Imagem de fundo do header
Primeiras impressões: testamos a nova loja de e-books da Google
Home  >  Review
REVIEW

Primeiras impressões: testamos a nova loja de e-books da Google

Com mais de 3 milhões de obras, eBookstore possui aplicativos gratuitos para iPhone, iPad e web; no Brasil é possível adquirir apenas obras gratuitas

Macworld / EUA

googleebookstorelogo.jpg
Foto:

Lançada no início do mês, a Google eBookstore chega ao já cheio mercado de livros eletrônicos, em meio lojas como a Kindle Store, da Amazon; a iBookstore, da Apple; e a Nook Store, da Barnes & Noble. Mas apesar dessa nova eBookstore certamente ter um design com a “cara” da gigante de buscas, será que isso é suficiente para transformar os amantes de e-books em clientes da Google? Vale a pena tê-la no seu iPhone ou iPad?

Se você já baixou um livro eletrônico, a loja do Google será muito familiar. Lá, é possível encontrar uma lista dos mais vendidos, alguns gráficos promovendo diferentes obras e uma variedade de categorias de livros para sua diversão. O preço dos e-books está de acordo com o padrão cobrado nessa indústria emergente, com alguns clássicos gratuitos, bestsellers na faixa de 10 dólares e títulos de catálogo com valores um pouco acima ou abaixo disso.

A “vitrine” da eBookstore mostra dados gerais de cada livro, como capa, autor, sinopse, reviews e alguns dados bibliográficos sobre a obra, incluindo o número de páginas. É possível visualizar uma amostra do título no seu próprio navegador, ou clicando na opção Buy Now (Comprar agora) para comprar a obra. Para adquirir o e-book, pago ou gratuito, é preciso ter uma conta no Google, apesar de ser possível navegar pelas ofertas sem fazer login. Uma vez que você decidir o que comprar, o pagamento é feito pelo Google Checkout.

Lendo os e-books do Google
Após comprar um e-book, o item
aparece em sua biblioteca, que o Google hospeda “na nuvem” (rede). É
possível hospedar um número ilimitado de obras, e você pode agrupá-las
nas “prateleiras” virtuais.

Juntamente com a loja, a Google lançou um aplicativo nativo
Google Books para iPhone e iPad, assim como aparelhos Android (sistema
da própria empresa). Além desses apps específicos, o grande diferencial
da gigante de buscas – pelo menos por alguns meses – é uma versão do
programa para Web, que te permite ler e-books inteiros em qualquer
navegador capaz de rodar JavaScript. E a Amazon anunciou que lançará “em
alguns meses” uma versão para web do seu Kindle, que deverá trazer
praticamente a mesma funcionalidade.

googleebooks01.png

A interface da Google eBookstore é parecida com muitas outras vendedoras de livros digitais

 

Todos os aplicativos (para iPhone, iPad, Android e web) compartilham o mesmo conjunto de recursos. Você pode controlar algumas configurações de texto (tamanho da fonte, estilo, espaçamento entre linhas) assim como justificação (à esquerda ou totalmente). A busca pelo texto completo também é padrão, assim como o recurso mais intrigante de todos: páginas digitalizadas.

googleebooks02.jpg

O leitor para web da Google te permite ler os e-books em seu computador

Graças ao esforço do Google Books (não confundir com a Google eBookstore de que estamos falando), a empresa digitalizou uma grande quantidade de livros físicos. Assim, foi incluída uma opção para exibir as páginas "scanneadas" de um livro, em vez do “texto fluente”, que é o padrão. No entanto, em algumas obras, como a peça “Romeu e Julieta”, de William Shakespeare, não há opção do “texto fluente” padrão, apenas de páginas digitalizadas, que não facilitam a leitura.

Os aplicativo para iOS e Android possuem ainda alguns recursos especiais próprios. As versões para os aparelhos da Apple incluem uma animação 3D para virar as páginas (que pode ser desligada), enquanto que o app para o sistema da Google traz ajuste de brilho independente do restante do telefone.

Infelizmente, as versões móveis do programa também possuem outra coincidência: lentidão no carregamento. Encontramos um pequeno ícone de "loading" girando por várias vezes no iPad, iPhone e em um Droid X. Outro recurso ausente dos aplicativos móveis: modo de visualização paisagem. Dessa maneira, você só pode ler os e-books na posição retrato (vertical) nesses aparelhos.

Não importa qual versão do aplicativo você utilize para ler os e-books da Google, pois a página em que você parou é automaticamente salva e sincronizada entre os vários apps. Não há como marcar como favorita (bookmark) nenhuma outra localização em um livro, nem destacar/grifar texto, adicionar notas ou pular diretamente para uma determinada página – para essa última função, é possível usar a ‘timeline’ na parte inferior da tela e deslizar até a página de seu interesse, uma boa solução.

googleebooks03.png

Para mudar de páginas, é preciso deslizar pela barra inferior (app do iPhone na foto)

Não tão “aberto” quanto você pensa
A Google anuncia sua eBookstore como “aberta” porque você pode ler seus livros eletrônicos em vários aparelhos diferentes, incluindo e-readers dedicados. Isso é verdade, e pudemos, inclusive, carregar a obra “The Poe Shadow” em um Nook, da Barnes & Noble (livraria norte-americana). No entanto, o que a Google não tem anunciado claramente o motivo: os livros de sua loja usam o Digital Rights Management (DRM), da Adobe.

Para poder carregar um e-book da Google em um leitor eletrônico suportado (como o já citado Nook e o Sony Reader; o Kindle fica de fora), você primeiro precisa instalar o programa Adobe Digital Editions em seu computador (funciona em Mac e PCs).

Após baixar o Digital Editions, você precisa criar uma Adobe ID (login e senha). Depois de fazer tudo isso, já é possível baixar uma cópia de seu e-book da Google em formato ePub ou PDF.

Assim que baixar o arquivo para seu computador, adicione-o ao Adobe Digital Editions para que o programa possa autorizar o livro para seu aparelho. Em nossos testes, não conseguimos que o software reconhecesse um livro sem que fosse preciso reiniciar o computador, quando já apareciam cinco cópias da obra na biblioteca. Depois, conseguimos transferir um deles para o Nook (via USB) e ler o e-book sem maiores problemas. Mas lembre-se de que as obras lidas dessa maneira não sincronizarão a página em que você parou com o Google.

A favor dos independentes
O aspecto mais interessante da Google eBookstore não são os aplicativos ou o leitor para web. Mas sim a parceria que a empresa fez com algumas livrarias independentes dos Estados Unidos, como Powell´s e Alibris, para vender os livros na loja da gigante de buscas diretamente a partir de seus sites.

Infelizmente, o recurso de comprar livros não está disponível no Brasil e nem tem previsão de ser lançado por aqui, segundo a assessoria local da Google. A boa notícia para os brasileiros é que, segundo a Google, dos mais de três milhões de títulos disponíveis na eBookstore, cerca de 2 milhões são gratuitos.

Um bom começo para um produto interessante
A Google eBookstore tenta ser uma plataforma livre para os e-books: compre e leia-os quando quiser (desde que não seja em um Kindle). É um bom começo, e uma visão importante, mas ainda não está totalmente madura. No momento, há pouca razão para usar a Google eBookstore se você possui um e-reader de uma loja rival ou um investimento significativo em outra e-bookstore.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site