Home > Notícias

Segundo CEO da Google, buscador “vai responder antes do usuário perguntar”

Essa semana o Google reiterou o foco na oferta de resultados de busca antes de o usuário saber o que quer.

Computerworld/EUA

10/12/2010 às 10h56

Foto:

Durante o LeWeb, evento realizado em Paris essa semana,
Marissa Mayer, vice-presidente dos serviços de localização do Google, reafirmou que a
empresa desenvolve um método para oferecer respostas antes  dos internautas digitarem qualquer termo na caixa
de buscas do site.

“O conceito é “empurrar” resultados para os usuários”, diz
Mayer durante entrevista conduzida no palco do evento. “Trata-se da aplicação de soluções de geo-localização associadas aos hábitos de busca. No ambiente do navegador e em uma barra lateral
saberemos por onde as pessoas navegaram na web e, com base nessas informações,
lhes daremos as respostas. Mas o desafio em termos de tecnologia, é imenso”,
completou Mayer.

“Em um computador desktop”, diz Mayer, ”esses resultados
adicionais deverão ser exibidos em um painel, na forma de um pop up, de maneira
a completar a navegação. Já em navegação conduzida a partir de dispositivos
móveis, o Google irá se servir das informações referentes à localização do
usuário”.

 

“Poderemos saber onde está a próxima informação relevante
para aquele usuário”, continua, Mayer. “Se estiver em um restaurante, quem sabe
seja o menu ou um menu de informações sociais sobre o local. Trata-se da fusão
de informações explícitas e implícitas”.

 

Eco

As afirmações de Mayer casam com declarações do CEO
da Google, Eric Schmidt, dadas em setembro.

Durante a abertura do TechCruch Disrupt, realizado em San
Francisco, na Califórnia, Schmidt disse que ,no futuro,  a tecnologia de busca do
Google será autônoma. Schmidt declarou a aproximação do grupo a um tipo de
tecnologia que permite antever o comportamento do usuário e oferecer resultados
com base nessas informações.

 

É certo afirmar que o Google e seu rival, o Bing (sistema de
buscas da Microsoft), têm feito avanços consideráveis nos últimos doze meses. Entre os exemplos estão o Goggles (software que realiza buscas na internet com base em imagens
fornecidas por usuários) e o Instant Search. Mas daí para a busca autônoma, uhá ma
distância razoável e uma mudança no escopo do serviço.

 

Híbrido

O sistema de busca autônomo levaria em consideração as
experiências passadas do usuário e seu apreço ou descontentamento com
determinados serviços e produtos junto com os recursos de geo-localização .
 

“Pode soar como ficção científica. Partir do princípio de
que a tecnologia pode ajudá-lo a encontrar algo que você não está procurando no momento mas no qual tem interesse”, disse Augie Ray, um analista do grupo Forrester em uma
entrevista anterior. “A combinação de informações sobre os usuários e suas
experiências passadas, suas opiniões, ações e ações, pode resultar em um
produto de alto valor para as pessoas”. 

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail