Imagem de fundo do header
Primeiras impressões: Motorola Xoom
Home  >  Review
REVIEW

Primeiras impressões: Motorola Xoom

Tablet da Motorola é o primeiro com Android 3.0 no mercado e já está à venda no Brasil. Veja o que achamos dele após nossas primeiras horas de uso.

Rafael Rigues

Foto:

O Motorola Xoom é o primeiro de uma nova geração de tablets Android a chegar ao mercado. Diferente do Samsung Galaxy Tab, lançado em novembro passado, ele roda o sistema operacional Android 3.0, feito sob medida para tablets. Isso elimina o principal problema de seu antecessor: a sensação de estar usando apenas um “smartphone gigante”.

A Motorola colocará no mercado duas versões do aparelho: uma apenas com Wi-Fi, vendida diretamente ao consumidor nas grandes lojas, e outra também com 3G, comercializada pelas operadoras. No momento a versão Wi-Fi com 32 GB de memória interna (a que recebemos para testes) está em pré-venda em sites como o Ponto Frio, com preço de R$ 1.899.

xoom_frente-360px.jpg
Motorola Xoom

É mais caro que um iPad com a mesma capacidade, mas temos que levar em conta que o Xoom tem hardware mais completo, com itens como duas câmeras (uma traseira de 5 MP, uma frontal de 2 MP para videochamadas), processador dual-core e memória expansível com cartões microSD.

O que vem na caixa?

O usuário irá encontrar na embalagem apenas o tablet, carregador, cabo USB e alguns folhetos. A bateria é selada, como no iPad, e não removível. Ela não pode ser carregada com o tablet plugado ao computador, nem com um carregador USB comum de smartphone.

O design é discreto e elegante, e o tablet tem construção sólida. A tela acumula marcas de dedos com extrema facilidade (mais que no iPad), portanto tenha um paninho à mão. Durante o uso notamos que os botões de volume são pequenos e um tanto duros. Os alto-falantes integrados tem bom volume.

xoom_caixa_acessorios.jpg

Tablet e acessórios. Note as marcas de dedo na tela após algumas horas de uso

Quem está acostumado com os smartphones Android estranha a falta de botões: há apenas o botão de força (na traseira, perto da câmera) e o controle de volume na lateral esquerda. Em aparelhos com o sistema operacional Android 3.0 os tradicionais botões Home, Search, Back e Menu não são necessários, substituídos por versões virtuais sempre visíveis na tela.

xoom_traseira.jpg

Traseira do Xoom. Bateria (sob a área mais clara) não é removível

Software

O sistema operacional Android 3.0 é um tanto diferente do Android 2.x dos smartphones, tanto na navegação quanto na apresentação. Entretanto, é possível se acostumar rapidamente. O desktop mantém o conceito de ícones e widgets, e são cinco telas personalizáveis.

A Motorola optou por uma versão “limpa” do Android no Xoom. Nosso modelo de testes veio sem nenhum aplicativo ou conteúdo extra (além dos aplicativos da Google) pré-instalado, embora no evento de lançamento a Motorola tenha mencionado parcerias de conteúdo com Abril, Saraiva, Terra TV e Gameloft.

Programas como o GMail, o navegador, Market, Maps e o cliente YouTube foram reescritos para tirar melhor proveito da tela de 10.1 polegadas (com resolução de 1280 x 800 pixels). O navegador é uma versão “portátil” do Google Chrome, com abas e sincronia automática de favoritos entre o desktop e o tablet (desde que você habilite este recurso). O cliente GMail é excelente, com uma visão em painéis mostrando de um lado as pastas ou a lista de mensagens, e do outro seu conteúdo.

xoom_browser_abas.jpg

Navegador tem abas e sincroniza bookmarks com o Google Chrome no desktop

Apesar do suporte à tecnologia Adobe Flash ser mencionado na embalagem, o aparelho não vem com o Flash Player instalado: é necessário baixá-lo (gratuitamente) no Android Market. A versão atual ainda é um beta, mas funciona bem.

Algo preocupante: em poucas horas de uso vimos aplicativos “travarem” duas vezes. Uma no GMail, a outra no navegador. Em ambos os casos o sistema avisou que o aplicativo havia deixado de responder e nos deu a opção de forçar seu fechamento ou aguardar. O sistema em si não foi afetado,e bastou iniciar os aplicativos novamente para continuar do ponto onde havíamos parado.

xoom_gmail_travado.jpg

Por duas vezes vimos um aplicativo "travar"

Atualização em 14/04 às 14:00: Parece que o Xoom tem uma incompatibilidade com roteadores Wi-Fi da Linksys, em especial o WRT120N. Quando conectado a um destes ele consegue navegar na internet, mas não consegue baixar aplicativos do Market ou fazer streaming de vídeos do YouTube. A Motorola está investigando.

Desempenho

É cedo para julgar o desempenho do Xoom, mas as impressões iniciais são positivas. E com um processador dual-core Nvidia Tegra 2 de 1 GHz e 1 GB de RAM por detrás das cortinas, não deveria ser diferente. Animações e transições na interface são fluidas, e a velocidade do navegador ao carregar os sites impressionou. Jogos como Samurai II (otimizado para tablets com processadores Nvidia) rodam com muita fluidez, respondendo muito bem aos toques na tela.

Segundo a Motorola a autonomia de bateria do Xoom é estimada em 10 horas reproduzindo vídeo, e nossos colegas da PC World EUA conseguiram 8 horas e meia enquanto conectado à web via Wi-Fi e 3G. Faremos nossos próprios testes com o modelo nacional para confirmar estes números.

Dúvidas?

E você, leitor, o que deseja saber sobre o Motorola Xoom? Deixe suas dúvidas nos comentários, e tentaremos respondê-las durante nosso review. Até lá!

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site