Salvar em Nova pasta de favoritos

+

Criar pasta
Fazer login no IT Mídia Redefinir senha
Bem-vindo de volta,
Digite seu e-mail e clique em enviar
Ainda não tem uma conta? Cadastre-se
Últimos favoritos Ver todos
Últimas notícias do conteúdo : Ver todos
Imagem de fundo do header
Huawei P30 Pro: câmeras para perto ou longe, no claro ou escuro
Home  >  Review
REVIEW

Huawei P30 Pro: câmeras para perto ou longe, no claro ou escuro

Aparelho chega para desbancar o reinado das câmeras fotográficas do iPhone, trazendo modo noturno e zoom óptico de 5x

Caio Carvalho

Foto: Caio Carvalho/PCWorld Brasil
pontuação
9
P30 Pro Huawei
R$ 5.499 veja na loja

Após o fator "preço", acredito que a maioria dos consumidores leve em consideração o conjunto de câmeras como item decisivo na hora de adquirir um celular novo. E os usuários, por mais que nem sempre queiram fazer fotos profissionais, estão cada vez mais exigentes para esse elemento que se tornou indispensável em nosso dia a dia.

Nesse questão, a Huawei supera tais expectativas com o recém-lançado P30 Pro, um dispositivo topo de linha com os melhores sensores fotográficos já inclusos em um smartphone, superando rivais como Galaxy S10+ e iPhone XS/XS Max. É também com o P30 Pro que a companhia asiática se firma como uma das maiores fabricantes de celulares do mundo, aliando câmeras e desempenho a um design familiar para os consumidores acostumados a aparelhos Android.

Talvez você não conheça a Huawei - afinal, a empresa está mais uma vez tentando ingressar no mercado brasileiro de smartphones. No entanto, o P30 Pro se firma como um excelente retorno da marca ao Brasil que, a princípio, venderá apenas telefones premium, com preço um pouco mais elevado. Eu testei o P30 Pro por 14 dias, e conto para você minhas impressões no review abaixo.

Análise em vídeo:

As câmeras

Já que as câmeras são o grande atrativo do P30 Pro, vamos começar por elas. Nunca fui de usar o celular para registrar muitas fotos - a câmera, para mim, não chega a ser uma peça fundamental para me fazer comprar ou trocar de smartphone. Mas o aparelho da Huawei tem algo de diferente: foi a primeira vez que eu quis utilizar tudo o que os sensores podem me oferecer, com recursos adicionais suficientes e sem funções que poderiam confundir minha experiência com o dispositivo.

A Huawei diz que o P30 Pro possui quatro câmeras na parte traseira; até na caixinha do produto está estampado "Leica Quad Camera". Contudo, considero um total de três sensores principais, já que o quarto consiste apenas em um sensor ToF (time-of-flight) usado para profundidade. Ele ajuda nos efeitos de foque e desfoque de fundo e em aplicações de realidade aumentada, mas não para captura de luz, como acontece nas demais câmeras.

Criadas em parceria com a fabricante de lentes alemã Leica, as câmeras do P30 Pro possuem as seguintes especificações: o sensor principal é um Super Spectrum de 40 MP com distância focal de 27 mm, abertura f/1.6 e estabilização de imagem óptica (OIS). Na sequência, vem uma câmera de 20 MP ultrawide com distância focal de 16 mm e abertura f/2.4. Por último, há uma câmera de telefoto de 8 MP com zoom óptico de 5x, distância focal de 125 mm, OIS e abertura f/3.4.

As duas primeiras câmeras citadas (principal e ultrawide) fazem um bom trabalho e entregam resultados satisfatórios para esses estilos de sensores. No caso da câmera de 40 MP, há ainda alguns diferenciais, como, por exemplo, um sistema capaz de registrar fotos a múltiplas exposições ao mesmo tempo. Ao combinar essas imagens nessas diferentes exposições, a Huawei então gera uma figura final de 10 MP (a resolução padrão do sensor) com mais qualidade.

O resultado é superior às câmeras dos demais smartphones porque a Huawei optou por utilizar um filtro RYYB (red, yellow, yellow, blue), que por sua vez consegue captar mais luz do que o sistema RGB (red, green, blue), usado na fotografia desde o século passado. Com o RYYB, o P30 Pro acentua os tons de amarelo em vez do verde, permitindo que mais luz seja capturada e aumente a luminosidade das fotos em 40%. Por consequência, as fotografias ficam mais ricas em detalhes, em diferentes cenários e condições.

