde as comunicações unificadas estão um pouco mais evoluídas sendo já oferecidas como serviço das próprias operadoras, embora essa introdução seja recente. Um deles é os Estados Unidos que já conta com 116 mil usuários convergentes, após o lançamento em 2007, predominantemente corporativos. E o outro é a Inglaterra, onde o serviço foi introduzido em 2006 e já atinge 100 mil usuários, a maioria residenciais.

Para o analista da IDC, o mercado brasileiro está caminhando de forma desordenada nessa área. “Hoje, não existe um padrão definido para realizar a convergência e as ofertas são desconexas. As soluções precisam ser instaladas à parte na estrutura das empresas, que passam a conviver com dois sistemas: o PABX existente e o serviço que unifica a infra-estrutura fixa e móvel. Tanto que isso levou ao fracasso algumas tentativas nessa área”, lembra Caetano, que estranha o fato desse sistema ainda não estar desenvolvido.

Atualmente, as soluções oferecidas pelas operadoras para viabilizar a convergência, tanto para o usuário corporativo, como o residencial, concentram-se basicamente em  bluetooth, que viabiliza a comunicação entre os aparelhos e uma base plugada na rede fixa, o Wi-Fi, onde o serviço de telefonia pode sair por VoIP e o PABX IP, que já vem com a tecnologia integrada para viabilizar a ligação fixo-móvel, e que, na opinião do analista, deverá crescer mais.

Para incrementar a introdução dessas soluções, a IDC recomenda que as operadoras associem a convergência fixo-móvel com a produtividade, fornecendo soluções que realizem a integração. E, para o usuário, a orientação é para estudar as opções existentes no mercado, escolhendo a que mais se adequa às suas necessidades.

“O mercado brasileiro apresenta, atualmente, um maior índice de penetração da telefonia móvel do que fixa. Assim, a convergência constitui-se em uma das maneiras de desafogar a rede móvel, fazendo com que parte dos dados possa trafegar pela rede fixa legada. Com isso, é possível baratear o serviço ao usuário, mantendo a qualidade, afinal convergência nada mais é do que permitir que o aparelho móvel possa utilizar as redes fixa e móvel, de acordo com a disponibilidade do momento e a um custo mais baixo”, conclui Caetano.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail