Home > Notícias

Rolando é game viciante (e quase perfeito) para iPhone

Por se encaixar muito bem nas características do iPhone, o jogo da Ngmoco é uma das melhores pedidas na App Store.

Por Philip Michaels, Macworld/EUA

08/01/2009 às 20h37

Foto:

Algum dia, muito em breve, todos nós teremos que nos sentar e parar para pensar qual é o aplicativo perfeito para iPhone.
Quer dizer, deixando de lado todas trivialidades como a que gênero
de aplicativo eles pertencem ou quanto custam, podemos certamente
concordar que há certos atributos que separam os aplicativos ideais de
alguns mais padronizados que entopem a App Store.

Para
começar, o aplicativo deveria ser feito especificamente para iPhone –
não há espaço para aplicativos que estejam com o coração dividido entre
várias interfaces no nosso panteão de grandes aplicativos para iPhone.

Esse aplicativo deve tirar vantagem das coisas que tornam os
aparelhos da Apple especiais – isso significa explorar o touchscreen e
o acelerômetro. Os gráficos têm que ser que estar nos trinques, é
claro, e o som há de ser soberbo. Finalmente, o aplicativo perfeito
deve ser simples de usar – o usuário tem que poder botar a mão na massa
sem ter que ficar pensando muito tempo sobre o que o criador do
aplicativo tinha em mente quando estava na mesa de desenho.

Não
estou certo se esse aplicativo perfeito para iPhone já exista. Mas os
parágrafo acima chegam bem perto de descrever Rolando, o perigosamente
viciante jogo para iPhone e iPod touch da criadora de aplicativos Ngmoco.

rolando-interna-01

Em muitos aspectos, Rolando é um jogo clássico que você move peças
do Ponto A ao Ponto B, ultrapassando obstáculos, coletando itens e
evitando as ameaças das criaturas do mal enquanto tenta alcançar a
linha de chegada. Termine uma fase, e você passa para um desafio
diferente.

No caso de Rolando, isso significa que você é
responsável pela segurança dos Rolandos, pequenos seres redondos que só
querem rolar por aí, pular e desfrutar da natureza deslumbrante da Rolandolândia (Rolandoland). Infelizmente, suas peripécias foram interrompidas por
criaturas das Sombras - sinistras caixas negras que são fatais caso
toquem os Rolandos.

gamesshutter_625.jpg

Sua missão é rolar e pular os Rolando para
segurança, pegar algumas pedras preciosas e resgatar alguns
preguiçosos membros da família real de Rolandoland pelo caminho, tudo
isso enquanto evita chegar perto das Caixas das Sombras que caem, voam
e impedem seu caminho.

Felizmente, você tem todo um arsenal de comandos com os dedos e o acelerômetro embutido no iPhone à sua disposição.

Você
pode tocar em um Rolando em particular para controlá-lo (ou ainda
melhor, usar o dedo para desenhar uma caixa em torno de vários Rolandos
e controlar todos de uma só vez). Inclinar seu iPhone ou iPod touch faz
com que os Rolandos rolem nessa direção.  Bem, nem todos.

Os membros da
decadente família real se comportam de forma distinta. Aparentemente, o Rei Rolando tem que ser
empurrado por outros Rolandos, e o Príncipe Rolando ricocheteia cada
vez que tromba em algum objeto, potencializando a dificuldade para
passar as etapas em que a Família Real está envolvida.

Passe o dedo para cima e os Rolandos selecionados pularão. Você
também topará com diversos botões, rodas, elevadores, e outros
acessórios que você pode apertar, arrastar, ou empurrar com o dedo
para ajudar os Rolandos a alcançar seu destino final.

Como os
Rolandos normalmente estão espalhados por todos os lados da fase, você
não pode prestar atenção só nas bolas que estão no seu campo de visão.
Ícones mínimos o deixam saber onde os outros Rolandos estão espalhados
na tela; clique em um desses ícones e você saltará para aquela área. Ou
você pode sempre usar dois dedos e se transportar para outra parte da
fase para que você possa ter uma perspectiva da região.

Você
contabiliza pontos para cada Rolando que entrega a salvo, bem como
qualquer diamante que você pegue pelo caminho. Pontos bônus são
recebidos se você puder completar uma fase em um determinado limite de
tempo (apesar de não ter nenhum desconto caso esse tempo seja
excedido).

