Imagem de fundo do header
Cadernos Digitais
Home  >  Review
REVIEW

Cadernos Digitais

Portáteis, funcionais e potentes, os Tablet PCs, equipamentos com telas digitalizadoras e canetas que funcionam com um mecanismo de reconhecimento de escrita e tinta digital, já estão no mercado - pena que só falam inglês.

Henrique Martin

Foto:

Ao primeiro olhar, eles se parecem com um notebook com a tela no lugar errado ou mesmo um portátil convencional. O monitor de cristal líquido (LCD) gira e se encaixa sobre o teclado, e ao pressionar um pequeno botão na parte superior uma caneta que utiliza um mecanismo “tinta digital” é ejetada para que o usuário faça anotações por escrito na tela, como num bloco de notas. Curioso com a novidade? Bem, apesar de o conceito não ser tão novo assim – remonta ao início dos anos 90, quando surgiram os primeiros produtos com essas características – os micros operados por caneta, agora rebatizados de Tablet PCs, surgem como alternativa mais flexível aos notebooks, especialmente para usuários corporativos remotos.

Embora muito parecidos com um portátil convencional, a arquitetura de hardware dos Tablet PCs é um pouco mais simples. Além de tela digitalizadora de alta resolução e de um sistema de reconhecimento de escrita muito parecido com o dos Pocket PCs, eles utilizam processadores de subnotebooks, possuem placa Wi-Fi (802.11b) sem fio, padrão Ethernet, modems de 56 Kbps embutidos e um teclado integrado ou como opcional. O mesmo acontece com a leitora de disco óptico, que é fornecida como opcional ou drive externo.

Outro diferencial é a tela de LCD protegida por um vidro resistente – os fabricantes recomendam ao usuário apoiar mesmo as mãos no monitor, sem medo de quebrar ou de acionar algum comando sensível ao toque como nos handhelds. Isso porque os tablets funcionam apenas com a ação da caneta eletrônica.

Passo a Passo: Os passos para escrever na prancheta


1) No Windows Journal, escreva à vontade com a caneta;

2) Depois, marque o texto com a ferramenta de seleção;
3) No menu Actions, escolha Convert handwriting to text;
4) O texto escrito se transforma automaticamente em texto em caracteres

Nos testes que fizemos com duas máquinas já disponíveis no mercado, o Acer TravelMate C100 e o HP Compaq TC1000, verificamos que um toque da caneta na tela equivale a um clique do mouse, dois toques rápidos correspondem a um duplo clique e ao pressionar e segurar a caneta surge na tela um menu similar ao do botão esquerdo do mouse. As principais funções do tablet – reconhecimento de escrita (via painel de entrada de dados ou pelo Windows Journal) e de voz – vêm explicadas em detalhes em tutoriais. Os botões de atalho espalhados pelas máquinas também ajudam bastante na hora de usar o “caderninho digital”.

O processo de escrita é simples, com diferentes modos: um ícone na barra inferior da tela ativa o teclado virtual do Windows, com opções de escrita manual ou por meio do teclado alfanumérico. Por enquanto, o sistema está preparado para receber informações no modo manual apenas em inglês — a língua nativa do sistema operacional dos tablets, o Windows XP Tablet PC Edition. Segundo a Microsoft Brasil, uma versão em português do sistema deve chegar ainda neste semestre, porém a empresa não tem previsão de lançamento do Windows Journal adaptado para o nosso idioma.

A área para escrita funciona em qualquer aplicativo, incluindo os do Office. Mas vale a recomendação de treinar bastante para entender o que e como o tablet entende sua escrita. Ele reconhece quase toda palavra em inglês, mas as letras maiúsculas como F e K são difíceis de serem feitas e o Q, quase impossível. Já nas letras minúsculas, o K é o vilão, que teima em ficar diferente — nesse caso o ideal é usar o teclado alfanumérico. Para usuários do Office XP, há um download gratuito para habilitar o reconhecimento de escrita diretamente no Office XP no site de Tablet PC da Microsoft (veja quadro).

As ferramentas para tablet PC


Os novos Tablet PCs já vêm com o Windows Journal, software da Microsoft que possibilita fazer anotações manuscritas, além de outros programas que se aproveitam das funções da caneta dos tablets. Existem três pacotes de software bem interessantes para Tablet PC: a versão do programa de desenho Alias SketchBook Pro, da Alias/WaveFront; o programa para criação de gráficos avançados Corel Grafigo, da Corel; e o aplicativo de planejamento TabletPlanner, da FranklinCovey. Em todos, a caneta do tablet expande os recursos tradicionais do software. Os três aplicativos podem ser baixados direto do site da Microsoft para Tablet PC (www.microsoft.com/tabletpc), na seção de downloads.

