Imagem de fundo do header
Testamos o novo Mac mini
Home  >  Review
REVIEW

Testamos o novo Mac mini

Equipamento, anunciado recentemente nos Estados Unidos, oferece melhor desempenho em áreas como jogos e performance de disco

Macworld/EUA

mini-dest-thumb_72x48.jpg
Foto:

Quando testamos a versão anterior do Mac mini, lamentamos os 11 meses que a Apple levou para lançar a atualização do equipamento – um período tão longo que muitas pessoas se perguntaram se a Apple iria descontinuar a linha. Dá para imaginar a especulação que aconteceu nos 19 meses que se passaram depois disso. Semana passada, a Apple finalmente deu uma renovada no computador mais barato da empresa - e foi uma das mais significativas nesse modelo até agora.

Melhorias não tão mini

Na parte de fora, os novíssimos modelos de Mac mini parecem ser todos idênticos ao antecessor, usando exatamente o mesmo gabinete branco com alumínio de 6,5 por 6,5 por 2 polegadas. Como os minis anteriores, a caixa de envio do computador é tão pequena que não cabem os periféricos: você tem que ter os teclados, monitor e mouse. O único item dentro da caixa, além do próprio mini, são o adaptador e cabo para energia elétrica, um adaptador de vídeo mini-DVI, DVDs de softwares  (para Mac OS X e iLife ’09), e documentações. Outro item que falta é o Apple Remote, uma opção que custa mais US$ 19 nos Estados Unidos.

Mas uma rápida olhada no verso do novo Mac mini deixa claro que essa é uma máquina atualizada. Em vez de FireWire 400 e das quatro entradas USB do modelo de 2007, o novo modelo tem cinco USB 2.0 e adota a FireWire 800 (mais rápida, mas também compatível com periféricos de FireWire 400).

minifrontinterna

Os novos Mac minis têm processador Core 2 Duo de 2 GHz e versões com 120 GB de HD e 1 GB of RAM ou com 320 GB e 2 GB of RAM

O modelo anterior de entrada de vídeo DVI também está fora, trocado por duas: uma entrada mini-DVI (idêntica às encontradas nos modelos antigos de iMacs e laptops Mac) que usa um adaptador incluso para conectar aos displays com DVI padrão, e um conector de Mini DisplayPort como aqueles encontrados nos MacBooks atuais. A última entrada trabalha diretamente com displays equipados com o Mini DisplayPort, como o LED Cinema Display, de 24”; também funciona com displays DVI com o adaptador Mini DisplayPort para DVI, que custa US$ 29. Ambos os vídeos incluem sistema de High-bandwidth Digital Content Protection (HDCP), permitindo que você mande conteúdo protegido com HDCP para outros aparelhos.

Por que duas saídas de vídeo? Dado que o Mac mini é desenhado para ser usado com qualquer display que o usuário já tenha, a Apple afirma que a empresa quis ser o mais flexível possível com conexões possíveis para displays. Mas o bônus aqui é que ambas as conexões podem ser usadas simultaneamente graças à nova capacidade gráfica melhorada (voltaremos a falar disso mais para frente). Você pode juntar dois displays ao mini. Alternativamente, com a ajuda do Mini DisplayPort to Dual-Link DVI Adapter, de US$ 99, agora você pode usar o Mac mini com o Cinema Display de 30”, tornando o Mac mini o primeiro desktop com tal capacidade. Quem não mudou foram as entradas gigabit Ethernet, as entrada e saída de áudio analógica/digital, e o espaço para cadeado de segurança.

O novo Mac mini recebeu algumas melhorias por baixo do capô também, começando com o processador gráfico. Por mais que chip gráfico do mini continue integrado, a diferença é que ele foi trocado por um Nvidia GeForce 9400M, encontrado na linha de MacBooks. Além de melhor capacidade de processamento , o 9400M tem a vantagem de utilizar até 128MB da memória principal do mini (quando tem 1 GB instalado, e até 256MB, com 2GB no sistema). O mini mais antigo com Intel GMA 950 chegava, no máximo, a 64 MB.

