Imagem de fundo do header
N97 Mini mantém erros e acertos do modelo original
Home  >  Review
REVIEW

N97 Mini mantém erros e acertos do modelo original

As principais diferenças são leve redução no tamanho e teclado, e remoção do transmissor FM; equipamento traz bons recursos de multimídia e GPS, mas sistema operacional deixa a desejar

William Marchiori, da PC World

Foto:

As primeiras impressões do N97 Mini já mostravam que ele é uma versão do N97 com leves reduções no tamanho e no
peso, além de alguns retoques no design. Mas é só isso? PC World realizou uma série de testes e o comparou com o N97
tradicional. As únicas diferenças sentidas estão na redução do tamanho
do teclado, memória interna (apenas 8 GB no N97 Mini), bateria com
capacidade levemente menor e ausência de transmissor FM.

n97mini_cherryblack_2.png

Redesign
O tamanho do aparelho é algo que merece ser mencionado novamente, já
que, além de fazer parte do nome, parece ser a desculpa utilizada pela
Nokia para relançar o N97 como eles haviam imaginado inicialmente.

Geralmente o nome “Mini” está associado a uma versão bem reduzida de um
objeto. Mas não é o caso do N97 Mini: ele mede 11,3 x 5,25 x 1,42 cm
(altura, largura, profundidade), o que é cerca de 4 x 3 x 1.7 mm (isso
mesmo, mílimetros) menor que o N97 original. Até o peso é praticamente o
mesmo: o mini é apenas 12 gramas mais leve. Em outras palavras, a
diferença é, na prática, insignificante.

O novo teclado é a única diferença que notamos ao utilizar o smartphone
para tarefas do dia-a-dia. Depois da reorganização, a posição das teclas
ficou pior para o usuário: em alguns casos, é preciso fazer verdadeiros
malabarismos para acentuar as palavras corretamente. Em termos
estéticos, a qualidade do material utilizado nas teclas é inferior em
relação ao modelo anterior do aparelho.

n97_mini.jpg
Diferenças entre os dois modelos são mínimas (Foto: Engadget)

Recursos multimídia
O que era forte no N97 tradicional continua valorizado no Mini. As
gravações e fotos capturadas pela câmera continuam sendo um dos pontos
positivos do smartphone.

Neste novo modelo, a empresa também corrigiu uma falha grave na câmera. A
proteção da lente do N97 tradicional riscava a tela caso o usuário
tentasse abrir ou fechá-la com algum resíduo ou poeira próximo a lente.
Esse problema foi comprovado por diversos usuários do aparelho.

Apesar disso, o software de fotos ainda apresenta problemas graves.
Aconteceu em nossos testes algumas vezes, ao ampliar uma imagem com o
zoom do aplicativo, a imagem simplesmente vira de cabeça para baixo.
Isso sem contar a lentidão de mais de 10 segundos para visualizar uma
simples foto (partindo do menu inicial).

Conectividade
A rede 3G funciona bem, mas o software do N97 Mini continua trocando
aleatoriamente para a rede 2G, mesmo quando há sinal forte da rede
3G.Para resolver isso, foi preciso limitar o celular nas configurações
para que ele usasse apenas a rede 3G. O problema é que o usuário precisa
ficar alterando essa opção toda vez que precisar utilizar a rede 2G.

Em termos de conexão de dados, fizemos alguns downloads na rede 3G da
Oi. A velocidade chegou a cerca de 130kb/s, valor satisfatório para um
smartphone. Já na rede 2G, o N97 Mini não conseguiu nem abrir uma página
da web, mesmo indicando que a conexão de dados estava ativada.

A conexão Wi-Fi também não apresentou problemas. A única complicação é o
modo como os menus foram trabalhados: mesmo com o widget na tela
inicial do aparelho, ainda é um pouco confuso alterar as configurações
de rede sem fio.

GPS e bateria
O GPS é um dos pontos positivos do N97 Mini. O recem lançado Ovi Maps
oferece aos usuários navegação guiada por voz gratuita em uma série de
países, incluindo o Brasil. Em nossos testes, todos os mapas estavam
atualizados e as rotas foram programadas - e reprogramadas
automaticamente no caso de erros - com precisão.

Já a nova bateria (BL-4D) não muda muito em relação à anterior (BL-4L).
As especificações continuam a mesma: 1200mAh, 3,7V. Apesar da Nokia
dizer que a bateria do N97 Mini dura um pouco menos do que o N97
tradicional, na prática, não notamos diferença. Com uso intenso de
música e dados, o smartphone precisa ser carregado diariamente.

Na hora de carregar o smartphone via USB, encontramos mais uma falha. Ao
plugar, ele não começava a carregar. Fizemos uma rápida busca na web e
vimos que o problema é bem comum: em fóruns, os usuários dizem que isso
acontece e que a solução é ficar desconectando e conectando novamente
até que ele comece a carregar. Algo realmente incômodo, considerando
que o valor do aparelho é de mais de 1500 reais.

Symbian 5th
Em termos de software, o N97 mini é exatamente igual ao N97. Ou seja, continua o ultrapassado Symbian 5th. Essa versão, no entanto, parece
ter recebido algumas correções, mas continua apresentando problemas como
reinicializações aleatórias e travamentos. Durante uma semana de
testes, ele reiniciou sozinho três vezes e teve de ser reinicializado
por causa de travamentos 16 vezes.

Não há muito o que dizer, já que a experiência de uso ou navegação na
web são praticamente as mesmas do N97. Alguns dizem que o Mini é mais
rápido, mas não se engane: o hardware e o sistema operacional são
praticamente os mesmos. Acessar a web pelo navegador nativo, por
exemplo, continua sendo um verdadeiro teste de paciência. Se você passa
por isso, recomandamos a troca imediata para o Opera Mini.

A loja de aplicativos Ovi Store continua lenta e  limitada: a cada
dez aplicativos, um ou outro é úttil. É interessante notar que, ao
pesquisar pelos aplicativos, vemos vários que adicionam recursos que já
deveriam estar integrados ao sistema (fato que também acontece com o iPhone), entre eles aplicativos da própria
Nokia, como o Photo Browser - visualizador de fotos mais rápido e
eficiente do que o tradicional.

Por outro lado, se comparado ao N97 tradicional. o Mini apresenta um
número bem menor de falhas e bugs relacionadas ao software. O grande
problema é que o Symbian 5th é uma adaptação mal trabalhada do Symbian
3th para dispositivos com tela sensível ao toque. Três anos atrás, o
Symbian era um sistema operacional forte. Mas relançá-lo sem grandes
novidades em 2009 não foi uma jogada muito inteligente. Não é a toa que a
Nokia pretende renovar o sistema com o N8; isso já deveria ter sido
feito com o primeiro N97.

Conclusão
Se você pretende comprar este smartphone saiba que o Mini melhora muito pouco o original: basicamente diminui
o tamanho, modifica o teclado e remove o transmissor FM.

Podemos dizer que ele até faz o que promete, mas de um modo diferente do o anunciado pela empresa. Se você não entendeu o que isso
quer dizer, é mais o menos o que mostra o vídeo abaixo. Ele mostra o N97 tradicional, mas também pode ser aplicado ao Mini...

 

 

 

 

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site