Home > Notícias

Nvidia Tegra 4 pode ajudar a criar “canetas” melhores e mais precisas

Combinado à tecnologia DirectTouch, chip da Nvidia permite criação de gadgets onde simples canetas plásticas tem os recursos e precisão de canetas digitais, muito mais caras.

James Niccolai, IDG News Service

04/06/2013 às 15h54

Foto:

O CEO da Nvidia, Jen-Hsun Huang, demonstrou durante a Computex, feira de tecnologia que acontece nesta semana em Taiwan, como o processador Tegra 4 pode ser usado pelos fabricantes para criar tablets e smartphones com “canetas” muito mais precisas e baratas.

A Nvidia está combinando a tecnologia de processamento de imagens integrada ao Tegra 4, além de sua tecnologia DirectTouch de telas sensíveis ao toque, para permitir que uma caneta mecânica, um simples pedaço de plástico condutivo, seja capaz de se comportar como uma caneta “ativa”, que contém componentes eletrônicos e é muito mais cara.

Huang mostrou a tecnologia a um pequeno grupo de repórteres durante a Computex. Em um protótipo de um pequeno tablet Android ele mostrou como a tela reage a diferentes níveis de pressão para criar linhas finas ou grossas. E bastava virar a caneta, usando o outro lado, para transformá-la em uma borracha.

“Estamos usando tecnologia de processamento de imagem para reduzir os custos de uma caneta, de US$ 20 por uma caneta ativa para praticamente zero por uma caneta mecânica”, disse ele. Segundo o executivo, a caneta pode ser feita de qualquer material capacitivo.

O DirectTouch é uma peça importante no processo porque reduz o tempo de resposta e aumenta a resolução do sensor de toque, delegando ao processador Tegra 4 tarefas que normalmente seriam feitas por um chip controlador dedicado. Isso também ajuda os fabricantes a reduzir custos, já que um componente é eliminado do sistema.

nvidia_directtouch-360px.jpg
CEO da Nvidia demonstra a nova tecnologia de toque em um tablet Android

“A precisão do DirectTouch é muitas vezes superior à de um controlador de toque dedicado, então a resolução da matriz de toque é maior”, disse Huang. “E a taxa de amostragem da tela é muito maior. Nesse caso é de 300 quadros por segundo”. Com isso, a tela reage mais rapidamente ao toque e aos gestos feitos pelo usuário.

O Tegra 4 recebe os dados da matriz de toque e os processa para determinar onde a caneta está fazendo contato com a tela e quanto de pressão está sendo aplicada, e mostra o resultado na tela. O DirectTouch também tem tecnologia de rejeição de palma, que é capaz de filtrar toques acidentais com os cantos da mão sobre a tela, bem como outros tipo de “ruído” que poderiam prejudicar a precisão.

A precisão da caneta é de até um milímetro, embora dependa também da habilidade do usuário, disse Huang. As pontas da caneta tem larguras diferentes, o que permite ao tablet determinar quando o usuário está desenhando ou apagando, por exemplo.

A demonstração foi apenas uma forma de apresentar a tecnologia, e Huang não disse quando um produto equipado com ela poderá chegar ao mercado. Mas eventualmente os custos mais baixos podem se traduzir em tablets com caneta mais baratos, ou uma margem de lucro maior para os fabricantes.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail