Imagem de fundo do header
StarOffice ganha ares de gente grande
Home  >  Review
REVIEW

StarOffice ganha ares de gente grande

Com a versão 6.0, a Sun Microsystems entrega ao mercado um produto comercial, com suporte e recursos mais maduros.

Kelli Gonçalves

Foto:

À primeira vista, o anúncio de que o StarOffice, pacote de aplicativos para escritório da Sun Microsystems e concorrente direto do Office da Microsoft, deixaria de ser gratuito em sua versão 6.0 causou certa surpresa no mercado. Afinal como uma das defensoras do software livre poderia bandear para o outro lado?

A explicação de André Echeverria, gerente de marketing da Sun Microsystems no Brasil, faz sentido - sem ser demagógica: "Queremos ampliar nossa participação no mercado corporativo e oferecer um modelo de negócio semelhante ao que ele está acostumado, com direito a suporte, treinamento e atualizações, mas custando menos do que a concorrência". Segundo o executivo, o StarOffice precisava de uma "cara" mais profissional.

Apesar de incluir o custo da licença na versão 6.0, a Sun continua fiel a seu compromisso com a comunidade de manter o código do produto aberto. No site do OpenOffice (www.openoffice.org), há uma versão do software para download. "Apenas não podemos oferecer a parte do StarOffice que é de terceiros, mas o núcleo do produto em si continua podendo ser utilizado gratuitamente", afirma Echeverria.

Outro ponto infundado que ainda causa certa resistência em relação ao uso do StarOffice é a compatibilidade com os aplicativos da Microsoft. A Sun garante que o programa permite que os documentos criados sejam gravados com diversas extensões, incluindo aquelas compatíveis com versões anteriores do StarOffice e com os aplicativos da Microsoft. "O usuário da Sun vai interagir constantemente com máquinas que trabalham com MS Office, receberá e enviará arquivos, e pode ter certeza de que seus documentos serão abertos nas máquinas de destino", detalha Echeverria.

O inverso também acontece e os arquivos gerados no Office da Microsoft podem ser abertos automaticamente no StarOffice 6.0. "Essa compatibilidade começou a ser trabalhada na versão 5.1 e foi melhorada na 5.2. Agora, na 6.0 está bastante amadurecida e aperfeiçoada", comenta Echeverria.

Davi e Golias

E como a sun pretende ampliar sua participação nesse mercado dominado pela Microsoft? Talvez a resposta a essa pergunta inclua em grande parte a aposta da empresa de que o usuário queira inovar, de que ele perceberá que vale a pena experimentar "um produto que alia num mesmo pacote mais ferramentas, preço mais competitivo e superioridade em relação à concorrência. Com a nova versão, temos um produto sofisticado e maduro, pronto para ser explorado pelos usuários", comemora Echeverria.

Tirando essa visão mais romântica e fundamentada em um forte ideal de que uma das missões da Sun é provar que existe vida inteligente além do que o usuário foi "catequizado" a usar, a companhia atuará no mercado em quatro frentes.

Para o segmento de varejo, que receberá o StarOffice com preço sugerido de US$ 75 (nos EUA), a Sun tem um acordo quase fechado com um distribuidor local e depende disso para levar o pacote (ainda sem a versão localizada) até as prateleiras. O mercado corporativo, que já pode procurar a Sun para desenvolvimento de projetos, ficará sob responsabilidade da força de vendas da Sun, assim como o suporte em primeiro nível. O preço das licenças nesse caso vai variar de acordo com cada projeto e pode incluir também a consultoria de terceiros para a migração de ambientes diferenciados.

Pacotes em OEM também estão nos planos da Sun, que já está negociando com fabricantes de PCs a inclusão do StarOffice nos equipamentos. O mesmo vem acontecendo em relação a empresas de software. "A Conectiva, por exemplo, é uma parceira nossa na versão 5.2. O Linux 8.0 tem o produto e a documentação do StarOffice 5.2 em português, tudo feito pela própria Conectiva. Vamos ver se fechamos algum acordo semelhante com a 6.0." Há ainda uma estratégia específica para o segmento educacional, que não pagará a licença para usar o StarOffice 6.0; o único custo será o frete.

A Sun também investe na localização do produto, que terá manuais, menus e funcionalidades traduzidos para o português do Brasil. "O processo de localização está sendo feito por uma universidade do sul do País e deve estar concluído até o final do ano", explica Echeverria.

O StarOffice inclui processador de texto, planilha, ferramenta de autoria para Web, aplicativo para criação de apresentação e programa de ilustração. O banco de dados Adabas é estreante na versão 6.0.

Uma das mudanças mais visíveis na versão 6.0 é que os aplicativos não ficam mais em um ambiente único; agora o usuário abre cada documento em uma janela. O trânsito entre os programas também foi facilitado e é possível alternar entre documentos de aplicativos diferentes de forma simples: clicando no botão New, abre-se um documento do aplicativo que está sendo utilizado; clicando e segurando no mesmo botão, abre-se qualquer tipo de documento.

Outras características novas no StarOffice 6.0 são compatibilidade com Windows XP e XML, melhorias na interoperabilidade com o PowerPoint - segundo Echeverria, nas versões anteriores, às vezes, aconteciam problemas com fontes e acentuação. "A versão 6.0 também permite instalar um plug-in para que usuários de Windows XP sem a JVM tenham acesso ao mundo Java", detalha Echeverria.

A versão para download do StarOffice 6.0 já está disponível no site da Sun Microsystems (US$ 75) e só difere da empacotada porque é preciso imprimir os manuais.

Para quem não foge das novidades e acredita que o bom também pode custar pouco, conhecer o StarOffice 6.0 faz parte!

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site