Imagem de fundo do header
Primeiras impressões: testamos o GarageBand’11
Home  >  Review
REVIEW

Primeiras impressões: testamos o GarageBand’11

Aplicativo ganha novos recursos e melhorias na interface; Nova versão ganha mais ferramentas e recurso "How Did I Play", que avalia performance do usuário

Macworld / EUA

garagebandlogo.jpg
Foto:

O GarageBand está entre as três aplicações mais importantes do pacote iLife da Apple. Afinal, esse membro musical do pacote de aplicativos de criatividade ficou lado a lado do iPhoto e iMovie durante o evento Back to the Mac, ocorrido no último dia 20/10. E por um bom motivo – apesar da última versão do GarageBand não trazer ferramentas para podcast, o programa está mais musical devido à expansão do conjunto de aulas de piano e violão, efeitos e modelos adicionais de amplificadores de guitarra e o recurso “How Did I Play”, que corrige e dá nota para o compasso e performance do usuário no piano ou violão. Além disso, há duas novas ferramentas trazidas do Logic Pro e do Logic Express (aplicativos DAW – Digital Audio Workstaton – e seqüenciadores de MIDI) que ajudam a ajustar a sincronia dos sons com mais facilidade. 

Usuários familiarizados com o GarageBand’09 não precisam ter medo de serem apresentados a uma interface completamente diferente. Na verdade, ao executar a última versão do programa, ele parece idêntico à versão interior. A tela Project de ambas as versões é exatamente a mesma, contendo as mesmas listagens: New Project, Learn to Play, Lesson Store, Magic GarageBand, iPhone Ringtone e Recent Projects. Ao selecionar New Project, as opções Piano, Electric Guitar, Voice, Loops, Keyboard Collection, Acoustic Instrument, Songwriting, Podcast e Movie irão aparecer  na parte principal da tela.  

O projeto do Learn to Play foi reorganizado para incluir Guitar Lessons (aulas de violão), Piano Lessons (aulas de piano) e Artists Lessons (aulas com artistas). Basta selecionar uma dessas abas para visualizar as aulas em uma lista logo abaixo. Ao escolher Guitar Lessons, há uma nova opção: Chord Trainer (treino de acordes); ao clicar nesse item, o GarageBand entra no modo tela cheia – e exibe o braço do violão com os símbolos dos acordes acima. O usuário executa os passos que são mostrados na tela e o software “ouve” o resultado a partir da interface de áudio que estiver plugada na guitarra ou, caso seja um violão, através de um microfone conectado ao Mac. Ao acertar o acorde corretamente, ele se torna verde e recebe uma marcação, e isso se repete passo a passo. É possível escolher entre acorde maior ou menor aberto e maior ou menor fechado (conhecido como “pestana”).  

Nessa mesma tela há um Glossário;  os termos musicais são organizados em categorias como Guitar, Piano e General. Há jargões como “palhetar” e dedilhar, posição das mãos e postura, número dos acordes e escala. Ao clicar em um jargão específico, há uma definição, geralmente acompanhada de um clipe tirado de uma das aulas.  

A Lesson Store também não sofreu mudanças. Tanto no GarageBand’09 quando na versão atual,  o usuário se depara com o mesmo grupo de aulas, da mesma forma que os projetos do Magic GarageBand e iPhone Ringtone permaneceram intactos. 

 

garageband01.jpg

A interface do GarageBand sofreu poucas mudanças, logo os usuários mais antigos não precisam ficar preocupados em aprender uma nova linguagem 

Mudando para melhor

As mudanças no GarageBand’11 começam a aparecer nos ambientes de trabalho. Ao abrir um novo projeto de Piano, por exemplo, há itens na lista Tracks que estão menos bagunçados. O botão Record Enable não existe mais porque tudo o que o usuário precisa para deixar uma faixa pronta para gravação é selecioná-la. Essa é uma mudança bem-vinda pois, antigamente, era fácil selecionar uma faixa – pensando que estivesse pronto para gravá-la – somente para descobrir que era preciso apertar o botão para habilitar a gravação primeiro. Ao mesmo tempo, o ícone Track Lock está oculto por padrão (é possível exibi-lo ao selecionar Track > Show Track Lock). Ao adicionar uma faixa Real Instrument, há a opção para mostrar ou ocultar o botão Monitoring; quando esse está presente e ligado, é possível ouvir o que está sendo tocado na faixa – o que está saindo de um sintetizador, por exemplo. Faixas de guitarra também possuem um botão Monitoring, mas, nesse caso, ele está sempre presente. 