É aí que o P30 Pro ganha ainda mais destaque em fotos noturnas, superando o elogiado sistema Night Sight do Google Pixel 3. Mesmo em locais onde você não possua tanta luz, o aparelho, usando esse método RYYB, extrai o máximo de luz possível dos objetos, sem comprometer a qualidade das imagens no registro final e sem usar flash. E o melhor: tudo isso está embutido de forma automática na câmera, sem que você precise habilitar a funcionalidade manualmente.

Aqui estão algumas fotos que fiz à noite usando o P30 Pro.

Outro recurso excepcional do P30 Pro é a câmera de telefoto. Visualmente, ela já se destaca das demais pelo formato na parte traseira - é a última de cima para baixo, em formato quadrado, e o diferencial está no zoom óptico de 5x. A maioria dos smartphones só oferece esse tipo de zoom em até uma ou duas vezes, então o aparelho da Huawei por si só é o único que alcança tal capacidade.

Note que estou falando de zoom ÓPTICO, e não zoom digital. Para quem não sabe, o zoom digital processas a imagem usando um software interno da câmera que simula a aproximação, gerando fotos com ruído e sem muita definição. O zoom ópticom por sua vez, faz essa aproximação de maneira real, como se você estivesse bem diante do objeto capturado, sem que a imagem fique distorcida.

O P30 Pro vai além e traz ainda o chamado "zoom híbrido" de 10x, que combina o zoom óptico e o zoom digital para permitir que, mesmo em aproximações maiores, as fotos não percam tanta qualidade. Em meus testes, eu preferi usar somente a opção de 5x do zoom óptico pois dificilmente teria problemas de baixa resolução, mas o zoom híbrido de 10x também cumpriu muito bem seu papel, em especial durante fotos tiradas sob a luz do sol. E um último detalhe: no P30 Pro, você pode aproximar uma imagem em até 50x no zoom digital, mas a partir da marcação 27x é impossível evitar que as fotos fiquem um pouco craqueladas.

A câmera do P30 Pro também conta com algumas funções extras que complementam a usabilidade. No modo "Pro" você pode ajustar manualmente os valores de brilho, exposição e ISO (que chega a incríveis 409.600). Há ainda uma aba com outros modos específicos, entre eles fotos embaixo d'água, preto e branco, panorâmicas e a que eu mais gostei: Super Macro, que mantém um nível de detalhamento ainda maior ao posicionar a câmera bem próxima a um objeto.

Quanto à câmera frontal, não há muito o que falar. Ela tem 32 MP e abertura f/2.0, um número acima da média para smartphones topo de linha, e me entregou ótimas fotos, tanto no modo tradicional quanto no retrato com efeito bokeh (aquele com fundo desfocado). Em todas as câmeras (frontal e traseiras), o tempo de resposta foi bastante curto, mesmo em locais com baixa luminosidade ou ao aproximar com o zoom.

Só que nem tudo é perfeito nas câmeras do P30 Pro. Eu gostei da opção IA Mestre, que ativa mecanismos de inteligência artificial para detectar automaticamente qual é o cenário e adaptar a câmera a esse ambiente. Por exemplo, ao reconhecer o rosto de uma pessoa, no mesmo instante a câmera muda para o modo retrato; ou ainda, ao deixar o sensor bem próximo de um objeto, ela habilita o Super Macro. A Huawei afirma que o sistema reconhece cerca de 20 padrões diferentes de cenários, como nuvens e céus, vegetação, entre outros. A questão é que o IA Mestre, ao mesmo tempo que produz fotos melhores, pode se tornar inconveniente em alguns momentos, pois nem sempre quero aplicar um modo específico enquanto registro uma imagem. Recomendo deixar o IA Mestre sempre ativado, mas esteja preparado para cancelar os ajustes sugeridos pela opção.

Tem também o fato do HDR não ser ativado por padrão nas fotos do P30 Pro, uma vez que fica em um botão dedicado, como se fosse um modo específico. A câmera principal do smartphone já faz imagens excelentes, mas o HDR deixa as fotografias ainda melhores. No meu casao, sempre deixei o HDR habilitado, mesmo que isso me custasse perder os demais recursos presentes nas câmeras fotográficas do telefone. Por falar nisso, as vantagens das câmeras do P30 Pro não podem ser combinadas entre si: ou você escolhe tirar fotos com alta qualidade à noite ou utilizar o zoom óptico - nunca as duas juntas.

Quanto à gravação de vídeo, o P30 Pro grava em até 4K, mas a qualidade não se compara com os recursos de fotografia. Sabe o filtro de embelezamento dos aparelhos da linha Galaxy, da Samsung? Essa foi a sensação que eu tive ao gravar um vídeo com o dispositivo da Huawei: as imagens me pareceram um tanto artificiais, diferente da naturalidade oferecida pelas fotos. No tópico "filmagem", os iPhones ganham de lavada.

