Home > Notícias

Porque a chegada dos Beatles ao iTunes frustrou os fãs da Apple

Empresa anunciou que ontem, 16/11, data em que músicas dos Fab Four chegaram a sua loja online, seria um "dia inesquecível"; foi, para Steve Jobs

Christopher Breen, Macworld / EUA

17/11/2010 às 11h29

Foto:

Na segunda-feira, 15/11, a Apple colocou em seu site um anúncio sobre o iTunes que dizia: “Amanhã é apenas mais um dia. Que você nunca irá esquecer.” E isso, naturalmente, fez com que todos os fãs da companhia expressassem suas esperanças e sonhos para a data (incluindo eu). Será que a Apple finalmente traria a lendária facilidade online para streaming de música? Ou anunciaria novos canais de conteúdo para a iTunes Store? Quem sabe a abertura da Mac App Store? Ou ainda uma nova versão do Ping que realmente valesse a pena usar?

No final das contas, não aconteceu nada disso. À medida que o dia passou os rumores mais interessantes foram desfeitos, a verdade apareceu.

Senhoras e senhores, os Beatles.

Aqui, lá e em todo lugar
O que aconteceu foi isso: o catálogo básico dos Beatles chegou à loja online iTunes Store (não disponível para contas brasileiras). Isso inclui os 13 álbuns de estúdio (se você contar “Yellow Submarine”), mais os “Past Masters” (colocados como um álbum duplo) e as coletâneas da banda dos períodos de 1962-1966 e 1967-1970. É possível comprar as músicas separadamente por 1,29 dólar cada.

Os discos simples custam 13 dólares e os duplos saem por 20 dólares. Cada álbum de estúdio é acompanhado por um mini-documentário. Além disso, você ainda pode comprar a The Beatles Box Set (150 dólares), um projeto iTunes LP que traz todos os discos, os minidocumentários e o primeiro show da banda nos EUA, realizado em 1964 na capital do país.

Os preços oferecidos pela Apple dificilmente representam um bom negócio nos Estados Unidos. No site Amazon.com é possível encontrar os pacotes Beatles Stereo Box Set e Mono Box Set (com todos os CDs físicos remasterizados e com os mini-documentários, só não trazendo o show de 1964, que a Apple liberou de graça até o final do ano para todos os usuários) por 130 dólares cada. A maioria dos discos remasterizados simples saem por apenas 8 dólares e o “White Album”, um dos duplos da coleção, custa somente 12 dólares.

beatlesitunes010.jpg

Catálogo dos Beatles já disponível na loja do iTunes

As gravações oferecidas pela Apple são AAC em 256-kbps das versões britânicas remasterizadas em estéreo (as gravações americanas dos Beatles eram em grande parte coleções confusas da Capital Records para criar mais álbuns). As versões mono não são oferecidas no iTunes, o que é uma pena, pois essas eram as versões das quais os Beatles mais tinham orgulho. Uma vez que as mixagens em mono ficavam prontas e a banda ficava feliz com elas, os quatro rapazes saíam do estúdio e deixavam o produtor George Martin trabalhar em uma versão estéreo – muitas das quais, ao menos nos primeiros discos, primitivamente colocavam as vozes em um alto-falante e os instrumentos no outro.

Também fazem falta as coleções de raridades – nenhum dos discos Anthology está lá, nem os “Live at the BBC”. Da mesma forma, não há coleções de EPs, o show “Live at the Hollywood Bowl” ou ao menos uma das gravações do fã clube que a banda enviava em todos os Natais.

Seria inesquecível se...
Algumas pessoas questionaram se os funcionários de relações públicas da Apple, enquanto estavam ocupados pesquisando o exato significado de “inesquecível” (unforgettable em inglês) no dicionário do departamento, não teriam acabado se confundido e lido por engano a definição de monótono (uneventful).

Se pensarmos que todas as pessoas que gostam dos Beatles provavelmente já possuem os discos da banda, em um dos dois ou em ambos os formatos, as versões vendidas pela "maçã" são mais caras do que as versões em disco (que não são comprimidas), e que essa chegada ao iTunes demorou muito e muito tempo para acontecer – o que há de inesquecível nisso?

A resposta para essa pergunta tem muito a ver com a sua idade e/ou devoção pelos Garotos de Liverpool.

Estou com uma idade em que me lembro da primeira vez que os Beatles se apresentaram no programa de TV “Ed Sullivan Show” (um pouco antes do primeiro show da banda nos EUA). Foi algo muito importante. Minha irmã mais velha colecionava figurinhas da banda, era a primeira da fila para assistir ao filme “A Hard Day´s Night” e tentou de tudo para convencer meu pai a levá-la ao último show deles nos EUA, no Candlestick Park (ela acabou não conseguindo). As pessoas dessa faixa de idade se lembram e por isso a sugestão da Apple de que ontem, 16/11, seria um dia inesquecível faz referência àqueles dias.

beatleshow01.jpg

1º show da banda nos EUA está disponível de graça no iTunes até o final, inclusive para os brasileiros

Não é obrigatório ser mais velho para ser um fã dos Beatles. A música deles é ótima. Os rapazes sabiam escrever, tocar e cantar e tinham mentes brilhantes por trás disso tudo. Mas ajudava estar lá para realmente pegar o “vírus” da Beatlemania.

Se você é tão fã a ponto de ter acompanhado as disputas legais após o fim da banda – incluindo os processos entre a Apple Records e a Apple Computer – então ontem foi um dia aguardado. Conseguir um acordo entre os integrantes e suas esposas (de John e George no caso) têm sido algo muito difícil. E talvez, após todo esse tempo, isso te dê uma razão para comemorar.

E, é claro, se você é Steve Jobs, essa é uma conquista pessoal. A Apple é a primeira empresa a conseguir o catálogo padrão dos Beatles para download de forma legal (no entanto, já é possível comprar desde o ano passado a discografia da banda em um pendrive em forma de maçã). Outros tentaram, mas foi a Apple que finalmente conseguiu. Não é nenhum segredo que Jobs é um fã do grupo inglês – a Apple não recebeu esse nome porque Jobs e Steve Wozniak adoravam a fruta. Com certeza “possuir” o catálogo dos Fab Four deve estar satisfazendo o CEO da empresa de forma pessoal e profissional.

Ótimo para a Apple e bom para os fãs. Mas inesquecível? A não ser que seu nome seja Paul, Ringo, Yoko, Olivia (esposa de George Harrison) ou Steve, o dia 16 de novembro de 2010 provavelmente será lembrado como apenas mais um dia.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail