Imagem de fundo do header
Notebook com grife
Home  >  Review
REVIEW

Notebook com grife

Ferrari 4000, da Acer, é um dos primeiros portáteis com o novo chip de 64 bits da AMD

Mário Nagano

Foto:

Lançados oficialmente no início deste ano, os notebooks baseados no Turion são poucos no Brasil. Avaliamos o Ferrari 4000, da Acer, o mais novo modelo da linha e o primeiro equipado com o novo processador da AMD.

Notebook Acer Ferrari 4000Trata-se de um equipamento que incorpora estilo e desempenho. Ao contrário de seus antecessores, com seus reluzentes gabinetes vermelhos, o Ferrai 4000 (cerca de 12 mil reais) possui um desenho bem mais sóbrio, com destaque para sua elegante tela LCD, protegida por uma capa de fibra de carbono. O vermelho característico está presente apenas em alguns detalhes na frente e na lateral do produto.

O portátil é rico em recursos com um painel frontal equipado com vários conectores, luzes e botões, além um leitor para cartões SD/MMC, MemoryStick e xD Picture Card, portas de som e botões para ativar e monitorar as portas Wi-Fi e Bluetoo-th. Ele também integra recursos voltados para entretenimento, como sua generosa tela retangular de 15 polegadas do tipo WSXGA+ (1.680 x 1.050 pixels) e um gravador de DVD, que permite que ao usuário editar, produzir e assistir vídeos diretamente no notebook.

Mouse FerrariSua configuração inclui, além de chip Turion ML-37 de 2,0 GHz, 1.024 MB de me-mória RAM e um disco rígido Seagate ST9100823A de 100 GB e 5400 rpm. A aceleradora gráfica é a nova Mobility Radeon X700. Nos testes realizados, o Ferrari 4000 bateu 90 pontos no PC WorldBench 5 e 3.840,3 pontos do SYSmark 2004. Esses números, apesar de impressionantes para um portátil, não superam o Dell latitude D810 (analisado na edição de fevereiro de 2005 de PC WORLD), que obteve 97 e 4.031 pontos respectivamente, nos mesmos testes.

Apesar disso, impulsionado pela aceleradora gráfica X700 o Ferrari 4000 deixou o D810 com sua Mobile Radeon X300 bem para trás nos testes gráficos, com 1.973 pontos no 3Dmark’05 (contra 1.122 do D810) e 13.160 pontos no 3Dmark 2001se (contra 9.389 do D810). Nas avaliações de bateria com o MobileMark 2002, o Ferrari 4000 trabalhou a todo vapor por 199 minutos, um tempo acima da média.

Os resultados mostram que o Ferrari 4000 apresenta um excelente desempenho para um portátil da sua categoria, mas que, ao contrário do que acontece no seg-mento de desktops, o processador da AMD não mostrou ser melhor que o Pentium M, da Intel. Isso, porém, poderá ser visto melhor à medida que mais modelos baseados no novo chip da AMD cheguem ao mercado.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site