Hardware, bateria e desempenho

Não são apenas as câmeras que fazem do Huawei P30 Pro um dos smartphones mais completos do mercado. As especificações técnicas do aparelho não deixam ele para trás. Aqui, você encontra um processador octa-core Kirin 980 com 8 GB de memória RAM e 256 GB de capacidade interna. Você pode expandir essa capacidade para até 1 TB, porém está restrito ao NM Card, cartão proprietário da Huawei que tem o mesmo formato de um chip Nano-SIM.

Falando de performance, não enfrentei nenhum travamento nesses quase 15 dias em que estive com o P30 Pro, e poucas foram as vezes que me deparei com algum bug. Eu digo "poucas vezes" porque, em determinados momentos, o recurso de janelas multitarefas não carregava ou demorava para atender ao meu comando. Comparado ao Galaxy S10+, não é o dispositivo com o hardware mais potente, mas entrega muito mais que o mínimo esperado para um produto premium. Seja você um usuário menos exigente ou que goste de extrair a potência máxima de um dispositivo, o P30 Pro com certeza não te deixará na mão.

Enquanto isso, considero a bateria como o segundo grande destaque do P30 Pro, depois das câmeras fotográficas. Além de ter uma ótima capacidade (4.200 mAh), ela tem suporte para carregamento ultrarrápido. Tanto é que a Huawei inclui um carregador com 40 Watts de potência que carrega a bateria de zero a 70% em apenas 30 minutos. Você também pode carregar outros dispositivos compatíveis com a tecnologia Qi usando o carregamento reverso sem fio de 15 W, o mesmo presente no Galaxy S10. Basta colocar o segundo aparelho na traseira do P30 Pro.

Não sou um usuário fervoroso de tarefas mais pesadas no smartphones - às vezes assisto a um vídeo no YouTube, baixo algum aplicativo ou jogo, mas nada que exija todo o poder de processamento ou bateria. Comigo, o p30 Pro passou quase dois dias inteiros longe da tomada e, mesmo assim, era um alívio saber que eu poderia aumentar a porcentagem de autonomia em apenas alguns minutos usando o carregador de 40 W.

Software

A Huawei utiliza uma interface própria chamada EMUI, esta adaptada ao Android 9.0 Pie. Se você já usou iPhone, notará uma certa semelhança e não demorará para se habituar ao layout. Assim como no iOS, não existe um menu exclusivo para os apps, pois todos ficam agrupados na tela inicial e páginas subsequentes - dá até para agrupar ferramentas em pastas. A navegação também é praticamente a mesma do sistema operacional da Apple, com foco no uso de gestos durante a utilização. Deslize com o dedo para cima para abrir o multitarefa, deslize da esquerda para a direita para voltar à tela anterior, entre outros comandos.

Em contrapartida, passei por alguns apuros que me causaram incômodo no software do P30 Pro. O launcher inicial não é nada intuitivo para quem gosta ou está acostumado ao sistema Android, principalmente porque remove a gaveta de apps - talvez o elemento de maior destaque na interface móvel do Google. Você pode alterar esse tipo de visualização, mas é quase um trabalho de detetive encontrá-las nas configurações do aparelho. Além disso, o teclado padrão do P30 Pro é o SwiftKey que, embora seja um teclado personalizado, não fica tão bem adaptado na EMUI da Huawei. Eu que tenho mãos grandes senti um pouco de dificuldade para usar as teclas - elas ficam meio comprimidas umas nas outras.

Se posso te dar uma dica: baixe algum launcher alternativo no P30 Pro, como o Nova ou Action Launcher. Primeiro porque mantém os mesmos aspectos do Android "raiz", e segundo porque você não precisa vasculhar o sistema em busca das opções corretas. Vai por mim: com o teclado Gboard, do Google, minha experiência com a EMUI melhorou consideravelmente.

E as atualizações? No que depender do histórico da Huawei, serão disponibilizadas mais rápidas do que nas demais fabricantes que utilizam Android. O P20 Pro recebeu o Pie menos de seis meses depois da chegada do sistema aos aparelhos oficiais do Google (Nexus, Pixel), então é de se esperar que a próxima versão do Android siga o mesmo cronograma adotado no ano passado).

Tela e design

Eu sou suspeito para falar de smartphones com telas grandes, pois são os tipos que mais gosto e os que mais me sinto confortável de usar. O Huawei P30 Pro é um aparelho grande, mas não da maneira como esperava. Isso porque ele se aproxima bastante do design da linha Xperia, da Sony, tendo aquele formato "esticado" que só alongam a altura, e não o dispositivo como um todo. É um design fora do convencional, portanto vai muito do gosto pessoal de cada consumidor.

