Imagem de fundo do header
Projetores para trabalho ou lazer
Home  >  Review
REVIEW

Projetores para trabalho ou lazer

Mais leves e cheios de recursos, novos projetores garantem imagens nítidas em casa ou no escritório; avaliamos cinco modelos na faixa de 4 mil reais

René Ribeiro

Foto:

Eles ficaram menores, tiveram seus preços reduzidos e ganharam mais recursos. Com esses atrativos, os projetores despontam como uma boa opção para quem pretende exibir filmes ou mesmo as apresentações do escritório em uma grande tela. E com o uso das tecnologias DLP ou LCD para construção das lentes, os fabricantes atingem um alto patamar na qualidade da imagem. Na área
das conexões, as possibilidades também aumentaram.

Os equipamentos recebem sinais de players de DVD, TV e já estão preparados para HDTV. Mesmo com as melhorias tecnológicas, os preços dos projetores já caíram e a durabilidade das suas lâmpadas aumentou. Há dois anos um equipamento para casa e para o escritório não saía por menos de 6,5 mil reais. E as lâmpadas tinham vida média de 800 horas. Hoje, é possível desembolsar 4 mil reais por um modelo da mesma categoria. Os aparelhos testados para esta edição de PC WORLD têm lâmpadas que duram de três mil a quatro mil horas.

A tecnologia para projetar a imagem chamada DLP significa processamento digital de luz e é patente da Texas Instruments. De maneira resumida, ela forma a imagem por meio de espelhos microscópicos controlados por um chip que os posiciona, fazendo refl etir a luz através da lente.

Hoje em dia, são utilizados três chips para realizar esse trabalho – cada um cuida de uma cor primária: o vermelho, o verde e o azul. Antes, com apenas um chip, esse sistema produzia o efeito arco-íris, de forma bem sutil, mas ao prestar atenção, as três cores básicas eram perceptíveis nas bordas das fi guras projetadas. Com três chips, esse efeito diminui muito, fi cando imperceptível na projeção.

A tecnologia 3LCD utiliza três painéis LCD, prismase também espelhos para projetar as imagens para a lente. Qual escolher? Ambas produzem luminosidade e nitidez ótimas. A escolha fica por conta do fabricante. Mas o que levar em conta na
hora de comprar um projetor? Há modelos para escritórios, home-theater, salas de conferência e salas de aula. Além da necessidade de uso, deve-se observar a luminosidade, a taxa de contraste e resolução máxima oferecida.

Para ambientes mais abertos, onde a luz não pode ser tão controlada, são indicados projetores com mais luminosidade. A unidade para medir esse desempenho chama-se ANSI lumen. Quanto maior, melhor. Também é sabido que o brilho de uma lâmpada
pode perder de 20% a 30% de sua capacidade total assim que sua vida útil chega à metade. Para melhorar o desempenho, os projetores têm recurso para economizar energia, aumentando a durabilidade desse item. Atualmente, há modelos compactos que servem tanto para o uso no trabalho quanto em casa.

Comparamos cinco opções dessa categoria. Para este teste, solicitamos equipamentos na faixa de preço de 4 mil reais, que pudessem ser utilizados para apresentações e palestras e também na sala de TV, como um home-teather. O resultado? Observamos
que os equipamentos fazem mais do que isso, pois podem projetar telas de até 300 polegadas.

Apesar de não ser função de um projetor, os modelos do testes oferecem entrada e saída de som. É uma opção para conectar a uma placa de som de PC ou laptop, caso a apresentação tenha áudio. A potência é sufi ciente para uma sala de reuniões.
Para chegar à melhor opção entre os cinco produtos avaliados, analisamos desempenho, tamanho, peso e acessórios inclusos. Participaram dos testes cinco marcas: BenQ, Dell, Epson, Hitachi e Sony.

Feitos os cálculos, o modelo que levou a melhor foi o da Dell, fi cando com nosso prêmio Best Buy. Confira as características de cada um:

DELL 3400MP
Projetor que obteve a melhor pontuação geral, traz alta taxa de luminosidade (1.500 ANSI lumens) e contraste (2.100:1), o que gerou bom desempenho para ambientes iluminados e também mais escuros. A taxa de contraste ajuda muito na melhor percepção de cores. Além disso, foi o que apresentou menor consumo de energia geral (195W). Entre os adicionais, acompanha todos os cabos necessários para conexão, além de mala para transporte.