Em uma semana jogando Rolando, eu nunca entreguei nenhum dos
Rolandos a tempo de receber os pontos bônus, não cheguei perto sequer.
Acredito que isso aconteça por eu ser terrivelmente inábil.

rolando-interna-02

O único momento em que se sofre algum tipo de conseqüência no
Rolando é quando você deixa muitos Rolandos morrerem – seja pela mão
cruel das Caixas das Sombras ou por levá-los a algum outro obstáculo
igualmente mortal –  você não consegue completar a fase. Mesmo então, o
jogo deixa você recomeçar no início da fase - ou em um “checkpoint”
cheio de balões de festa, se tiver um desses –em vez de jogar você de
volta para a primeira fase.

Completar um nível libera novas fases – são
36 no total, espalhadas por 4 regiões (que se abrem em forma de mapa
sempre que o jogo é iniciado). Então as coisas nunca ficam muito velhas.

A
jogabilidade é desafiadora sem ser frustrante. Levei várias tentativas
para conseguir passar da etapa Mount Rollmore no Honeycup Meadows, mas
quando finalmente consegui, a satisfação se igualou a quase todas as
conquistas profissionais que eu alcancei na minha carreira.

A Ngmoco
incluiu tutoriais muito úteis em cada fase, com dicas de como fazer os
Rolandos se moverem como você quer. E melhor, você pode optar por pular
esses tutoriais se, como eu, ficar repetindo uma fase tão
frequentemente que é suficiente para decorar os diálogos.

Também
testamos Rolando com a filha de sete anos de um dos editores da
Macworld. A música do jogo e o estilo visual – os Rolandos são tão
bonitinhos- a deixaram boquiaberta, e ela pegou a manha de controlar os
Rolandos quase instantaneamente. Mas os níveis requerem tanta
habilidade de solução de problemas que crianças muito pequenas não
conseguirão fazer muito mais do que ver seus Rolandos pularem de um
lado para o outro sem método nenhum. 

Em certos aspectos,
Rolando é praticamente o perfeito jogo casual. Se você for interrompido
no meio de um jogo, é só clicar o botão do iPhone que ele salva sua
localização exata. Um pequeno número vai aparecer ao lado do ícone do
Rolando na sua tela inicial lembrando-o de quantos Rolandos você ainda
tem vivos.

Eu estava no metrô voltando do trabalho para casa, tentando
descobrir o caminho pela Altitude Adventure quando percebi que estava
quase perdendo meu ponto – apertando o botão eu pude salvar exatamente
onde havia parado sem perder nenhum Rolando para as criaturas das
Sombras.

A música que acompanha o Rolando é agitada sem se
tornar irritante. Os efeitos sonoros são inteligentes, e o jogo é
repleto de pequenos detalhes que estão se tornando a marca registrada
dos jogos da Ngmoco.

Assim como Topple,
outra oferta da Ngmoco no qual as expressões das peças de jogo refletem
as ações, os Rolandos ficam visivelmente nervosos se chegam perto
demais das Caixas das Sombras. Eles fazem caretas quando você os obriga
a se “esforçar”. E fazem cara de entediados se você leva tempo demais
concentrado em outras peças.

Mas o jogo não é sem falhas. Eu
acho os Royal Spikey Commandos – Rolandos que podem grudar e subir
paredes – um pouco difíceis de controlar. E algumas vezes, quando estou
passando o dedo para cima, para fazer um Rolando saltar, acabo ativando
outro Rolando sem querer. Isso pode ser apenas a minha aflição especial
– já que sou notoriamente um desengonçado – mas suspeito que outros
usuários compartilhem da minha frustração.

Ainda assim, fica
claro depois de apenas alguma minutos jogando Rolando, que a Ngmoco
pensou em cada detalhe do jogo e em como explorar todas as
funcionalidades únicas do iPhone. Mesmo com preço premium, Rolando é um
jogo que você deve ter e um exemplo enorme do que pode ser feito com a
plataforma do iPhone se você apenas colocar sua cabeça para pensar nela.

Rolando é compatível com qualquer iPhone ou iPod touch com software 2.1.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail