Imagem de fundo do header
Análise: Gametel, um gamepad para seu smartphone Android
Home  >  Review
REVIEW

Análise: Gametel, um gamepad para seu smartphone Android

Fácil de instalar, acessório transforma quase qualquer smartphone com o sistema da Google em um “Xperia Play”. E também funciona em tablets e PCs!

Rafael Rigues, PC World Brasil

Foto:

Telas sensíveis ao toque podem ser uma excelente meio para interagir com um smartphone, mas quem cresceu com um joystick nas mãos sabe que elas não são nem de longe a melhor opção para jogar videogames. Além da inerente falta de “feedback” (não dá pra “sentir” quando o botão foi pressionado, porque ele não existe) há problemas com a precisão dos toques e o fato de que você acaba cobrindo boa parte da imagem do jogo com os dedos só para controlá-lo.

Ainda assim, os smartphones são atualmente a plataforma mais popular para jogos portáteis. De olho nesse mercado empresas como a Sony tentaram lançar produtos otimizados para os gamers, como o Xperia Play. Mas trocar de smartphone só para jogar não faz muito sentido, ainda mais considerando que o aparelho da Sony já está ficando “velhinho” e sentindo o peso dos jogos mais recentes.

gametel_smartphone_2-360px.jpg
O Gametel acoplado a um Nexus S, da Google

É aí que entra a Fructel AB, empresa Sueca que projetou um acessório chamado Gametel. Com ele qualquer smartphone, seja Android ou iOS, vira um “Xperia Play”, com direcional, botões e gatilhos de verdade. E também é possível usar o Gametel como um joystick sem fios, via Bluetooth, em tablets, PCs e Macs.

No papel é uma idéia sensacional. Mas como o aparelho se comporta na prática?

Design e instalação

Feito de plástico preto, o Gametel mede 12 x 6,7 cm e tem 2,4 cm de espessura, com peso de 80 gramas. Os controles seguem o layout do Super Nintendo, com direcional, botões Select e Start, quatro botões de ação e gatihos L e R. Infelizmente não há alavancas analógicas, que viriam a calhar em shooters como Modern Combat 3.

Seu smartphone é encaixado em um “braço” retrátil na parte superior, que comporta aparelhos com até 7,2 cm de largura. Suficiente pra até um Galaxy S III, mas não um Galaxy Note. Testamos vários aparelhos de diversos fabricantes (um Motorola Atrix, um Huawei Honor, um Samsung Galaxy S II Lite e um Samsung Galaxy S II) e todos funcionaram sem problemas. O encaixe é bem firme, e não há risco do aparelho cair enquanto você joga.

Você também pode usar o Gametel com um tablet ou mesmo um PC, já que ele se comunica via Bluetooth. A “instalação” é muito fácil e não há cabos a plugar: no caso de um smartphone Android basta “parear” o acessório, definir ele como sendo o “método de entrada” padrão e começar a jogar. Um aplicativo gratuito no Google Play ajuda no processo. 

gametel_aberto-360px.jpg
Gametel sem um smartphone. Note o braço retrátil que segura seu aparelho

Antes de usar seu Gametel, recomendamos plugá-lo a um PC com Windows e rodar o Gametel Configuration Tool, um utilitário usado para atualizar o firmware do acessório. Em nosso caso uma atualização da versão 1.0 (que veio instalada) para a 1.3 (a mais recente disponível) corrigiu um problema que poderia fazer com que uma das direções ficasse “presa” e melhorou a resposta dos botões. O processo leva só alguns minutos.

Compatiblidade

Nem todos os jogos Android funcionam com o Gametel. O app no Google Play, e o site do fabricante, trazem uma lista com vários jogos compatíveis. O problema é que muitos jogos populares não funcionam com o acessório. E alguns dos que funcionam não estão na lista.

Quer jogar Asphalt 7: Heat, Need for Speed: Hot Pursuit, Mass Effect: Infiltrator, Shadowgun ou GTA III com o Gametel? Sem chance. Em compensação jogos como Cordy, Sleepy Jack, Sonic the Hedgehog: Episode I e Episode II, Sonic CD, EVAC HD, Neoteria, Samurai II: Vengeance, Riptide GP e muitos outros funcionam. É uma questão de tentativa e erro.

Nas configurações avançadas do aplicativo Gametel é possível mudar a forma como o acessório se comporta, o que pode ajudar na compatibilidade. Dá pra fazer ele simular os controles de um Xperia Play (e aí qualquer jogo otimizado para este aparelho funcionará), ou um “Gamepad Android” padrão. Sonic The Hedgehog: Episode II, por exemplo, só funciona no modo Gamepad Android.

Infelizmente, é fato que muitos desenvolvedores de jogos para Android simplesmente não se preocupam em adicionar qualquer suporte a joysticks e gamepads a seus títulos. A Fructel já afirmou estar contatando os desenvolvedores para reverter essa situação.

Mas há uma boa notícia para quem curte emuladores de consoles antigos, como o NES, Super NES, Megadrive ou máquinas de arcade. Todos os que testei funcionaram muito bem com o acessório.

gametel_mdemu-360px.jpg
Emuladores como o MD.Emu, de Megadrive, funcionam muito bem com o Gametel

No geral os botões de ação do Gametel são um tanto pequenos, mas dá pra se acostumar. E tanto eles quanto o direcional e os gatilhos tem a resposta ao toque “firme” e precisa de um bom joystick, então você não precisará se preocupar em errar golpes ou perder tiros porque o aparelho não registrou um comando.

Outra boa notícia: mesmo com a comunicação via Bluetooth não detectamos praticamente nenhum atraso (o infame “lag”) na resposta dos botões, o que poderia ser fatal em jogos de plataforma ou luta, que exigem um “timing” preciso. 

Bateria

Segundo a Fructel, a bateria interna do Gametel tem autonomia para até 9 horas de jogo. Não chegamos a esgotá-la nos testes, mas em uma viagem de ônibus em um feriado joguei por mais de três horas seguidas sem nenhum problema. A recarga é feita via USB, e você pode usar o mesmo carregador/cabo incluso com seu smartphone Android. Por isso não há um carregador na embalagem.

Veredito

Não há dúvida de que o Gametel é uma boa idéia, e ele funciona muito bem nos jogos que o suportam. Infelizmente o preço é um imenso problema: R$ 298 aqui no Brasil (parcelável em 10x sem juros), o que é um absurdo. Se custasse metade do preço seria aceitável. Ainda mais considerando que nos EUA ele custa US$ 50.

Se você gostou do Gametel, sugerimos que encontre um amigo ou conhecido em viagem ao exterior e peça que ele lhe traga um de lá. Por US$ 50 ele é um ótimo acessório para qualquer gamer. Mas pelo preço nacional, não dá pra recomendá-lo.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site