Ainda sobre o design, o P30 Pro tem uma ótima pegada, em especial porque as brodas curvadas estão mais alongadas para a parte traseira, feita em um vidro espelhado super bonito. A versão que eu testei foi a preta, porém queria ter ficado mais tempo com o aparelho nas cores Aurora ou Breathing Crystal, que mudam de cor de acordo com a luz refletida na carcaça. Além disso, o dispositivo é um dos Android topo de linha mais leves que você vai encontrar, tendo apenas 192 gramas.

O P30 Pro possui uma tela OLED de 6.7 polegadas com resolução de 2.340 x 1.080. O painel tem sim muita qualidade, mas mesmo com essas proporções ficou nítido que não é a mesma coisa de um Galaxy S10 ou de outros telefones com a mesma resolução. Você pode ajustar a temperatura e modo de cor manualmente, mas não vi muita mudança na intensidade de brilho e contraste. O S10+ tem o melhor display do mercado para um smartphone, então fica impossível não fazer comparações.

Na tela, temos um notch em gosta para abrigar a câmera frontal de 32 MP. É o formato mais discreto e que garante maior campo de visualização ao display sem comprometer o sensor fotográfico. A má notícia é que foi removido o sensor de reconhecimento facial usado no Mate 20 Pro - a função ainda está lá, mas não é tão precisa (e segura) quanto no aparelho anterior. Tem ainda um leitor óptico de impressões digitais embutido sob a tela, mas não achei tão eficiente se comparado a um sensor capacitivo. Assim como no S10+, o tempo de resposta foi entre um e dois segundos, e a área para posicionar o dedo é bem limitada.

E os alto-falantes superiores? A Huawei optou por utilizar uma tecnologia de levitação eletromagnética que emite o som pelo próprio painel. Confesso que estava um tanto cético se isso funcionava mesmo, mas me surpreendi com a qualidade e amplitude do áudio, melhor até do que alto-falantes tradicionais de outros aparelhos Android. E sobre o som, saiba que o P30 Pro não conta com entrada de 3.5 mm para fones de ouvido. Em vez disso, a companhia faz uso de fones com conector USB-C.

O veredito

Já faz um tempo que a Huawei tem se sobressaído entre as demais fabricantes quando se fala em câmera fotográfica para smartphones. Com o P30 Pro, a companhia chinesa estabelece um novo patamar, oferecendo excelentes recursos de zoom, modo noturno, modo retrato e de profundidade nunca antes vistos em um único aparelho. Será estranho (e desapontante) se as próximas versões do iPhone, Galaxy ou Google Pixel não seguirem por esse caminho, empregando mecanismos de inteligência artificial e capacidades fotográficas minimamente semelhantes aos que estão no dispositivo da Huawei.

E não poderia haver momento melhor para a Huawei retornar ao mercado brasileiro. O P30 Pro é um dispositivo premium que rivaliza com o Galaxy S10+, trazendo recursos tão eficientes quanto o aparelho da Samsung, só que por um preço mais em conta que seus concorrentes: R$ 5.499. Ainda é caro? Sim, mas é mais acessível para quem está disposto a investir uma grana sem gastar (muitos) milhares de reais.

Apesar de algumas características que me incomodaram, como o launcher confuso do sistema operacional EMUI e o HDR da câmera não ser ativado por padrão, meu tempo com o P30 Pro foi bastante agradável. É um smartphone que traz uma das experiências mais sólidas no campo Android, adicionando mais competitividade a uma indústria que até então era dominada apenas por Apple e Samsung. Ainda devemos ouvir muito o nome da Huawei no Brasil e no mundo, e o P30 Pro é só começo dessa história.

em resumo
9 Pontuação
P30 Pro Huawei
R$ R$ 5.499 veja na loja
P30 Pro
Design8
Tela7
Desempenho8
Bateria9
Câmeras10
Recursos8
Sistema7

Com as melhores câmeras para um smartphone, o P30 Pro marca o retorno em grande estilo da Huawei para o Brasil, na tentativa de conquistar o consumidor em meio a gigantes como Apple e Samsung.

Prós
  • As melhores câmeras para um smartphone
  • Zoom óptico de 5x
  • Fotos noturnas dão um show
  • Processador de ponta
  • Design excepcional em vidro
Contras
  • Sistema operacional inconsistente
  • Inteligência artificial da câmera irrita
  • HDR não é ativado por padrão
Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site