Imagem de fundo do header
Samsung Omnia II: design impressionante, desempenho ruim
Home  >  Review
REVIEW

Samsung Omnia II: design impressionante, desempenho ruim

Novo modelo supera antecessor, mas apresenta problemas como lentidão e falta de resposta nos comandos.

PC World / EUA

Foto:

345998_g3.jpg

Na superfície, o Samsung Omnia II (R$ 1.599. Preço sugerido pelo fabricante, sem subsídios das operadoras) parece ser o telefone Windows Mobile que os fãs têm aguardado. Com sua deslumbrante tela sensível a toque AMOLED de 3.7 polegadas, design atraente e especificações impressionantes, este telefone é um verdadeiro sedutor. Mas infelizmente o desempenho do Omnia II deixa a desejar. A interface do usuário Touch Wiz 2.0 parece diminuir muito a velocidade do telefone; em uma ocasião, o aparelho utilizado para esse review sofreu um crash e teve de ser reiniciado.

Se nos concentrarmos apenas na aparência, o Omnia II é bastante atraente e combina muito bem com outros smartphones Premium como o Motorola Droid, o HTC Droid Eris, e o BlackBerry Storm II. Medindo 12 por 6 por 1,2 centímetros e pesando 135 gramas, o Omnia II é apenas um pouco maior e mais pesado do que o original (que media 11,1 por 5,5 por 1,2 cm e pesava 121 gramas). Ainda assim, o aparelho se mantém um bocado fino. Com suas pontas arredondadas, detalhes em metal escovado, e com uma suave tampa traseira vermelha e preta ele é muito mais agradável esteticamente do que seu antecessor.

A tela de 3.7 polegadas WVGA AMOLED domina sua frente com uma borda em Black Piano ao seu redor. Os botões são poucos: as teclas Falar e Liga/Desliga ladeiam uma grande tecla de Menu Principal que enganosamente se parece com um mouse ótico (que o primeiro Omnia possuía). A lateral esquerda abriga o conector de 3.5mm para o fone de ouvido (uma atualização bem-vinda, ausente no original), um botão de volume, a entrada para o cartão de memória, e a tecla OK (apertando uma vez fecha um aplicativo; segurando-a apertada volta à tela inicial). No lado direito está a caneta stylus, uma porta USB, uma tecla de bloqueio (para bloquear a tela), e a tecla da câmera para fotos e vídeos. O Omnia II possui 8GB de memória própria interna e 16 GB de memória expansível com um cartão microSD (vendido separadamente).

A qualidade das ligações foi consistentemente boa, apesar de eu ter notado um pequeno chiado em uma ligação. A grande maioria das minhas ligações soaram altas e claras, com poucos ruídos de fundo ou distorções.

O Omnia II não possui teclado QWERTY físico, por isso você precisa confiar em seu teclado virtual na tela sensível a toque. Esse teclado é um pouco apertado no modo retrato, mas te dá bastante espaço para digitar no modo paisagem. Infelizmente, encontrei alguns probleminhas quando estava usando-o. Em primeiro lugar, a barra de espaço é pequena, e está colocada de maneira estranha no lado direito em vez de ficar na parte baixa central, onde você esperaria encontrá-la. Segundo, o intervalo de tempo entre o que eu digitava e o que aparecia na tela era grande. Finalmente, feedback táctil (o aparelho vibra rapidamente quando você aperta uma tecla) está, por algum motivo, desativado no modo teclado.

O Omnia II também vem equipado com tecnologia Swype, que permite que você digite de maneira mais rápida e fácil, deslizando o dedo de maneira contínua ou com a caneta stylus sobre a tela do teclado. Para utilizar a tecnologia Swype é preciso um pouco de treino, mas se torna algo bastante estiloso depois que você pega o jeito. Não deixe de assistir ao vídeo que ensina como utilizar a tecnologia que já vem carregado em seu aparelho.

Assim como o Samsung Behold II (que utiliza o sistema Android), o Omnia roda o TouchWiz 2.0, uma interface amigável superior ao padrão do Windows Mobile 6.5. Você recebe três páginas iniciais que podem ser customizadas com widgets e atalhos para os seus apps favoritos. Para adicionar um widget, você simplesmente toca o botão para abrir a "bandeja" de widgets à esquerda de sua tela, e arraste um da lista para sua tela inicial. Para remover um widget, você o seleciona e arrasta para a bandeja. Você também pode administrar seus widgets por meio do Widget Manager. E você também pode pegar mais widgets grátis pela Widget Store.

Enquanto é legal ter algumas opções para personalizar seu aparelho, ficar arrumando widgets em várias telas iniciais pode se tornar algo tedioso; a tela simplesmente não responde tão bem. Você precisa apertar bem forte para mover um widget, mas algumas vezes isso pode abrir o widget – o que pode ser bem chato.

Na parte inferior de toda tela inicial existem atalhos para suas mensagens de texto, e-mail, discador e seus contatos. No alto da tela está o familiar menu iniciar do Windows Mobile. Mas em vez do menu de navegação ao qual estamos acostumados, a tecla Start leva você para quatro Menus Principais carregados com atalhos para vários aplicativos e configurações.