Importante dizer também que é o menor (20,4 centímetros de largura por 7,4 de altura e 15,4 cm de profundidade) e mais leve de todos (1,1 quilo). Também apresenta compatibilidade com resolução HDTV, ou seja, recebe imagens de alta defi nição
e pode exibir em formato 4:3 e 16:9 widescreen – o que os outros modelos também apresentam. Seu controle remoto também vem com ponteiro laser e há opcional para o mouse. A regulagem keystone, que é feita para retirar o efeito trapézio, dependendo do local onde o projetor está instalado, é realizada automaticamente. Isso agiliza a regulagem inicial. Um exemplo disso é quando você coloca o projetor sobre a mesa, liga e começa a ajustar a imagem. Como o ângulo da projeção não fi ca no nível da mesa, a imagem forma um trapézio na tela.

Com a keystone automática, o próprio projetor ajusta a imagem para ficar sem distorção. Apenas o modelo da Hitachi tem função semelhante. Apesar de ter o preço mais alto do comparativo (4.199 reais), foi o que obteve maior pontuação fi nal, devido às suas características técnicas, físicas e opcionais.

BENQ W100
Segundo colocado entre os modelos testados, o BenQ W100 se saiu bem em nossa avaliação pelo equilíbrio da luminosidade e taxa de contraste. Obteve boa defi nição das imagens e exibição de fi lmes. Assim como o modelo da Dell, acompanha todos os cabos das suas conexões, além da bolsa de transporte. É o que tem o maior número de conexões, incluindo a Video Componente. Pena que seu controle remoto seja grande e pesado, o que torna o uso um pouco desconfortável. Suas teclas também são iluminadas, o que ajuda em ambientes escuros. Apesar de ter a lâmpada que mais consome energia dos modelos testados (200W), ela não é a das mais caras (800 reais). Tem funções rápidas para ajuste de tela nos formatos 16:9, 4:3 e zoom, além de pré-regulagem da imagem para filmes, esportes, apresentações, TV e jogos.

EPSON POWERLITE S5+
Este modelo obteve boa luminosidade, mas baixa taxa de contraste. Para apresentações, teve ótimo desempenho, mesmo em sala iluminada. E foi o que atingiu a menor distância entre a tela de projeção para obter uma exibição de 30 polegadas: apenas 80 centímetros. Essa característica é ótima para salas pequenas. Para proteção da lente, possui uma tampa deslizante, solução melhor que as tampas de pressão (característica de todos os outros equipamentos avaliados). O equipamento tem interface USB para se conectar a um mouse remoto (opcional) e é o maior de todos em largura (32,7 centímetros). Quanto à lâmpada, é o que possui a opção mais barata (600 reais). A Epson também oferece uma promoção para esse projetor. Quem comprá-lo em revendedor autorizado e cadastrá-lo no site (confi ra na tabela) ganha mais um ano de garantia, além dos dois anos que já fazem parte da garantia normal do produto.

HITACHI CPX2
Este projetor apresentou duas características diferentes. Uma é que é possível confi gurá-lo para rede, tanto a cabo quanto wireless, o que é interessante para exibição de uma apresentação em várias salas ou para uma demonstração em feiras, com vários projetores espalhados recebendo o sinal da apresentação de um único computador. Sua alta taxa de luminosidade (2.000 ANSI lumens), serve bem para esse ambiente. Pelo endereço IP é possível monitorar o projetor sem
auxílio de software. Pois ele tem uma fl ash-eprom (memória que contém os parâmetros de configuração) que pode ser acessada e controlada remotamente. O segundo diferencial é a disponibilidade de interface USB (para pendrive) e de porta para leitura de cartão SD. Com esses recursos, é possível fazer apresentações ou exibir fotos sem o computador. Para apresentações de emergência, é uma solução eficaz. Entre os itens adicionais é o único que não veio com bolsa para transporte. O Hitachi CPX2 apresentou boa qualidade na definição de imagens e ótimo brilho para projeções a distância, com slides nítidos, tanto em fotos como textos. Apenas o contraste deixou a desejar para pessoas mais exigentes. Assim como o modelo da Dell, tem a função de regulagem automática do efeito trapézio.

SONY VPL-EX4
Para ambientes iluminados, o Sony VPL-EX4 é uma boa opção, pois mostrou a melhor taxa de luminosidade (2.100 ANSI lumens) em nossos testes. Entretanto, as cores em imagens deixaram um pouco a desejar, pela baixa taxa de contraste (400:1). É necessário regular as cores, contraste e brilho para chegar em um nível bom para ver fi lmes. Para apresentações, se saiu bem, com ótima nitidez dos slides, fotos e em animações em flash. O controle remoto é o mais compacto (mede 8,5 cm de altura por 5,3 de largura e 0,5 cm de espessura), alimentado por bateria de lítio, como as de relógio, fino e fácil de manusear e transportar. O controle de zoom também foi muito útil para fazer uma regulagem rápida, com ajuste automático do foco. Apesar de não ser o maior em largura, foi o mais pesado dos modelos, com 3,1 quilos. E sua lâmpada é a mais cara (1.780 reais) dos modelos testados.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site