Imagem de fundo do header
UL50Vf, da Asus, é o primeiro notebook do mercado a vir com a Optimus
Home  >  Review
REVIEW

UL50Vf, da Asus, é o primeiro notebook do mercado a vir com a Optimus

Testamos com exclusividade a nova tecnologia gráfica da nVidia e o resultado foi bom desempenho aliado a boa autonomia da bateria.

René Ribeiro, da PC World

Foto:

A Asus é a primeira fabricante de notebooks no mundo a lançar um PC portátil já com a Optimus, tecnologia gráfica lançada nesta terça-feira (9/2) pela nVidia e que introduz um jeito novo de aproveitar GPUs discretas em computadores portáteis. PC World testou o Asus UL50Vf com exclusividade e que chega ao mercado norte-americano por 850 dólares.

Trata-se de um notebook de grandes dimensões, medindo 38,7 centímetros de largura por 25,6 cm de profundidade e 2,6 cm de altura (quando fechado), e ele não é necessariamente leve - são 2,4 quilos.

O UL50Vf tem tela wide de 15,6 polegadas com tecnologia LDC backlit e resolução de 1366 por 768 pontos. Seu teclado lembra muito o estilo dos modelos de notebook Vaio, da Sony, com teclas lisas e espaçadas uma da outra. Com uma tela tão grande, foi possível acomodar até teclado numérico estendido, coisa incomum em computadores portáteis.

O equipamento que recebemos veio com com processador Intel SU7300, de 1,3 GHz, 4 GB de memória DDR3 1066 e HD com 320 GB de capacidade. O sistema operacional é o Windows 7 Ultimate de 64 bits. A parte gráfica traz dois chips de vídeo: o GMA 4500, da Intel e o G210M, da nVidia.

Quanto a conexões, à direita estão a saída VGA, o conector para rede Ethernet Gigabit e uma porta USB 2.0. Nesse lado também está a unidade de DVD. No lado oposto encontramos mais duas entradas USBs 2.0, saída de vídeo HDMI, conectores para fone de ouvido e microfone e um slot para cartões flash (SD/MMC/MS/MS-Pro/xD). O equipamento oferece comunicação por rede sem fio Wi-Fi padrão 802.11b/g/n e também possui Bluetooth 2.1.

Desempenho
O processador SU7300 é do tipo ULV (Ultra Low Voltage), de baixo consumo, privilegiando mais mobilidade (e autonomia da bateria) do que performance. No entanto, a Asus possui uma tecnologia chamada Turbo33, usada nesse processador, que eleva o clock a 2,1 GHz. Isso não é pouco, considerando que a frequência original do processador é de 1,3 GHz.

Assim, é possível executar aplicações em multitarefa sem sofrer para alternar entre as tarefas. O software de benchmark 3D Mark06 atingiu a pontuação de 3.443 pontos e o PC Mark Vantage chegou a 3.328 pontos. Na prática, o UL50Vf até roda jogos em 3D, mas ir além das configurações gráficas no modo médio, fará o game perder jogabilidade, com movimentos lentos, incomodando o jogador. E isso já fazendo uso da GPU discreta, ativada automaticamente por conta da Optimus, nova tecnologia da nVidia (leia abaixo).

Quanto a outros aplicativos, rodou sem problemas softwares mais exigentes, como Adobe Photoshop CS4 e também executou vídeos em full HD (1080p) sem que as imagens ficassem com paradas, o que acontece quando o processador gráfico não oferece poder suficiente para isso.

Processamento seletivo
Duas características chamam a atenção no UL50Vf. Uma é o fato de trazer duas GPUs (Graphic Processor Unit) e outra é que o notebook usa a nova tecnologia da nVidia, chamada Optimus.

asus_ul50v.jpg

Asus UL50Vf: Dois chips gráficos chaveados
automaticamente de acordo com a aplicação

É importante explicar que as duas GPUs funcionam separadamente. Quando a aplicação requer mais desempenho gráfico, a tecnologia Optimus aciona a GPU da nVidia (G210M). E para aplicações rotineiras, como processador de textos e e-mails, por exemplo, entra em ação a GPU da Intel (GMA 4500) e a G210M fica eletricamente desligada.

A intenção aqui é melhorar o tempo de carga da bateria. Usar dois chips gráficos em notebooks não é novidade. Portáteis como o Vaio SZ670AN, da Sony, já usavam essa técnica. Porém era necessário escolher o chip gráfico por meio de uma chave mecânica e isso exigia reiniciar a máquina.

A tecnologia Optimus não requer mais isso, pois tudo é automático. Ao rodar uma aplicação que exige mais processamento gráfico, o driver da nVidia reconhece e executa uma instrução para chavear automaticamente de GPU, sem reiniciar o computador.

Nos testes, executando apenas tarefas que não precisavam de potência gráfica, a bateria levou oito horas e 32 minutos para se esgotar. Executamos software de edição de texto, planilhas de cálculo e acessamos internet via Wi-Fi, e configuramos o sistema sem proteção de tela e com o modo sleep do Windows desligado.

Ao usar programas gráficos, como Photoshop e conversores de vídeo, e ainda acessando internet sem fio, o tempo caiu para cinco horas e 12 minutos. Apesar disso, um tempo muito bom, ao levar em conta o maior consumo que a G210M exige.

Conclusão
O UL50Vf traz flexibilidade para quem deseja usar o portátil muito tempo fora da tomada e, ao mesmo tempo, para quem deseja mais potência gráfica, principalmente sem ter de se preocupar em acionar manualmente a capacidade gráfica do equipamento. Mesmo sendo possível rodar jogos, deve-se levar em conta que essa não é finalidade básica do UL50Vf.

Fora isso, ele é capaz de reproduzir filmes em alta definição com total conforto, e o resultado fica melhor caso a saída HDMI seja utilizada para conectar o UL50Vf a uma HDTV.

Talvez o tamanho e o peso não façam dele o notebook mais cômodo de transportar, mas sua duração de bateria aliada ao bom desempenho, fazem do UL50Vf um portátil que muitos desejam ter.

A Asus não confirma quando o equipamento será vendido no Brasil.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail
Vai um cookie?

A PCWorld usa cookies para personalizar conteúdo e anúncios, para melhorar sua experiência em nosso site. Ao continuar, você aceitará o uso. Para mais detalhes veja nossa Política de Privacidade.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site