Home > Notícias

Pesquisadores criam bateria de papel com nanotecnologia

Com uma tinta especial composta por componentes microscópicos, as baterias de papel suportam até 40 mil ciclos de carga/descarga.

IDG News Service

09/12/2009 às 12h15

Foto:

Pesquisadores da Universidade de Stanford utilizaram nanotecnologia para criar baterias leves e dobráveis a partir de papel, que podem ser amassadas ou até mesmo submersas em soluções ácidas e funcionar corretamente, segundo o professor de engenharia de Stanford, Yi Chui.

As baterias são construídas revestindo uma folha de papel com tinta feita de nanotubos de carbono e nanofios de prata. A Universidade de Stanford não comentou quando o produto estará pronto para uso comercial.

“A parte mais importante disso é como uma coisa tão simples na vida diária – papel – pode ser utilizada como base para tornar eletrodos condutores funcionais por um processo simples”, afirmou o professor de química da Universidade da Califórnia-Berkeley, Peidong Yang.

Os nanotubos utilizados nas baterias de papel e supercapacitores são estruturas unidimensionais de pequeno diâmetro. Isso permite à tinta, que é feita a partir deles, grudar no papel.

A universidade informou que os supercapacitores de papel podem aguentar 40 mil ciclos de carga e descarga,  mais do que as baterias tradicionais de lítio suportam.

Em outro projeto, uma equipe da universidade utilizou nanofios de silicone para aumentar em dez vezes a capacidade de uma bateria de lítio-ion. Segundo Cui, isso significa que um computador portátil poderia ficar ligado por até 40 horas.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail