Home > Notícias

Donos do Xbox One poderão revender e emprestar, mas não alugar, jogos

Até 10 amigos e familiares poderão compartilhar a biblioteca de jogos de um usuário, mas desenvolvedores terão o controle sobre quais jogos podem ser revendidos.

Mark Hachman, PCWorld EUA

07/06/2013 às 12h56

Foto:

A Microsoft disse nesta quinta-feira que proprietários de seu novo console Xbox One poderão emprestar e revender jogos, mas só se os desenvolvedores permitirem. E esqueçam as locações, pelo menos durante o lançamento.

Mas em vez de simplesmente entregar o disco com o jogo a um amigo, a “nuvem” da Microsoft irá supervisionar a transação. Se você quiser vender ou dar um jogo para alguém só será capaz de fazer isso se o recipiente for seu “amigo” na Xbox Live há mais de 30 dias. E o jogo só poderá ser transferido uma vez.

Esta e outras revelações sobre a estratégia de DRM do Xbox One foram publicadas em um artigo no site Xbox.com. Embora executivos da Microsoft há houvessem indicado que os proprietários do Xbox One seriam capazes de comprar e vender jogos usados, nem mesmo as lojas eram capazes de descrever como o processo iria funcionar.

A nuvem: salvação e destruição

A Microsoft está utilizando seus serviços na nuvem tanto para facilitar a jogabilidade no Xbox One, como também para impor restrições que certamente irão frustrar alguns usuários. A empresa começa o artigo dizendo que usuários serão capazes de comprar uma cópia física (em disco) de um jogo do Xbox One, ou uma cópia eletrônica (download), ambas disponíveis simultâneamente. 

Um ponto positivo é que os usuários terão automaticamente um “backup” de sua cópia do jogo na nuvem. Isso significa que se um jogador quiser visitar um amigo e fizer login com seu ID na Xbox Live, será capaz de jogar qualquer jogo que já tenha comprado, não importando se o amigo tem seu próprio disco ou cópia digital do jogo.

xboxone_console-360px.jpg
Microsoft Xbox One

Da mesma forma, qualquer pessoa em sua casa terá acesso a todos os jogos em seu console. Não está claro se o proprietário deles precisará estar “logado” no console ou não. A Microsoft pode amarrar este recurso ao endereço IP ou a um identificador único em cada console. Os usuários também poderão indicar 10 membros da família ou amigos que poderão ter acesso à sua biblioteca.

“Até 10 membros de sua família podem se logar e jogar seus jogos compartilhados, em qualquer Xbox One”, diz o artigo. “Assim como, hoje, qualquer membro da família pode jogar sua cópia de Forza Motorsport na casa de um amigo. A diferença é que agora eles não verão apenas Forza, mas todos os seus jogos compartilhados. Qualquer um dos membros de sua família pode jogar qualquer jogo de sua biblioteca a qualquer momento”.

Quem irá permitir a venda de jogos, e quem não irá?

A Microsoft também menciona que os gamers poderão revender seus jogos a lojas de usados sem pagar nenhuma taxa por isso. Mas esqueçam as locações: “O empréstimo ou aluguel de jogos não estará disponível no lançamento, mas estamos explorando possibilidades com nossos parceiros”, disse a Microsoft.

Isso significa que empresas como a Redbox e a Gamefly, entre outras, não poderão alugar jogos para o console. E a Microsoft está dando aos desenvolvedores de jogos a oportunidade de impedir a revenda.

Conexão quase sempre presente

Proprietários do Xbox Onde deverão estar conectados à internet para jogar, mas não o tempo todo. A Microsoft recomenda uma conexão de banda larga com no mínimo 1,5 Mbps. E o console precisa fazer “login” periodicamente, então esqueça à idéia de levá-lo para o sítio onde você não tem internet.

“Com o Xbox One você pode jogar, mesmo offline, por um período de 24 horas no console primário associado à sua conta, ou por 1 hora em um console separado que esteja acessando sua biblioteca”, disse a Microsoft. “Jogar offline não é possível após este período até que você reestabeleça a conexão, mas ainda será possível assistir TV e reproduzir filmes em Blu-ray ou DVD”.

Privacidade

A Microsoft também disse que os usuários podem ligar, desligar ou mesmo “pausar” o Kinect, então os usuários podem assistir o que quiserem em frente ao console sem medo do Kinect estar “espionando”. A empresa também assegura que o sensor não irá “escutar” os usuários quando não está em uso. Até mesmo o controle por voz (que permite, por exemplo, ligar o console com o comando “Xbox On”) poderá ser desligado, disse a empresa.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail