Imagem de fundo do header
Testamos o Spider, o processador quad-core da AMD
Home  >  Review
REVIEW

Testamos o Spider, o processador quad-core da AMD

A plataforma para desktops da AMD revela uma boa tecnologia, mas desaponta nos resultados

Por Jon Jacobi, da PC WORLD (EUA)

spider_phenom_70.jpg
Foto:

spider_phenom_150A AMD finalmente apresentou ao mercado o Phenom, nova família de processadores para desktops, bem como a plataforma Spider para PCs. Com quatro núcleos, o novo chip utiliza tecnologia de fabricação de 65 nanômetros (nm) e traz melhorias no gerenciamento de energia. A pergunta que fica, agora, é: será que o Phenom e os novos motherboards, chipsets e placas gráficas que compõem a plataforma Spider vão incomodar a dominância da Intel? Testamos um sistema baseado no Spider com o PC WorldBench 6 beta 2 durante o evento da AMD em Lake Tahoe (EUA). A conclusão: a fabricante ainda tem um longo trabalho pela frente.

Este provavelmente não foi o ano da AMD. Na realidade, nem tudo vem sendo um mar de rosas desde meados de 2006, quando a Intel lançou os processadores Core 2 Duo. Depois de bons três anos, a AMD viu sua liderança ir por água abaixo: rodando à mesma velocidade, os Core 2 Duo eram 10% a 20% mais rápidos do que o Athlon 64 X2.

E se não bastasse isso, deve-se olhar para a aquisição – por 5,4 bilhões de dólares – da ATI, fabricante de placas gráficas e chipsets. A compra deu à AMD expertise nesse segmento e independência da nVidia – aliada de longa data que começou a suportar a Intel há um ano. Mas também acrescentou a percepção de que a AMD está fadada ao segundo lugar. Prejuízos financeirs acumulados nos últimos trimestres também não têm ajudado muito a marca.

Este ano também tem mostrado que a AMD perdeu terreno na corrida por melhor processo tecnológico. O novo Penryn da Intel, fabricado com tecnologia de 45 nanômetros, permite que a empresa empacote mais transistores por milímetro quadrado do que o processo de 65 nn que a AMD está usando na produção do Phenom. Em outras palavras, é possível produzir mais chips com a mesma quantidade de silício, o que resulta em barateamento de produção; ou seja, uma vantagem a mais para a Intel. Os processadores Opteron de 65 nm da AMD são competitivos no mercado de servidores, mas em nada ajudam nos segmento de volume.

Segundo benchmarks da própria AMD, o quad-core Phenom é 32% mais rápido do que o Athlon 64 X2 dual core, com a mesma velocidade de clock. A empresa acredita que o processador poderá competir mais de perto, no quesito desempenho, com os produtos para desktop da Intel.

Infelizmente, havia poucas unidades do Phenom disponíveis para testes independentes quando este review foi escrito. Questionado, Simon Solotko, da AMD, afirmou que “muitos” processadores Phenom 9500 de 2,2 GHz, e Phenom 9600 2,3 GHz deveriam estar disponíveis no canal (EUA) a partir da tarde de hoje (19/11), dia do anúncio. Ele acrescentou que a escassez de equipamentos para testes se deu em função da complexidade envolvida no lançamento que inclui o novo chipset Spider 790FX e placas gráficas ATI 3800-series, e que isso não estava relacionado com problemas na manufatura do novo processador.++++
spider_phenom_150De acordo com a AMD, o Phenom 9500 de 2,2 GHZ vai custar 251 dólares (preço unitário para lotes de mil peças) e o 9600, de 2,3 GHz, 283 dólares. Uma versão destravada e turbinável, denominada Black Edition, do Phenom de 2,3 GHz deve ser lançada ainda este ano. O processador que a AMD liberou para este benchmarking – um Phenom 9900 de 2,6 GHz – só estará no mercado no primeiro trimestre de 2008 e vai custar 350 dólares. Um modelo de 2,4 GHz (9700) vai custar pouco menos de 300 dólares e chega ao mercado também no próximo trimestre.

O sistema Phenom que avaliamos utiliza duas das recém-lançadas placas gráficas Radeon HD 3850, da ATI, placa-mãe MSI com chipset 790FX e 2 GB de memória RAM DDR-2-1066.

Resultados frustrantes
O sistema obteve pontuação 105 com o PC WorldBench 6 beta 2, significativamente mais rápido do que os 93 registrados por um Polywell 580CF-2900 e seu Athlon 64 X2 6000+, de 3 GHz, mas nada próximo do ganho de 32% anunciado pela AMD. É claro que é um ganho de desempenho apreciável comparado aos chips anteriores, mas nem de longe suficiente para incomodar a Intel.

Até que possamos ter um Phenom em nossos laboratórios, não será possível comparar os dois produtos adequadamente, mas os 105 pontos obtidos no teste não são muito, comparados ao resultado (96) obtido com um sistema médio equipado com um Core 2 Duo R6600, da Intel. Este já é um chip antigo e que pode ser encontrado por 230 dólares. Os modelos do Phenom de 2,2 GHz e 2,3 GHz custam mais do que isso e são até 300 MHz mais lentos do que o de 2,6 GHz que a AMD nos permitiu avaliar.

De qualquer forma, teremos que esperar até obter um sistema da AMD que seja mais ‘parecido’ com o da Intel para comparar e obter um resultado definitivo do desempenho dessas CPUs.

Por enquanto, a AMD ainda não tem um produto que ofereça algo semelhante às instruções SSE4 da Intel, e que poderiam ampliar o desempenho dos seus processadores para determinados tipos de aplicações. Por outro lado, se os quad-cores da Intel utilizam basicamente duas CPUs dual-core com interface bus compartilhada, o Phenom tem quatro núcleos distintos, os quais oferecem alguns benefícios. Mas, de novo, teremos de esperar até obtermos benchmarks otimizados para quatro os mais núcleos, bem como para as SSE4 antes de emitirmos um parecer final sobre cada um deles.

Sem razões para reclamar a coroa de performance, a AMD tenta chamar a atenção da mídia para as tecnologias periféricas. Não se trata de desviar o foco, já que o desempenho de jogos, por exemplo, recai sobre o poder de fogo da placa gráfica e não sobre a CPU propriamente dita.

spider_crossfireX_300Assim, o novo chipset Spider 790FX acerta ao dar suporte à interface HyperTransport 3.0 IO da AMD, com 20% a mais de banda do que na versão anterior. Ele também pode combinar não apenas duas, mas quatro placas gráficas ATI 3800 PCle 2.0 em uma única placa-mãe – em um método que a AMD batizou de CrossFireX. Testes preliminares mostram que o desempenho dessas placas supera o modelo mais rápido da nVidia, com bons resultados também no consumo de energia.

De acordo com a AMD, motherboards baseadas no chipset 790FX serão mais baratas do que aquelas projetadas para o Penryn da Intel. Sistemas baseados no Spider devem ser uma alternativa interessante para gamers – que não precisam gastar muito com a CPU, placa-mãe e memória, e sim combinar esses componentes com até quatro placas gráficas 3800 cujo projeto é mais acessível. A AMD não terá condições de competir no quesito preço com a Intel, especialmente com o Penryn mais básicos que devem ser lançados no início de 2008. Mas um sistema quad-CrossFire pode ser mais acessível para gamers.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site