O processador Intel Core 2 Duo do mini é agora um chip Penryn de 2.0 GHz, com um barramento mais rápido (1,066MHz, contra 667MHz) em ambos os modelos, com uma versão de 2,26 GHz disponível como uma opção feita sob encomenda. O cachê nível 2 do processador é de 3 MB, saindo dos 2MB do modelo de entrada, mas ainda abaixo dos 4MB no modelo mais avançado. A memória agora é de 1.066MHz DDR SDRAM (também conhecida como PC8500), com o modelo de US$ 599 adotando 1 GB e o modelo de US$799 equipado com 2 GB. Mas talvez a maior melhoria realizada seja que ambos os modelos possam aguentar até 4 GB de RAM, com a versão de 1GB vindo com apenas um pente DIMM de 1GB, e deixando o outro slot livre para expansão (nos minis anteriores, cada slot tinha com um chip de 512MB, forçando você a trocar a RAM quando quisesse um aumento de memória).

Os modelos de US$ 599 e US$ 799 carregam discos rígidos de 120 GB e 320 GB, respectivamente, ambos SATA, ao invés dos ATA/IDE dos modelos anteriores. Por outro lado, os drives ainda têm 2,5 polegadas, com 5.400 rpm (modelos para laptops); esses drives ajudam a manter o gasto de energia baixo, mas a performance é relativamente pobre, se comparadas a outros drives de desktop. Ambos os novos minis incluem Super-Drive dual-layer 8x (mais rápido) e outras melhorias  são encontrados nos recursos wireless: 802.11g foi finalmente trocado por 802.11n, e o Bluetooth agora é 2.1+EDR.

Finalmente, a Apple é rápida ao divulgar as credenciais verdes do novo Mac mini. A companhia afirma que o mini é o desktop mais eficiente em relação ao consumode de energia, usando menos de 13 Watts em descanso, 45% menos do que o Mac mini anterior. Além disso, a caixa, que é inteiramente feita de papel reciclável, é 31% menor do que antes, permitindo que a empresa diminua o impacto ambiental por encaixar o dobro de caixas em cada contêiner para navio. Se você está na onda da computação verde, o mini tem muito para te oferecer.

++++

Desempenho

O forte do Mac mini nunca foi o desempenho; na verdade, é um computador mais barato, com uma boa gama de funções em uma embalagem pequena. Os últimos modelos não mudam isso: por mais que nossos benchmarks percebam uma evolução notável nos testes com o Speedmark, em relação aos modelos de agosto de 2007, tarefas individuais que não tem uso intensivo de gráficos mostram ganhos mais modestos. Isso faz sentido, já que a velocidade do processador não aumentou nada no modelo de US$ 799, e subiu apenas 0.17 GHz no mini de US$ 599. Ao contrário, a maior parte dos ganhos em tarefas sem gráficos intensivos são resultado da nova arquitetura de processadores e da velocidade de bus e memória.

Ganhos maiores em relação aos modelos anteriores são encontrados em testes de performance de disco-rígido. Por exemplo, no nosso teste do Finder Unzip Archive, que é bastante dependente da performance do disco-rígido, os novos modelos são 17% e 35% mais rápidos que o mini topo delinha anterior. Interessante é notar a diferença na performance do Finder entre os dois modelos - o de US$ 799 é 22% mais rápido – resultado do disco rígido do mini mais elaborado trabalhando melhor do que o do modelo de US$ 599 (mesmo que ambos os novos minis usem drives de 5.400 rpm, há outros fatores que afetam a velocidade do drive. Por exemplo, o drive de 120 GB é um disco único, enquanto o de 320GB reúne dois discos).

Ainda assim, não faz tanta diferença que os drives de laptop relativamente lentos usados na linha mini sejam considerados um fator limitante quando comparados aos desktops Mac tradicionais. Na realidade, quando realizamos os mesmos testes do Finder na versão de US$ 599 quando usando um drive FireWire 800, os resultados foram notavelmente melhores do que qualquer mini; por exemplo, nosso teste Finder Unzip Archive chegou a apenas 1:01 (comparado com 1:19 e 1:41 para os dos minis usando os próprios drives).