Os controles na base da janela forram remanejados. O botão Go to the Beginning, que antes ficava em primeiro, é agora o terceiro do conjunto de controles de execução (pode demorar um pouco para usuários antigos se acostumarem) e o Record foi para a extrema direita. O botão Loop foi deslocado para o canto direito do display LCD, onde é mais facilmente encontrado, próximo do controle para ligar ou desligar o Metronome. O LCD tem as mesmas opções de visualização de antes – Times, Measures, Tuner e Project. O Media Browser também permaneceu inalterado, com Audio, Photos e Movies. 

Entrando no ritmo

O GarageBand’11 herda dois recursos muito úteis do Logic e Logic Express: Flex Time e Groove Matching. Flex Time permite ao usuário colocar facilmente trechos de áudio digital – um acorde de guitarra, um tom de bateria ou um fragmento de um vocal, por exemplo – no compasso correto. Supondo que o usuário tenha gravado a percussão da bateria um pouco atrasada em relação ao ritmo, é possível selecionar esse trecho e adiantá-lo de acordo com a batida. Da mesma maneira, se a performance do vocalista ficar melhor quando está fora da batida ao invés de dentro do ritmo, é possível fazer isso também. Além disso, partes do áudio podem ser comprimidas ou estendidas. Logo, se o baixista não conseguiu ressoar o último acorde ou alongou demais o som, é possível corrigir isso para que todos da banda possam terminar juntos. 

 

garageband02.jpg

Nesse exemplo, a bateria foi escolhida como "ritmo"; sendo assim, os outros instrumentos acompanham nesse compasso 

Groove Matching é uma maneira para direcionar faixas selecionadas para acompanhar o compasso de um trecho específico. Caso todos na banda estejam bêbados menos o baterista (ou se o baterista está tão bêbado que tenha sido substituído por um loop no GarageBand) e o compasso está muito solto, é possível designar o baterista como Groove Track – ritmo padrão, que é sinalizado como “correto”. Depois disso, basta selecionar as outras faixas que devem seguir a Groove Track; com um clique, todos na banda parecem sóbrios o suficiente para tocar no ritmo. 

Aprenda em casa

Crie uma nova faixa Guitar, clique no botão Info no canto direito inferior da janela do GarageBand e mais efeitos e amplificadores irão parecer. Na versão anterior havia 5 amplificadores e 10 pedais de efeito; o GarageBand’11 conta com 12 amps e 15 pedais de efeito. Os amplificadores adicionais incluem Stadium Stack, Brownface Combo, British Blues Combo, Large Tweed, Octane Stack, Studio Combo e Sunshine Stack. Os novos pedais são Hi Drive (distorção), Rawk (overdrive), Heavenly Chorus (chorus), Wah (wah wah) e Candy Fuzz (fuzz).

A nova versão do software também inclui o recurso “How Did I Play”, o qual funciona tanto nas aulas de violão quanto nas de piano. Para usá-lo, inicie uma aula e clique no botão Play que aparece no menu do lado esquerdo da janela. Uma tela aparece contendo a aula que o usuário pretende tocar; clique em Play para ouvir Tim, o instrutor, tocar o trecho. Quando estiver pronto para repetir os movimentos, pressione o botão Record; o usuário irá ouvir um metrônomo com uma contagem regressiva e, em seguida, deve tocar a sequência. Nota certas se tornam verdes e as incorretas aparecem em vermelho; o compasso adota um tom avermelhado quando o erro é muito grave ou amarelo quando for menos sério – ao errar o tempo, por exemplo. Ao terminar o trecho é exibida uma porcentagem no canto inferior esquerdo e, logo acima, há uma barra que mostra todo o progresso, com as anotações destacadas. As partes em verde representam os trechos tocados corretamente. 

 

garageband_390.jpg

Com o recurso How Did I Play, o usuário tem "aulas" de piano e violão; todo progresso é exibido na tela, e os erros são sinalizados 

 

Nessa tela há também um controle deslizante de tempo que pode ser utilizado para diminuir a velocidade da lição. Mesmo se parte da aula estiver mais devagar, é possível utilizar o recurso “How Did I Play”. Entretanto, o usuário não consegue executar os movimentos da aula de piano somente da mão esquerda ou direta; caso faça com uma mão só, as outras notas são contadas como erros. Isso não significa que possa (ou deva) tocar o piano com uma única mão, mas isso é mais indicado para ser feito com a música de fundo do que com a função How Did I Play ativada. 

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site