Imagem de fundo do header
Drive de rede para pequenas empresas
Home  >  Review
REVIEW

Drive de rede para pequenas empresas

Unidade externa de armazenamento da Maxtor compartilha arquivos, permite backup e tem portas USB para conexão de impressoras ou outros discos

James E. Gaskin – Network World

Foto:

Shared Storage DriveOs discos rígidos externos OneTouch, da Maxtor, têm ótima presença no mercado. A empresa, recentemente, entrou no segmento de NAS (network-attached storage) com o Shared Storage Drive. Testamos o dispositivo e ficamos surpresos com algumas escolhas feitas pela Maxtor para este produto destinado aos mercados doméstico e de pequenas empresas. O que parece é que a novidade ficou no meio do caminho entre os dois públicos-alvo e deixou a desejar em ambos.

Fisicamente, o Shared Storage Drive parece uma unidade OneTouch II, em alumínio anodizado e com uma pequena ventoinha que faz pouco ruído mas o mantém frio. O drive tem capacidade de 200 GB e custa 1.439 reais.

Nos testes, o drive se comportou como um perfeito cliente DHCP e seguiu o exemplo do nosso roteador de rede. Ele também pode atuar como um servidor DHCP, mas a Maxtor configurou-o corretamente para buscar um servidor corrente primeiro. Tendo em vista que o endereço IP não pode ser conhecido com antecedência, a Maxtor coloca um ícone no utilitário de gerenciamento em uma pasta Config no drive. Um clique e o navegador conecta ao drive, independente de seu endereço IP. O guia do usuário diz que só o Microsoft Internet Explorer 6 é suportado, mas o Firefox 1.01 também funcionou.

A instalação de software cliente em cada PC cria uma estrutura de diretório completa para cada usuário no Shared Storage Drive, que é privado por default. Isso incentiva os usuários a salvar seus arquivos no disco Maxtor, uma boa idéia porque centraliza o storage e facilita backups subseqüentes.

A rotina de configuração foi tranqüila, com oportunidade de mudar o nome do drive para acomodar melhor uma rede atual, acrescentar senhas de administrador e executar outras tarefas de manutenção. A Maxtor acrescenta uma página de configuração com a maioria dos detalhes para facilitar a impressão.

Nossa primeira surpresa foi observar que o Shared Storage não tem software de backup. Os usuários domésticos precisam de backup e a maioria das unidades NAS vem com software de backup que rodam em cada cliente e armazenam arquivos de backup no disco NAS. É verdade que você pode baixar muitos aplicativos de backup de terceiros ou até confiar no utilitário de backup da Microsoft, mas a falta de um  software de backup da Maxtor nos intrigou, principalmente considerando-se que a empresa faz um bom trabalho com suas unidades de disco externas para PC. A Maxtor diz que pretende acrescentar software de backup gratuito no futuro.

Entretanto, o excelente recurso drag-and-sort quase compensa o lapso do backup. O software cliente oferece a opção de ativar este recurso, o que faz com que arquivos soltos no drive sejam automaticamente classificados em pastas batizadas de My Documents, My Music, My Photos, My Videos, My Software, My Sites, My Library e My Backup (você pode soltar arquivos diretamente lá para backup, se quiser). Se você soltar um arquivo com uma extensão .doc no ícone desktop do Maxtor, o arquivo cai na pasta My Documents – cerca de 100 extensões de arquivo ditam a pasta de aterrissagem de arquivos soltos. A pasta compartilhada tem a mesma estrutura, mas usa os nomes Our Music e Our Documents. Infelizmente, a pasta compartilhada não suporta o recurso drag-and-sort.

Como dispositivo corporativo, o drive traz duas portas USB que suportam impressoras. Mas, como dispositivo doméstico, não oferece controles de gerenciamento de impressora. Como dispositivo corporativo, uma das portas USB – ou ambas – também pode suportar dispositivos de storage externos. Plugamos um Mobile Data Vault 3DX de 180 GB, da Olixir Technologies, com bons resultados. O guia do usuário diz apenas que drives FAT32 são suportados, mas o dispositivo Olixir formatado para NTFS apareceu como um volume extra no Maxtor. Reformatamos o drive como FAT32 e ele surgiu novamente, como deveria.

Esperamos que a Maxtor perceba as inconsistências e que a Versão 2.0 traga aprimoramentos sobre este excelente ponto de partida. Com algumas correções, a próxima versão poderá ser tão popular no mercado NAS quanto o OneTouch é na arena de drive externo.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site