É no departamento gráfico que os novos modelos realmente se destacam – pelo menos comparados com os Mac minis anteriores. Graças à GeForce 9400 GPU, a performance do novo mini mais caro  (medida em quadros por segundo) foi sete vezes melhor do que seu antecessor no nosso teste com o Quake 4, 39.1 contra 5.6. De forma semelhante, em nosso teste com o Unreal Tournament 2004, a taxa de quadros do novo mini (63.0) foi quase três vezes superior à de seu antecessor (21.9). Talvez mais significativo, o novo mini pôde gerar 35.6 quadros por segundo em Call of Duty 4; o mini anterior não conseguia nem rodar o jogo (quando equipado com RAM comparável [2GB] o modelo mais barato produziu resultados similares; com o 1GB de RAM padrão, a performance ficou reduzida em 17% nos mesmos testes).

minitabela

Deixando os benchmarks um pouco de lado, os novos mini também têm bom resultado em testes em situações diárias. Jogamos os primeiro níveis de Call of Duty 4 no mini de 320 GB, usando a configuração otimizada de gráficos do jogo. Enquanto essa configuração obviamente oferece visual de qualidade mais baixa do que você teria com os novos iMac ou Mac Pro, e as taxas de quadro não vão satisfazer gamers mais fanáticos, os gráficos estavam suficientemente bons e o game estava mais do que “jogável”, atolando um pouco apenas nos tiroteios mais pesados. Também importamos diversos vídeos de 790p para o iMovie ’09 e foi possível usar todas as funções do iMovie ’09 com performance bem razoável. Finalmente, pudemos rodar vários programas do Microsoft Office junto com o Safari sem problemas.

Infelizmente, a tímida memória de 1 GB de RAM do modelo mais barato pode atrapalhar bastante sua performance, mesmo que você só use seu computador navegando pela internet, e-mail, e aplicativos de escritório como Microsoft Office ou o iWork da Apple (e o disco rígido mais lento do modelo de US$ 599 torna mais dolorosa a função, comparado com outros desktops Mac). Usando o iMovie, conseguimos uma performance similar àquela do modelo de US $799 apenas se sair de todos os outros programas antes. E a performance geral do Call of Duty 4 ficou consideravelmente degradada: as configurações automáticas produziram qualidade muito mais baixa de vídeo, e sofremos com constantes pausas e engasgos.

Qual comprar?

Enquanto o tamanho do Mac mini é uma grande vantagem em comparação com computadores grandes, o design também o torna o Mac mais difícil de atualizar. A menos que você seja craque no uso de ferramentas, e fique confortável ao forçar pequenas peças de plástico e metal a fazerem coisas que elas não querem fazer, o mini não é uma máquina que você vá querer abrir.

E ainda há outro incômodo com o Mac mini: o atraente modelo mais barato oferece a merreca de 1 Gb de memória RAM e apenas 160 GB de espaço em disco rígido – visão que desaponta para um computador que é mais do que capaz de lidar com edição de fotos e vídeos usando a suíte do iLife que já está incluída. Optando pelo modelo de US$799 alivia esses problemas até certo ponto, dando a você 2 GB de RAM e 320 GB de disco rígido, mas esses são seus únicos atributos extras, e eles custariam menos de US$ 100 se você instalasse com as próprias mãos. Por fazer o mini tão difícil de atualizar, a Apple garantiu que muitos usuários pagassem os US$ 200 a mais pelo modelo mais caro.

Conselho da Macworld para compradores

Os novos modelos de Mac mini proporcionam as atualizações mais significativas da linha até hoje, oferecendo performance levemente melhor da CPU, capacidade de vídeo consideravelmente melhorada, expansibilidade maior e melhor tecnologia wireless. O resultado é que pela primeira vez o Mac mini é um computador verdadeiramente capaz de rodar o iLife. Mais do que nunca, é um computador que apela para aqueles que já têm a tela, teclado e mouse, ou para aqueles que querem construir um sistema Mac com baixo orçamento (ou que ocupa pouco espaço). Ele também é uma boa atualização para proprietários de Power PCs ou de minis da primeira geração de Macs Intel. Por outro lado, se você comprou um Mac mini em 2007, as novidades nesses computadores só valem para aqueles que vão usar muito para games ou outras tarefas com uso intensivo de placa gráfica.

Entre os dois modelos, é difícil justificar o custo adicional no mini de US$ 799. Aqueles que querem e podem fazer suas próprias atualizações devem fazê-lo. De outra forma você deveria considerar comprar o modelo de US$ 599 com upgrade para 2 GB de RAM e então plugar um drive externo; você vai ter mais espaço gastando menos, e se você escolher o caminho do FireWire, pode até conseguir performance melhor do que a obtida com o mini de $799.

No Brasil, os preços e as datas de lançamentos dos novos minis ainda não foram definidos, mas devem sair em breve.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site