Imagem de fundo do header
Motorola MB502: um Android de baixo custo para o dia-a-dia
Home  >  Review
REVIEW

Motorola MB502: um Android de baixo custo para o dia-a-dia

Muito similar ao Motorola FLIPOUT, aparelho tem design mais sóbrio mas os mesmos recursos, com preço menor

Rafael Rigues, PC World Brasil

Foto:

Há muito pouco o que possa ser dito sobre o MB502, o novo smartphone Android de baixo custo da Motorola, que já não tenha sido dito sobre o Motorola FLIPOUT, seu “irmão maior”, que chegou às lojas há cerca de três meses. Para todos os efeitos, eles são praticamente idênticos: processador, câmera, tamanho e resolução da tela e o software (Android 2.1 com MOTOBLUR 1.5) são idênticos.

Leia também
» Primeiras impressões: Motorola MB502
» Motorola Flipout é compacto e 1º smartphone no Brasil com Android 2.1

A principal diferença é que a “dobradiça” que oculta o teclado atrás da tela no FLIPOUT foi removida e o MB502 é uma peça única, com teclado abaixo da tela. Isso acabou deixando ele com uma aparência de grandalhão, mesmo sendo mais leve (10 gramas a menos) e mais fino (6 mm a menos) que seu irmão. Todo em preto (com uma faixa prateada na lateral) e "quadradão", o MB502 tem uma aparência muito mais sóbria. 

Motorola MB502 - 360px

Motorola MB502: "quadradão" e com visual sóbrio

Teclado e trackpad

O teclado segue o mesmo estilo do encontrado no FLIPOUT, com teclas com o mesmo tamanho e sensação tátil. Não é ruim digitar nele, mas quem tem mãos grandes pode se complicar. A remoção da fileira dos números no teclado é um incômodo: é necessário ficar segurando a tecla “ALT” para digitar um número de telefone ou senha em um site.

Durante o uso, encontramos um bug: para digitar um caractere acentuado (por exemplo, í) é necessário segurar a tecla da letra correspondente por alguns segundos e escolher o acento em um painel “pop-up” na tela. Por algumas vezes o aparelho “congelou” nessa tela, não respondendo nem à seleção do acento nem ao toque no botão “X” para fechar o painel.

O trackpad na parte de trás do aparelho, criado para facilitar a navegação na web, funciona bem mas na prática é pouco usado. Estamos tão condicionados a tocar na tela para interagir com um smartphone que simplesmente ignoramos o trackpad. Quem não gostar pode desabilitá-lo na tela de configuração do sistema operacional.

Câmera

O MB502 tem a mesma câmera de 3.2 MP do FLIPOUT, com foco fixo e zoom digital de 4x. Os resultados de nossas sessões de fotografia foram idênticos: fotos aceitáveis sob a luz do dia, mas com bastante ruído em situações de pouca luz, problema que fica pior por causa da falta de um flash.

Vale notar que a câmera tem um modo “panorama”, que combina três fotos tiradas lado a lado e uma única imagem panorâmica. Uma marca na tela ajuda a alinhar as imagens, mas o resultado não é dos melhores, com diferenças de luz entre as fotos e “costuras” visíveis. Dá pra brincar, mas nem de longe pode ser comparado a recursos como o modo “Sweep Panorama” de uma das novas Sony Cyber-Shot.

Vídeo é gravado com resolução de 352 x 288 pixels a 25 quadros por segundo, aceitável para compartilhamento no YouTube, mas nada mais. 

Bateria e desempenho

O MB502 tem desempenho adequado para uso no dia-a-dia, sem “travadas” (exceto o bug no teclado) ou lentidão excessiva. A autonomia de bateria é a mesma do Flipout, na casa das 15 horas de uso moderado. Um modo “economizador de bateria” desativa conexões de dados quando o aparelho não está em uso, reduzindo o consumo de energia.

Veredicto

O Motorola MB502 pode ser visto como “sucessor espiritual” de aparelhos como o MotoQ11, um smartphone Windows Mobile de baixo custo lançado no final de 2008 com foco no público jovem. Ignorando as diferenças de hardware e sistema operacional, ambos tem as mesmas “funções”: navegação na web, mensagens instantâneas, media player, câmera de 3.2 MP com modo panorama, GPS e mais.

Mas comparado a um contemporâneo como o FLIPOUT, a única vantagem do MB502 é o preço: o sugerido pela Motorola é R$ 899 (sem subsídios das operadoras), R$ 100 a menos que o FLIPOUT. Mas com os subsídios esta diferença pode diminuir ou sumir, o que torna a decisão mais difícil. Especialmente se levarmos em conta que o FLIPOUT tem um design muito mais atraente e um teclado superior por causa da fileira numérica separada.

No fim das contas, é uma questão de gosto. Se você gostou da idéia do FLIPOUT, mas prefere um aparelho mais sóbrio, vá de MB502. Se não abre mão de um belo design, fique com o FLIPOUT. De qualquer forma, ambos são uma ótima opção para quem procura o primeiro smartphone Android e não pode gastar muito.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site