Imagem de fundo do header
Motorola Quench se destaca na navegação e aplicativos
Home  >  Review
REVIEW

Motorola Quench se destaca na navegação e aplicativos

Aparelho da Motorola usa o sistema operacional Android 1.5, tem boa conectividade e ótima usabilidade, mas câmera poderia ser melhor.

René Ribeiro, da PC WORLD

quench-150.jpg
Foto:

Como já publicamos em nosso preview, o Motorola QUENCH (R$ 1.099, preço sugerido pelo fabricante, sem subsídio das operadoras) é um smartphone Android 1.5 bastante esguio. As dimensões são de 11,6 centímetros de altura por 6,1 cm de largura e 1,16 cm de espessura, pesando 120 gramas.

Impossível não lembrar do iPhone, pois são exatamente as mesmas medidas apesar da tela menor: 3,1 polegadas, contra 3,5 polegadas no aparelho da Apple. O design é agradável, com os cantos arredondados, e duas capas – uma na cor vermelha e outra na cor grafite – acompanham o aparelho, para que o usuário possa personalizá-lo de imediato.

quench_capas.jpg

capas do Quench e detalhe da câmera com flash de LED


Tela, teclado virtual e botões
O Quench não tem teclado físico mas tem, abaixo do LCD, quatro botões para abrir menus, fazer buscas (no Google ou no aparelho), acessar a tela principal e voltar ou sair da aplicação. Há outro botão maior, que funciona como o trackpad de um notebook.

Usar esses botões foi um tanto estranho no início e foi preciso se acostumar. O motivo é que a tela sensível ao toque tem resposta muito boa e não é preciso fazer nenhum esforço para selecionar um ícone ou rolar a tela. Mas ao usar os botões, para chamar um menu, por exemplo, era necessário usar certa força.

O trackpad ajuda bastante no momento de posicionar o cursor com precisão para corrigir um texto, por exemplo, já que tocar na tela para inserir o cursor exatamente no ponto onde desejamos não é uma tarefa fácil. O teclado virtual foi bastante satisfatório, com as teclas respondendo bem aos toques, com o mínimo de erros mesmo quando a digitação era rápida.

A tela, que tem resolução de 320 x 480 pixels e ótimo brilho, é multi-toque, o que permite o uso de gestos como a "pinça" para dar zoom em imagens.

quench-fone.jpg

O conector de fone de ouvido fica na parte de cima

 quench1_350.jpg

No lado direito está o botão de controle de volume e conector micro USB (foto em cima)
No lado esquerdo está o botão liga/desliga e botão da câmera

 

Hardware e software
O Quench utiliza um processador de 526 MHz, que não é o mais rápido entre os smartphones atuais, mas tem desempenho adequado. A memória interna é de 512 MB e um cartão microSD de 2 GB acompanha o produto, que aceita cartões de até 32 GB.

Desde o momento em que apertamos o botão de ligar, o aparelho levou cerca de um minuto e 15 segundos para ficar pronto para uso. Justiça seja feita, um dos motivos dessa demora é o serviço da Motorola chamado Motoblur. Esse serviço integra e sincroniza redes sociais e contas de e-mails particulares e profissionais. O sistema verifica todas as contas cadastradas logo de início. Ao ligar o Quench sem nenhuma conta cadastrada, o tempo foi bem melhor: cerca de 28 segundos para ficar pronto para uso.

Apesar disso, o serviço Blur é interessante porque agiliza o acesso a informação. Quem é fã de redes sociais pode se cadastrar no Orkut, Facebook, Twitter, Last.fm, Picasa, Photobucket, além das contas do Google e e-mails pessoais, e ver tudo o que acontece na tela principal, atualizada constantemente. Há também suporte a contas de e-mail corporativas em servidores Microsoft Exchange, útil para quem precisa acessar o e-mail da empresa.

Outro ponto interessante é a área de trabalho. O Quench possui um espaço de cinco telas, onde ficam widgets que mostram as informações do Motoblur ou as notícias de qualquer site que o usuário desejar. A configuração é simples e basta escolher o site ou o serviço para criar o widget. Dessa forma é possível ver as atualizações do site preferido diretamente na tela, sem precisar acessar nenhum menu ou página. A imagem abaixo ilustra esse recurso.

telaquench-250.jpg

Widgets exibem notícias continuamente e usuário customiza os sites

O Quench tem interface Bluetooth 2.1, mas que suporta apenas para fones de ouvido estéreo. Mas como o sistema Android possui várias aplicações disponíveis, bastou acessar o Android Market e baixar um software que servia para compartilhar arquivos. Escolhemos o Bluetooth File Transfer, que funcionou bem.