O Alias SketchBook Pro é bem mais versátil do que seu nome possa sugerir. Além de desenho à mão livre, o usuário pode usar a caixa de ferramentas contendo 20 pincéis e 300 modelos de fundos para incrementar suas anotações, antes de enviá-las. A interface gráfica baseia-se em um conjunto de menus móveis e “flutuantes”. Toda vez que o usuário pressiona a ponta da caneta em uma palheta de pincéis ou cores, por exemplo, surgem as opções. Ele oferece também recursos como zoom/panorâmicas e controles que permitem girar, inverter verticalmente e espelhar as imagens. A Alias oferece uma versão de avaliação para download.

O Sketchbox tem uma variedade praticamente ilimitada de camadas ou sobreposições transparentes para colocação de comentários manuscritos e notas sobre o documento. O usuário pode, por exemplo, pegar uma foto digital ou página da web e rabiscar em uma camada a frase do tipo “Veja isso!”, e depois enviar o material por e-mail para um amigo. Embora o SketchBook Pro seja compatível com anexos do Outlook nos formatos JPEG, PNG e TIFF, as camadas só podem ser armazenadas em TIFF.

Como a maioria dos pacotes de software que acabaram de ser lançados para Tablet PCs, o Corel Grafigo (disponível para download gratuito) destina-se principalmente a funcionários móveis de grandes empresas, alguns do quais poderão usufruir das excelentes ferramentas gráficas da aplicação e da palheta Symbols. Uma delas, particularmente útil, é a de reconhecimento de formas, que produz formas geometricamente precisas para quando o usuário rabiscar algo que se pareça com a figura que deseja desenhar, seja um triângulo ou uma elipse.

Cerca de 6 milhões de pessoas em todo o mundo usam o programa FranklinCovey Planner, em papel ou eletronicamente. Sua interface familiar está no TabletPlanner (US$ 170), que oferece uma lista de afazeres diários, calendários (diários, semanais e mensais), uma lista de contatos e formulários financeiros como registro de quilometragem do carro, relatório de despesas e planilha de orçamento mensal. O TabletPlanner ainda possui ferramentas para escrita e capacidade de localizar informações na forma de texto ou manuscritas. Além disso, é possível importar qualquer documento criado em um aplicativo Windows, como o Word, para o programa, para consolidação de informações.

O Windows Journal é similar a um grande bloco de notas (ou a uma lousa mágica) e oferece diversas opções de canetas (traço fino a grosso), marcador de texto e borracha. O usuário pode rabiscar à vontade, selecionar o texto e escolher se quer transformar os garranchos em texto escrito no próprio aplicativo, copiá-los para a Área de Transferência para colar em outro programa ou enviar o texto convertido por e-mail. Além disso, desenhos, anotações e “obras de arte” podem ser salvos no formato original e lidos sem problemas em PCs convencionais com a instalação de um software específico, o Windows Journal Viewer 1.5.

Inicialmente, o foco dos Tablet PCs é o mercado corporativo. Os modelos já à venda no mercado apresentam bom desempenho, mas, além do preço salgado (o modelo mais barato não sai por menos de R$ 9 mil), podem ser superados por notebooks convencionais. O diferencial mesmo está na sua funcionalidade de escrita em tela. Veja, a seguir, os testes com o Acer TravelMate C100 e o HP Compaq TC1000.

Acer TravelMate C100


Se o HP TC1000 é um tablet que vira notebook, o modelo da Acer é um notebook que se transforma em PC prancheta. É uma máquina completa, com visual de notebook e que vem com recursos de segurança, devido à entrada para smartcard de proteção por senha. No tocante ao hardware, o TravelMate C100 é equipado com processador Intel Pentium III M de 800 MHz, memória RAM de 256 MB, disco rígido de 20 GB e algumas portas internas, que não constam no modelo da concorrência, como FireWire — ideal para conectar câmera de vídeo digital ou hardware que precise de velocidade na transferência de dados — e infravermelho. O equipamento dispõe ainda de duas portas USB 1.1, saída de vídeo, slot PCMCIA, slot para rede sem fio 802.11b (opcional e que pode ser acionada por um botão no teclado) e drive de CD-ROM externo (USB).

