Home > Dicas

Veja os recursos de rede do Windows 7 para usuário doméstico e pequena empresa

Ferramentas do novo sistema operacional da Microsoft facilitam a configuração e o uso de redes de PCs por quem não é técnico.

Tony Bradley, da PC World/EUA

21/10/2009 às 17h58

rede-win7-150.jpg
Foto:

rede-win7-150.jpgSeja em casa ou no escritório, as conexões em rede hoje estão em todo lugar, e a Microsoft não deixou esta questão de lado ao incorporar uma variedade de novas ferramentas de rede no
Windows 7 que simplificam a conectividade e ajudam os usuários a
acessar os recursos de rede não importando sua localização.

A seguir separamos algumas das inovações da Microsoft, no que diz
respeito às ferramentas de rede para os usuários finais e que estão disponíveis no novo sistema operacional lançado nesta quinta-feira (22/10) no varejo.  

HomeGroup
Com o Windows 7, a Microsoft introduz o conceito de HomeGroup, dedicado
aos usuários finais e trabalhadores autônomos e que tem duas
funções:

(1) facilitar o compartilhamento de arquivos e recursos entre
computadores em rede
(2) proteger arquivos e recursos compartilhados
de eventuais invasores de uma rede sem fio

Leia também:
>> Ferramentas do Windows 7 facilitam a vida do administrador de rede
>> Especial Windows 7: tudo sobre o novo sistema operacional da Microsoft
>> Testes de desempenho: mais rápido, mas nem tanto
>> Windows 7 é mais lento que o Vista para dar boot
>> O que a Microsoft precisa consertar no Windows 7

Um número cada vez maior de residências já possui mais de um computador - às vezes um desktop e um notebook, ou mesmo dois computadores portáteis. Conectá-los em rede permite o compartilhamento de recursos - a impressora, por exemplo - e de conteúdo multimídia (música, vídeos e imagens). A possibilidade de criar uma rede local já existia no Windows, mas nunca foi uma ferramenta simples
de usar. Com o Windows 7 isso ficou muito mais simples.

img01.jpg

Janela de configuração do HomeGroup

Ao abrir o HomeGroup a partir do Painel de Controle, clique em Criar uma HomeGroup para iniciar o processo. Você pode determinar que tipos de arquivo ou de conteúdo se quer compartilhar com o HomeGroup, marcando ou desmarcando as opções existentes. Clique em Avançar para finalizar a criação do HomeGroup.

O Windows 7 irá automaticamente gerar uma senha que todos os outros usuários devem fornecer para entrar no HomeGroup e compartilhar recursos que foram definidos. Anote-a em um lugar seguro. Ele deve ser usada em cada um dos computadores da rede. 

img02.jpg

Janela com senha gerada pelo Windows 7, para compartilha a rede

Infelizmente, o recurso HomeGroup não pode ser criado a partir de um PC com a versão Windows 7 Starter ou Windows 7 Home Basic. Mas qualquer computador que estiver rodando outra versão do Windows 7 pode se juntar a um HomeGroup. Já sistemas com o Windows XP ou Vista também ficam de fora desta rede.

Além de facilitar no compartilhamento de arquivos e recursos, a ferramenta permite que o usuário convide outras pessoas para se conectar a sua rede wireless, possibilitando que esses convidados também vejam seus recursos compartilhados.

URL baseada em QoS
Não importa a largura de banda de rede se tenha, definitivamente este é um recurso limitado. Quanto mais mais usuários estiverem usando a rede simultaneamente ou sua capacidade for usada para transmissão intensa de dados (como streaming de áudio e vídeo e alguns jogos online), maior a possibilidade de a capacidade da rede diminuir o que irá forçar o roteador a colocar os dados em fila. O resultado disso é uma comunicação ainda mais lenta.

Leia também: 
>> Saiba tudo sobre Wi-Fi Direct?
>> Porque o protocolo 802.11n demorou tanto para ser definido
>> Redes sociais ameaçam a segurança das empresas

Mesmo que a capacidade interna da rede tenha sido alcançado, essas filas de dados costumam ocorrer nos pontos onde a rede interna se encontra com a rede externa (internet). A rede de dados interna pode estar operando com velocidade de 1 Gbps, mas a conexão com a internet pode estar limitada a 10 Mbps, ou até menos, dependendo do seu plano de dados contratado.

Nessas situações, os pacotes de dados formam filas e são liberado pelo roteador em ordem de chegada (o primeiro pacote que chega é o primeiro pacote a ser transferido) conforme a banda para conexão externa fique disponível.

img05.jpg

Esquema de funcionamento do QoS

Porém, nem todos os destinos de rede são criados ou tratados da mesma forma. Requisições para o servidor de uma aplicação, usada para processar ordens ou dados enviados para um banco de dados crítico, devem ter preferência sobre o tráfego destinado ao Google ou Facebook, por exemplo.

A maioria dos roteadores atuais, com ou sem fio, oferecem recursos que possibilitam a priorização de determinados tipos de dados, processo denominado QoS (sigla em inglês para Qualidade de Serviço). Na prática, o que se está dizendo é que o roteador deverá dar tratamento preferencia para determinados dados, colocando outros, menos importantes, no final da fila, quando um gargalo ocorre.

O QoS também pode ser tratado pelo sistema operacional para garantir que dados mais importantes tenham tratamento prioritário, atribuindo a eles um número DSCP (Differentiated Services Code Point) que será usado pelo roteador para identificar tais pacotes de dados.

Quando a rede fica lenta e uma fila de dados começa a se formar, a funcionalidade de tratamento de dados por ordem de chegada é ignorada e os dados marcados como prioritário sáo enviados primeiro.

A funcionalidade QoS já poderia ser encontrada nas antigas versões do Windows, mas requereria que a prioridade fosse definida com base em endereços IP e números de portas específicos.

O problema desse método é que muitos websites podem usar o mesmo endereço IP ou um website específico ter múltiplos endereços IP, dificultando a utilização do QoS.

A Microsoft adicionou no Windows 7 a possibilidade de configurar o QoS com base em URLs. Agora, é possível assegurar que o tráfego destinado a uma aplicação na intranet ou para endereços web importantes sejam processados antes do tráfego de baixa prioridade, dispensando a necessidade de configurar endereços IP e ou números de portas para determinados destins na web.

Essa funcionalidade pode inclusive ser utilizada para fazem o contrário, diminuindo intencionalmente a prioridade de sites que não relacionados ao trabalho do usuário (no caso de empresas), como sites de esportes ou redes sociais. Basta assimilar estas URLs à baixa prioridade, e esses sites serão liberados com menor urgência do que em um tráfego normal.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail