Imagem de fundo do header
Teste: Firefox 4 vale o download
Home  >  Review
REVIEW

Teste: Firefox 4 vale o download

Com design mais limpo e novas ferramentas, versão é um upgrade que merece espaço no seu computador - se você ainda não tem o Chrome

PC World / EUA

Foto:

Muito mudou no universo dos navegadores desde o lançamento do Firefox 3.0, em 2008. O Google Chrome entrou em cena, e não parou de receber updates desde então, a Microsoft lançou o IE 8 e, há pouco tempo, o IE 9, enquanto o Safari pulou de sua terceira para a quinta versão.

Enquanto as melhorias feitas pela Mozilla com o Firefox 3.5 e 3.6 aperfeiçoaram a performance e aumentaram o conjunto de ferramentas disponíveis, o navegador começou a perder um pouco de sua velocidade. Contudo, o Firefox 4 torna o browser competitivo novamente, com uma interface remodelada e com desempenho melhor ainda.

Leia também:
Firefox 4: dicas para resolver problemas e personalizar o navegador

De cara nova
A primeira coisa que o usuário nota na nova versão é a visual moderno do navegador. Como outros browsers de última geração, o Firefox 4 é desenvolvido para ser o mais direto e simples possível. Os desenvolvedores da Mozilla fizeram um bom trabalho ao simplificar o navegador e, ao mesmo tempo manter a flexibilidade tão conhecida do Firefox. 

 

firefox4-01.jpg

Navegador ganhou transparência e perdeu barra de menus tradicional

Como padrão, o Firefox 4 mostra a barra de endereços,  campo para pesquisa, os botões de voltar, avançar, atualizar e home, as abas e um botão “Firefox” laranja, no canto esquerdo superior. Não há barra de menu, juntamente com os itens semelhantes comuns a outras versões do browser.

Enquanto que a maioria dos outros navegadores opta em colocar o menu de ferramentas do lado direito, o Firefox inseriu o menu do lado oposto – é incomum, mas nada que o usuário não se acostume depois de um tempo.  Vale lembrar que é possível trazer a barra de menu clássica ao clicar no botão do Firefox e navegar até Options, Menu Bar.

E-mails nas abas
Outro recurso do Firefox 4 inspirado no Chrome é a possibilidade de inserir web apps na barra de abas. Abra qualquer página da web em uma nova aba, dê um clique com o botão direito nela e selecione “Pin as App Tab”. Isso irá adicionar uma aba no canto esquerdo superior, mostrando somente o ícone do site e, ao fechar e reabrir o browser, esse símbolo permanece lá.

Quando alguma coisa dessa página web afixada é atualizada – quando chega um novo e-mail, por exemplo -, o ícone da barra fica azulado para notificar o usuário – novamente, muito parecido com o Chrome. 

 

firefox4-02.jpg

Nova mensagem: os ícones afixados ficam azulados quando há alguma atualização na página

Pare de me seguir!
Assim como o Internet Explorer 9, o Firefox inclui agora uma ferramenta para evitar que sites possam rastrear dado sobre as atividades dos usuários. Isso é muito bem-vindo, mas não chega sem problemas. Para começar, é um recurso “tudo ou nada”, pois não há um jeito de bloquear apenas alguns sites.

E ele ainda não é universal: ao habilitar a opção contra o rastreamento, o mecanismo irá utilizar recursos chamados HTTP headers, para avisar ao site para não rastrear o usuário. O problema é que os sites não precisam honrar esse pedido, tornando essa proteção inútil. A Mozilla está trabalhando para tornar essa ferramenta padrão, logo, as coisas devem melhorar daqui para frente.

Velocidade
O Firefox 4 também chega com alguns novos recursos que focam no desempenho de renderização e no carregamento das páginas. O navegador pode aproveitar mais do chip gráfico do que seu antecessor, usando seu poder para exibir vídeos, por exemplo.

Utilizando o benchmark SunSpider 0.91, a nova versão do browser completou o teste em 363 milisegundos, uma melhoria extremamente significativa, em comparação com a versão 3.6, que terminou com 1103 ms. Sendo assim, o Firefox 4 torna-se muito mais competitivo perante seus adversários atuais (Safari, IE9, Chrome e Opera), que obtiveram pontuações entre 329 e 439 ms. Claro que isso tudo depende de quão poderosa é a máquina do usuário. Contudo, não há como negar que a atual versão é muito mais rápida ao gerenciar JavaScript do que o Firefox 3.6.

Sincronize
Uma boa novidade é o Firefox Sync, que permite ao usuário sincronizar os favoritos, o histórico de navegação, senhas e outros dados com outros computadores que tenham o navegador. Para utilizar o recurso, vá até o painel de opções (acessível a partir do menu Firefox no item Options) e, então, selecione Sync na barra de ferramentas. A partir daí, o usuário pode criar uma conta do serviço; configurar essa conta é muito fácil - ele irá pedir um endereço de e-mail e uma senha – contudo, a partir daí, as coisas ficam mais complicadas.

O Firefox irá gerar uma “Sync Key”  que o usuário precisa copiar, salvar no computador ou imprimir e manter em um lugar seguro. Ela será necessária para garantir acesso à conta do Firefox Sync em outro computador ou smartphone e, em caso de perda, ela é definitiva: não há como recuperar a combinação. 

 

firefox4-03.jpg

Um cofre para pouco dinheiro: a sincronização é muito segura, porém o processo de configuração é bem chato

Configurar um segundo dispositivo (PC, smartphone, etc) para que ele funcione com o Firefox Sync também requer algumas voltas pelo bosque da segurança. Por exemplo, se você já configurou uma conta e quer adicionar seu laptop, para que ele fique sincronizado com o que há no desktop, é preciso voltar ao primeiro computador e inserir um código de autenticação.

Se o usuário não tiver acesso ao computador naquele momento (enquanto estiver viajando com o notebook, por exemplo), é preciso digitar a combinação alfanumérica citada acima, e, se você esqueceu em casa, não é possível acessar a conta. Essa autenticação reforçada funciona como uma faca de dois gumes: é mais seguro do que uma senha comum, entretanto pode ser tornar uma grande dor de cabeça. Mas, uma vez que esteja pronto, fica fácil novamente: tudo é feito automaticamente e em segundo plano. Sendo assim, o usuário não precisa se preocupar em sincronizar os dados periodicamente.

Vale a pena atualizar
O Firefox 4 é um upgrade essencial se você estiver rodando versões do Firefox 3. Contudo, se você foi do navegador da Mozilla para o Chrome, o Firefox 4 pode não oferecer tantas ferramentas novas – pelo menos em relação à interface – que são claramente influenciadas pelo Chrome.  Mas vale a pena o download.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site