Na documentação do TravelMate consta que ele vem com dois smartcards, do tamanho de um cartão de crédito, para serem inseridos em uma pequena ranhura próxima ao slot do cartão PCMCIA. O manual informa que os cartões servem para dois propósitos: como cartão de emergência, uma espécie de “chave mestra” do notebook, usada para destravar a máquina no caso de pane ou até mesmo ajudar a restaurar o sistema; e como cartão de controle de acesso. Caso o smartcard fique preso dentro da máquina, um adesivo emergencial ajuda a retirá-lo.

A tela do TravelMate não se separa do corpo do equipamento com o teclado. Pressa por duas travas laterais, após a liberação, basta girá-la 180º e fixá-la como prancheta sobre o teclado. Isso permite o uso do equipamento de forma alternada, como tablet ou como notebook. Com 10,4 polegadas, a tela no entanto passou a impressão de ter iluminação mais fraca em comparação à da HP, embora seja igualmente resistente. A Acer fornece um tecido de microfibra com o equipamento para limpeza das persistentes marcas de dedos, o qual pode ser usado também em monitores convencionais, CDs e lentes de câmeras. As teclas de função dispostas na borda da tela facilitam o acesso a alguns recursos, como o de rotacionamento (retrato/paisagem). O ponto negativo está no fato de a caneta principal que acompanha o tablet não se encaixar na máquina, mas apenas no estojo protetor. Há uma outra caneta, similar às usadas em handhelds, encaixada no topo do monitor, mas que é insuficiente para usar por muito tempo.

O Acer TravelMate C100 não tem nenhuma base que amplia suas capacidades.

HP Compaq TC1000


Equipado com um processador Transmeta Crusoe TM5800 de 1 GHz, o modelo TC1000 da HP é o topo de linha da fabricante e foi projetado para ser um PC prancheta no sentido exato da palavra. Com o aparelho fechado, a tela de 10,4 polegadas fica voltada para o lado de cima. Basta levantá-la e aparece um teclado portátil. Ao movê-la, seja para a posição retrato ou paisagem, ela automaticamente reconhece e ajusta a posição da Área de Trabalho. O teclado é removível, o que torna o transporte mais fácil. O equipamento fornecido para testes veio com disco rígido de 30 GB e 768 MB de memória RAM.

A caneta, movida a pilha alcalina e com corpo emborrachado, possibilita um manuseio firme e fica guardada em uma ranhura no topo da tela. Ao pressioná-la, ela sobe e se solta. De escrita fácil, a caneta ajuda na hora de trocar a posição da tela — basta um toque nos ícones no canto superior da tela — e também é usada para ligar o teclado virtual e iniciar o Windows Journal. Na parte à direita da tela, estão localizados o botão de liga/desliga e teclas de atalho rolagem de tela.

O Tablet PC da HP ainda vem com duas portas USB, entradas para rede e linha telefônica, saída para monitor externo, dois slots (PC Card e Compact Flash) e entrada/saída de áudio. Dois pequenos pés na parte inferior servem de apoio na mesa para o computador, quando está desconectado do teclado. O vidro da tela (com ótima resolução de imagem) é resistente e fácil de limpar. Com o teclado em funcionamento e a tela erguida, o TM5800 parece um micro de design futurista, com botões no teclado para substituir o mouse. Quer sair escrevendo? Uma trava libera o Tablet, deixando o aparelho pronto para a escrita portátil.

Como opcional, a HP oferece uma docking station, base que transforma o Tablet em um PC de mesa. A base da estação tem drive de CD-RW/DVD (configurável de acordo com o gosto do consumidor), quatro portas USB 2.0, porta de rede e mais um teclado e mouse (USB). Um braço articulado permite a movimentação do suporte com encaixe do tablet. Outro recurso interessante é o que possibilita girar a tela na horizontal e vertical — a orientação também muda automaticamente.

A HP colocou à venda dois modelos com processador Transmeta Crusoe TM5800 de 1 GHz, tela TFT, ou transistor de membrana fina) de 10,4 polegadas, bateria com autonomia para cinco horas de uso, placa NVidia GeForce 2 Go 100, transmissor e antena para redes sem fio padrão 802.11b e portas USB 2.0. A diferença entre os modelos fica na quantidade de memória (256 MB, 512 MB ou mais) e no disco rígido (30 GB ou 60 GB). O produto pesa 1,3 quilo e mede 21 x 27 x 2,2 centímetros. Os dois modelos vêm com teclado, pasta para guardar o equipamento, caneta especial, cabos e carregadores de bateria.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site