Home > Notícias

PC WORLD se adequa às novas regras da ortografia da Língua Portuguesa

Todo o conteúdo publicado pelo site passa a respeitar as normas que começaram a vigoram em 1º de janeiro de 2009.

Redação da PC WORLD

30/01/2009 às 16h47

Foto:

PC WORLD adota, a partir desta segunda-feira (02/02), a nova grafia da Língua Portuguesa determinada pelo Acordo Ortográfico aprovado em 1990 e assinado em setembro do ano passado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As demais publicações editadas pela Now!Digital – IDG Now!, Computerworld, CIO, Channelworld e Macworld – também passam a adotar as mesmas regras.

O novo acordo tem o objetivo de unificar a forma como nosso idioma é escrito pelos mais de 210 milhões de habitantes que compõem a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, formada por Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

O acordo prevê que a adaptação às novas regras deve estar finalizada até 31 de dezembro de 2012. Até lá, serão consideradas corretas as diversas formas de escrita adotadas por cada país e, a partir de 1º de janeiro de 2013, o que valerá são as novas regras.

As principais mudanças
O novo acordo ortográfico elimina o uso do trema. Apenas as palavras de origem estrangeira poderão ainda a usar o trema. As letras “k”, “y” e “w” volta a fazer parte do alfabeto português.

Na questão da acentuação, elimina-se os acentos em ditongos “ei” e “oi” paroxítonos. Assim, por exemplo, a palavra “idéia” passa a ser grafada “ideia”.

Acaba também o acento circunflexo quando dois “os” e dois “es” ficam junto. Por exemplo: “vôo” transforma-se em “voo”.

O acento diferencial também acaba na maioria dos casos. A palavra “pára” do verbo parar perde o acento. Passam a ser facultativos acentos diferenciais nos seguintes casos: “dêmos” (presente do subjuntivo, primeira pessoa do plural) e “demos” (pretérito perfeito, primeira pessoa do plural), “forma” e “fôrma” e nos verbos onde pode haver confusão entre o pretérito perfeito e o presente do indicativo, como “amámos" (pretérito perfeito) e “amamos” (presente).

Cai também o acento do "i" e do "u" tônicos dos hiatos em paroxítonas, quando precedidos por ditongo. “Feiúra”, por exemplo, será grafado como “feiura”. Caso a palavra seja oxítona, o acento se mantém, como em Piauí.

A área mais controversa do novo acordo ortográfico refere-se ao uso do hífen. A maioria dos hífens em palavras compostas desaparece. Assim “bem-vindo” vira “benvindo” ou “pára-quedas” transforma-se em “paraquedas”. Mas “circunavegação” ganha um hífen e vira “circum-navegação”.

Além disso, será mantido o hífen em palavras compostas cujo segundo componente começa com “h”, como “pré-história”. Nesse caso, a exceção são os prefixos “dês” e “in”. Por isso, os vocábulos “desumano”, “inábil”, “inumano”, por exemplo, ficam como são.

Em substantivos compostos onde a última letra da primeira palavra e a primeira letra da segunda palavra são as mesmas, será feita a introdução do hífen. Assim “microondas” vira “micro-ondas”. A exceção é “co”: “cooperar”, “coordenar”, por exemplo, continuam do mesmo jeito.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail