Imagem de fundo do header
Grave suas músicas e aprenda a tocá-las com o Amplitube, para iPhone
Home  >  Review
REVIEW

Grave suas músicas e aprenda a tocá-las com o Amplitube, para iPhone

Simulador contém diversos efeitos e pedais para guitarristas ou baixistas treinarem a partir do celular da Apple

Macworld/EUA

amplitubelogo.jpg
Foto:

O AmpliTube 2.0 para iPhone  é um  simulador de efeitos e amplificador. A nova versão conta com um gravador de faixas individuais e a habilidade de acelerar ou diminuir a velocidade das músicas da biblioteca do iTunes, para aprender a tocá-las ou simplesmente para treinar. Um gravador de quatro canais e cinco novos pedais de efeito estão disponíveis como compras para o aplicativo.

Com mais de 14 anos de experiência com simulação de amplificadores e efeitos para uso em estúdio tanto para Mac quanto para Windows, a IK Multimedia aperfeiçoou ainda mais o som de seus amplificadores e dos pedais no software. Os cinco novos pedais – Graphic EQ, Parametric EQ, Reverb, Limiter e Compressor – elevam o número de efeitos para 16. O  AmpliTube completo (20 dólares) inclui 11 pedais; AmpliTube LE (3 dólares) possui cinco e a versão gratuita oferece três. É possível comprar efeitos individuais a partir da aplicação por 2 dólares cada.

Como antes, o AmpliTube inclui um afinador e um metrônomo. O usuário pode usar o iRig da própria IK (disponível no site da empresa por 39 dólares - ao comprar o adaptador, o download do app é gratuito) para conectar a guitarra ou baixo ou outros cabos compatíveis. Na versão completa, há a opção de escolher entre os cinco amplificadores e caixas de som; as versões LE e gratuita possuem apenas um set disponível.

Essas opções adicionais podem ser compradas por 3 dólares cada. Há 36 slots numerados e alguns deles já estão configurados; a versão dois dá nomes para as preferencias pré-configuradas, mas o usuário pode mudar e nomear da maneira que preferir. Isso é mais fácil do que lembrar que o número 4 é o som limpo e o número 6 é a configuração para heavy metal, por exemplo. 

 

amplitube02.jpg
Além dos 16 tipos de efeitos diferentes, há cinco amplificadores disponíveis

Um problema encontrado no app original para iPad (a versão 2 está marcada para ser lançada em breve na App Store) foi o processo complicado para adicionar músicas da biblioteca do iTunes. Mesmo se uma música já estivesse no dispositivo iOS, era preciso ir até um computador na mesma rede Wi-Fi do iPad ou iPhone, abrir o navegador e digitar o endereço de IP. Uma página simples é aberta e então é preciso clicar no botão Choose File e navegar através dos arquivos do Mac até encontrar as músicas desejadas – uma de cada vez, e são permitidas somente 20 faixas.

Embora seja possível adicionar as músicas dessa maneira (o limite agora foi expandido para 50 canções), é muito mais fácil simplesmente conectar o dispositivo iOS ao Mac e usar o recurso File Sharing do iTunes para encontrar e copiar os arquivos. Melhor ainda é que, na nova versão, o AmpliTube permite ao usuário utilizar as músicas que já estejam no dispositivo iOS. Basta clicar em Import/iPod Library , escolher as faixas. Após um rápido processamento, as músicas aparecem na janela do AmpliTube.

Uma vez que as músicas tenham sido copiadas para o app, o usuário pode selecionar certas partes de uma música e colocá-las em repetição, deixando mais fácil a hora de aprender partes complicadas das canções, em vez de ter que ficar repetindo os trechos. A velocidade pode ser diminuída pela metade sem alterar o compasso ou dobrada para usuários que buscam desafios.

 

amplitube03.jpg
Retrô: o visual do gravador lembra uma fita cassete, que "funciona" quando o usuário grava ou executa uma faixa

O usuário pode utilizar essas músicas transferidas no gravador integrado ao app e fazer suas próprias performances nos sucessos do seu artista favorito. Um gravador simples de um canal pode ser comprado a partir do aplicativo por 10 dólares e, como todas as partes do app, a interface é muito legal.  O visual é parecido com um gravador de fita cassete, que fica acima dos faders e controles utilizados para a gravação – ao apertar Play ou Record, a fita roda.

É possível tocar juntamente com o metrônomo, que não aparece na gravação; fica um pouco complicado ao utilizar esse recurso com mais de um canal, já que pode ser difícil para sincronizar o sistema com uma segunda faixa.

Por causa da tela pequena do iPhone, é preciso passar por várias telas (movimento conhecido como “swipe”) para alcançar todos os recursos para a gravação, como ajuste de balanço e adição de efeitos. Além disso, antes de gravar uma segunda faixa, vela aplicar os efeitos na primeira faixa. Ao terminar o trabalho, a música pode ser enviada por e-mail ou transferida novamente para o Mac via compartilhamento de arquivos do iTunes.

Para usuários que já possuam o app, o Amplitube 2 é ótimo, e o upgrade é gratuito. Com boas novidades e melhorias naquilo que já era uma aplicação divertida e muito sólida, essa versão para iPhone é uma boa pedida para os guitarristas com iPhone.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site