Imagem de fundo do header
Análise: Xoom 2 Media Edition
Home  >  Review
REVIEW

Análise: Xoom 2 Media Edition

Tablet Android da Motorola é menor que seu antecessor, mas traz os mesmos recursos e até alguns truques novos

Rafael Rigues, PCWorld Brasil

Foto:

Não se engane com o nome: o Xoom 2 Media Edition (R$ 1.299,00, já nas lojas) está mais para um irmãozinho do Xoom original (lançado há menos de um ano) do que para um sucessor. Menor, mais leve e mais barato, ele traz praticamente os mesmos recursos do modelo anterior, mas com alguns truquezinhos interessantes.

Leia também:
» O que importa na hora de comprar um tablet

xoom2_mediaedition_frente-360px.jpg
Xoom 2 Media Edition

O design lembra o Motorola RAZR. Desta vez a Motorola optou por uma tela de 8.2 polegadas (ainda com resolução de 1280x800 pixels), o que permitiu colocar o tablet em uma dieta: ele pesa 386 gramas, quase metade do peso do Xoom original, e mede cerca de 21 x 14 cm, com 9 mm de espessura. Ficou mais confortável segurá-lo por longos períodos, mesmo com uma mão só, o que o torna ideal para leitura.

xoom2_botoescamera-360px.jpg

Botões e câmera estão em posição incômoda

O que não é ideal é a posição dos controles de volume e do botão liga/desliga, ainda na traseira do aparelho. A câmera traseira (5 MP com Flash, capaz de filmar em HD) poderia estar melhor posicionada: ao segurar o tablet “deitado” a tendência é tapá-la com uma das mãos. Falando na câmera, com o ajuste de branco no automático ela tende a esverdear as imagens (De novo, Motorola?).

Por dentro o Xoom 2 Media Edition tem um processador dual-core de 1.2 GHz, acompanhado por 1 GB de RAM e 16 GB de memória interna, expansivel com cartões microSD. O desempenho nos benchmarks foi quase o mesmo da primeira geração de tablets Android lançada ao longo de 2011, cerca de 4.600 pontos no AnTutu. Na prática isso significa que não tivemos problemas para reproduzir vídeo em alta-definição (mesmo em uma TV HD, usando a saída HDMI), rodar vários aplicativos ao mesmo tempo ou jogos.

camerasample_xoom2-360px.jpg
À esquerda, a imagem original produzida pelo Xoom 2. À direita, cores corrigidas. Clique para ampliar

O sistema é o Android 3.2, sem modificação alguma. Entre os aplicativos pré-instalados estão o pacote office QuickOffice, o MotoCast para streaming de fotos, vídeos, músicas e documentos de um PC para o tablet, um cliente Netflix (com um mês de serviço grátis) e o curioso Dijit, que usa um emissor infravermelho integrado ao tablet para transformá-lo em um controle remoto universal capaz de comandar quase qualquer eletrônico em sua sala de estar. 

A única coisa que realmente nos incomodou no Xoom 2 foi a autonomia de bateria, cerca de 5 horas em nosso teste de reprodução de vídeo (com o brilho da tela em 50% e conectado a uma rede Wi-Fi). É menos que um concorrente com tela similar, o Galaxy Tab 8.9 3G da Samsung, que chegou a 9 horas. Menos até que o modesto Ypy 7”, da Positivo, que passou de 6 horas.

xoom2_pcworld-360px.jpg
Design do Xoom 2 enfatiza o uso "na vertical", para leitura

Quem procura um tablet Android e não faz questão de 3G tem no Xoom 2 Media Edition uma opção. Apesar de menor que a de outros tablets, a tela ainda é boa o suficiente tanto para vídeos quando para navegação na web, você não perde quase nada em termos de recursos, ganha em portabilidade e ainda gasta menos:ele é o tablet Honeycomb mais barato atualmente no mercado nacional. Se a autonomia de bateria fosse melhor recomendaríamos com mais louvor.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site