O Quench também possui GPS, o qual pode ser usado com o Motonav, aplicativo de mapas da Motorola, ou simplesmente com o Google Maps. O GPS funcionou bem, captando o sinal dos satélites rapidamente. A atualização do mapa, pelo Google Maps, dependia do sinal da operadora 3G. Em nosso caso, testamos o aparelho com a TIM, e não houve problemas nas regiões leste e sul da capital de São Paulo, onde realizamos os testes.

Importante saber que o Motonav, que transforma o Quench em um GPS automotivo com instruções de navegação por voz, é gratuito apenas por 60 dias. Para continuar usando o serviço é necessário o pagamento de uma taxa de 59 dólares, que pode ser feito pela internet.

Multimídia
O Connected Music Player é o aplicativo padrão para ouvir músicas. Ele possui uma função que identifica músicas, similar ao já conhecido "MotoID": basta deixar o smartphone perto da fonte de som e o Connected Music Player “ouve” por dez segundos e informa na tela o nome da música. Testamos com cinco músicas e o software reconheceu corretamente quatro delas.

Como player de música, a qualidade do som é excelente. A posição do conector de fone de ouvido na parte superior do aparelho foi uma boa escolha, pois não incomoda para levar o Quench no bolso ou mochila. Vídeos do Youtube também foram acessados sem problemas, inclusive em Full HD (1080 linhas).

A câmera possui resolução de 5 megapixels e flash tipo LED. Não há nenhuma configuração especial. Tira boas fotos em ambientes externos. Em ambientes fechados, entretanto, o resultado é apenas regular.

foto-int-sample.jpg

Foto em ambiente interno

Na galeria de fotos é possível fazer pequenas edições, como redimensionamento, trabalhar o brilho,
contraste, saturação e inserir efeitos, como moldura, texto e cores. Algo que percebemos é que preciso prestar atenção para a ponta do dedo não sair na foto: o motivo é que a lente fica muito próxima do canto do aparelho, bem no local onde é comum colocar a mão para dar melhor apoio ao tirar a foto.

foto-ext-sample.jpg

Foto em ambiente externo

A câmera também faz vídeos, mas com resolução de 352 x 288 pixels a 24 quadros por segundo. A qualidade de imagem é regular, mas a resolução é suficiente para, no máximo, colocar os vídeos no YouTube. Também há recursos básicos para edição do vídeo, que permitem cortar trechos dos clipes.

Conectividade
O Quench possui conectividade 3G, Wi-Fi 802.11g e Bluetooth 2.1. A rede 3G utilizada foi da operadora TIM e não tivemos problemas. A conexão Wi-Fi também funcionou bem. Depois de conectar a uma rede Wi-Fi é possível configurar o sistema para reconhecê-la automaticamente quando voltar ao local. E sempre que ela estiver disponível, terá prioridade sobre a rede 3G.

Testamos o Bluetooth para transferência de arquivos e não houve problemas. Mas para fazer este recurso funcionar foi necessário usar um aplicativo, chamado Bluetooth File Transfer, encontrado gratuitamente no Android Market. A instalação é automática: logo depois do download o aplicativo já estava funcionando.

Desempenho, duração de bateria e análise geral
O sistema operacional Android traz muita flexibilidade, principalmente no que diz respeito a quantidade de aplicações disponível para ele. Segundo o site Androlib, as aplicações já chegam perto de 48 mil, computadas até o final do mês de março último.

Portanto, o Quench está bem servido de aplicativos. Quanto ao desempenho, o aparelho, às vezes, demorava para abrir as aplicações. Nada que chegasse ao nível de não funcionar, mas nas vezes que acontecia, era algo irritante. Aconteceu, por exemplo, no simples fato de fazer uma chamada. Foi necessário aguardar cerca de 40 segundos para realizar uma chamada porque o aplicativo demorou para ser executado. Talvez a atualização do Android para a versão 2.1 possa resolver, mas teremos que aguardar a Motorola para isto.

Felizmente, isso não prejudicou o bom uso do aparelho. A característica forte do Quench é o acesso a internet, e-mails e redes sociais. Compartilhar dados no PC também é fácil, pois não requer nenhum software. Ao conectá-lo ao PC, o Quench é reconhecido como pen drive e, então, basta arrastar os arquivos.

Nos testes de bateria usamos o GPS por 30 minutos, ouvimos músicas por 40 minutos e acessamos internet por uma hora. Foram tiradas 20 fotos e realizado um vídeo de 5 minutos. Foram feitas algumas chamadas totalizando 10 minutos de conversação. Ao verificar o nível de bateria depois disso, restavam 56% da carga total. Considerando o uso intenso, podemos dizer que não está mal. Mas se o usuário precisar usar muito o GPS e acessar a internet, é recomendado não esquecer o carregador em casa.

Vale mencionar: notamos que sob uso intenso o Quench aquece na parte de trás, próximo à bateria. Não é perigoso ou preocupante, e é algo que acontece também em outros aparelhos da Motorola, como o DEXT e o MILESTONE.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site