É aqui que as coisas ficam complicadas: a interface também possui um menu totalmente separado dos aplicativos multimídia, chamado de Cube Navigation Menu. Então, no total são quatro menus principais, um menu de widgets, o menu Cube e suas três telas iniciais – todos com conteúdo sobreposto.

Você pode acessar o menu Cube por um atalho em uma de suas páginas principais. O menu tem acesso para fotos, músicas, vídeos, internet e jogos. Apesar da visualização em 3D do Cube ser até legal, parece um pouco desnecessária, uma vez que você consegue acessar os mesmos aplicativos por outros menus. Você pode navegar usando seu dedo ou balançar o telefone para se movimentar por diferentes menus. Diferentemente das suas telas iniciais, o menu Cube não é customizável.

Infelizmente, eu presenciei um crash em minhas mãos. Eu tentei fechar o aplicativo de mensagens após enviar um texto, mas nada aconteceu. Eu tentei novamente, mas a tela ficou dividida entre meu Menu Principal e tela inicial. Eu deixei o telefone inativo, e o aparelho entrou no modo bloqueado. Eu o desbloqueei e tentei novamente voltar à minha página inicial, mas nada aconteceu. Depois de um tempo, o telefone foi para a tela dos meus contatos. Por fim, precisei desligar e reiniciar o aparelho para que ele funcionasse da maneira correta.

Embora isso não tenha acontecido de novo em meus testes, foi perturbador. Uma das melhores coisas sobre o Windows Mobile é a multitarefa, o que significa que você pode rodar vários aplicativos ao mesmo tempo. Nesse caso eu estava usando apenas um aplicativo – e um leve – quando o crash aconteceu. Você talvez deva considerar utilizar o Omnia sem rodar o TouchWiz 2.0 sobre o Windows Mobile 6.5 se tiver esse problema.

O Omnia II vem com dois browsers: o novo Internet Explorer Mobile e o Opera Mobile 9.7. Para dar zoom em uma página do Internet Explorer Mobile, você dá dois toquinhos na área que você quer aumentar. Rodar as páginas no Internet Explorer Mobile não é tão suave quanto no Safari do iPhone, mas a navegação é satisfatória de maneira geral. O sistema do Opera 9.7 de exibir páginas não é o ideal (as diminui para thumbnails e as dispõe lado a lado), mas carrega páginas de maneira mais rápida que o Internet Explorer.

Para reproduzir músicas, você tem duas escolhas de interface: o Windows Media Player e o tocador TouchWiz, que tem visual mais agradável. Com o último, sua biblioteca é exibida como cartões sensíveis ao toque que você pode ver rapidamente para achar a música que procura – meio que imitando o ato de passar o olho em discos físicos. Mas se você quiser regular o áudio você terá de fazê-lo pelo Windows Media Player. Você pode pular do TouchWiz para o Windows Media apertando a tecla “Library” (Biblioteca) na parte inferior esquerda da tela. Só que pelo que eu pude perceber, não é possível fazer o contrário, ir do Windows Media para o TouchWiz. O telefone não vem equipado com fones de ouvido, por isso você precisa usar seus próprios fones. As músicas que eu escutei em fones Skullcandy FMJ de alta-qualidade soaram muito bem, apesar de um pouco baixa nos alto falantes externos. O Omnia II também possui Rádio FM, que usa o cabo dos fones de ouvido como antena.

Como esperado, a qualidade do vídeo é muito boa na enorme tela AMOLED do Omnia II. Uma das melhores coisas sobre a tela AMOLED é seu amplo ângulo de visão. Você pode colocar o Omnia II numa superfície plana e assistir a um vídeo sem qualquer distorção ou mudança de cor. As cores estavam brilhantes e corretas, os movimentos estavam suaves e notei poucos borrões em apenas alguns clipes.

A qualidade da câmera foi muito boa na maior parte das vezes. As cores estavam brilhantes e corretas em ambientes internos e externos. A câmera também conseguiu capturar detalhes muito bem, produzindo alguns close-ups em movimento sem borrões ou pixels a mais. Uma falha do design: o botão do obturador da câmera foi colocado na parte alta do lado direito, que pode causar confusão com o botão OK, localizado bem próximo. Quando você está segurando o telefone, é possível apertar o botão OK por acidente e desligar o aplicativo da câmera.

O Omnia II é uma excelente atualização do Omnia original e definitivamente um dos melhores telefones Windows Mobile disponíveis. No entanto, o crash que eu presenciei foi perturbador, mesmo tendo acontecido apenas uma vez. Eu também fiquei desapontado com a lentidão do aparelho e a falta de resposta da tela sensível a toque – problemas que também tivemos na versão anterior. Usuários leais ao Windows Mobile irão encontrar muitas coisas para gostar neste aparelho que é uma potência multimídia.

CORREÇÃO: A PC World errou ao informar o peso dos celulares. Os pesos corretos são 135 gramas para o Omnia II e 121 gramas para o seu antecessor.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site