Home > Notícias

Para Intel, Comissão Europeia não foi imparcial em ação antitruste

Após divulgação de e-mails entre a Intel e fabricantes de PCs, empresa diz que Comissão estava predisposta a acusá-la.

IDG News Service

22/09/2009 às 9h53

Foto:

A fabricante de microprocessadores Intel criticou severamente a Comissão Europeia, que julgou a empresa culpada por práticas anticompetitivas. Para a Intel, o órgão regulador foi 'seletivo' ao analisar as evidências do caso e culpar a companhia.

A empresa norte-americana emitiu um comunicado na segunda-feira (21/9), mesmo dia em que a Comissão Europeia divulgou um documento contendo e-mails trocados entre a Intel e fabricantes de computadores.

Os membros da Comissão descreveram as mensagens eletrônicas como evidências sólidas de práticas antitruste da Intel. Em maio, a empresa foi condenada pelo órgão regulador a pagar uma multa de 1,06 bilhão de euros (1,45 bilhão de dólares). A fabricante está recorrendo da decisão desde julho.

Em seu comunicado, a Intel afirma ter concluído "relutantemente que a Comissão iniciou a investigação com uma visão predisposta" e que acessou as evidências para confirmar seu ponto de vista. "O resultado foi uma seleção e interpretação parciais das evidências e orientadas a um resultado" disse a companhia no documento publicado em seu web site.

A decisão da Comissão Europeia envolveu a adoção de práticas anticompetitivas da Intel ao oferecer descontos para fabricantes de PCs como Dell, HP e Lenovo, para reduzir a competição com a rival AMD.

Na avaliação da Intel, a decisão do órgão regulador se baseou em "trocas emocionais" e especulações encontradas em mensagens de e-mail com os fabricantes de computadores para favorecer uma decisão já tomada. "A Comissão ignorou evidências-chave, incluindo documentos, declarações escritas e testemunhos de executivos seniores que negociaram as transações", declarou a companhia.

A empresa destacou que as vendas de microprocessadores da AMD cresceram entre 2002 e 2007, período em que a Intel foi acusada de adotar práticas anticompetitivas. Além disso, segundo a Intel, a Comissão Europeia deixou de considerar que a concorrente enfrentou "dificuldades em certas áreas do mercado, incluindo o atendimento às necessidades de seus clientes".

De acordo com a AMD, as evidências divulgadas pela Comissão Europeia falam por si. "A Intel pode dizer o que quiser, mas há uma razão simples pela qual eles falharam em convencer uma única agência reguladora que analisou, de forma independente, as evidências de que as práticas da empresa seriam legais e pró-consumidor. A Intel infringiu a lei", disse Michael Silverman, porta-voz da AMD, por e-mail.

O comunicado da Intel surge menos de uma semana após a líder do mercado de chips ter apresentado uma apelação da decisão, na Corte de Primeira Instância de Luxemburgo.

"A Intel está trazendo todas as evidências à Corte de Primeira Instância para mostrar não somente que a decisão da Comissão Europeia está incorreta, mas para pedir que ela seja anulada" disse a companhia.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail