Home > Notícias

Testes no iPhone indicam que não há falhas de recepção

Recepção e transmissão do iPhone são levemente piores do que os aparelhos Nokia 73 e Sony Ericsson P1, mas a diferença é insignificante, diz Bluetest.

Computerworld/EUA

26/08/2008 às 9h50

Foto:

O iPhone 3G oferece uma recepção “normal”, afirmaram engenheiros suecos que testaram o aparelho, ao contrário do que alegaram outras reportagens sobre a queda de ligações e a lenta navegação de dados.

Testes feitos pela Bluetest AB, produtora de câmaras de testes de antenas, mostrou que os resultados dos testes de transmissão e recepção são “completamente normais”, disse o CEO da empresa, Mats Andersson.

>>>Leia também:
iPhone 3G na Argentina sai por 570 reais
Apple diz que firmware 2.0.2 melhorou serviço no iPhone
Resolva mais problemas do iPhone 3G

Os testes compararam o iPhone 3G com o Sony Ericsson P1 e o Nokia N73, a pedido do maior jornal diário da cidade, o Gteborgs-Posten, para posicionar cada câmara da Bluetest e executar testes de sinal.

As câmaras da Bluetest, parecidas com pequenos refrigeradores encontrados nas cozinhas de restaurantes, são usadas pela fabricante de antenas para testar os designs de celulares e laptops. As câmaras duplicam as condições do mundo real, como em um escritório ou em casa, na rua ou em uma área urbana, onde existem várias áreas refletoras.
Durante os testes, o aparelho da Sony Ericsson apresentou uma recepção de sinais levemente melhor e o N73 ficou um pouco acima do iPhone na transmissão de sinal.

Mas Andersson considerou ainda uma maior diferença, de 2dBM, entre a transmissão do iPhone e da Nokia, como insignificante:  “Eu não diria que é suficiente para ter uma diferença na recepção”, disse ele. “No mundo real, quando nós nos movimentamos, 2dBm fazem pouca diferença”. Somente se a variação tivesse sido de 4 a 6 dBm, acrescentou Andersson, poderíamos dizer que as capacidades da recepção e transmissão do iPhone  poderiam ser colocadas em questão.

Os engenheiros testaram o iPhone 3G com os sistemas wireless, GPS e Bluetooth abilitados e desabilitados, para eliminar a chance da interferência de outros sinais na conexão do celular. A Bluetest indicou que não há diferença nos testes do aparelho quando ele está habilitado ou desabilitado.

Usuários do iPhone 3G têm se queixado de falhas de recepção desde o lançamento do aparelho, em 11 de julho. As reclamações reúnem a freqüente queda de ligações, lentidão de downloads e sinal fraco, mesmo quando em áreas supostamente cobertas pela rede 3G. Centenas de mensagens foram postadas na página de suporte da Apple, assim como um processo, realizado na semana passada, por uma mulher de Alabama.

Embora a Apple tenha lançado uma atualização do software do iPhone na semana passada que, segundo ela, inclui melhorias na rede 3G, usuários discordaram, afirmando na página de suporte da empresa que as correções não alteraram a performance de seus aparelhos.

A maioria dos usuários têm culpado a Apple pelas falhas, dizendo que seus outros celulares 3G não têm problemas para manterem-se conectados a uma operadora. Alguns usuários na Europa, onde a rede 3G está há muito mais tempo que nos Estados Unidos, têm reportado as mesmas dificuldades de fazer ligações com seus iPhones.

A AT&T por exemplo, continua em processo de atualização da sua rede 3G nos Estados Unidos, onde prometeu adicionar outras 50 áreas metropolitanas para sua cobertura até o final deste ano, além de oferecer o dobro da capacidade 3G existente.

Mas Andersson não pode ainda “inocentar” o iPhone, simplesmente porque sua companhia testou apenas um celular. “O que nós podemos dizer é que a Apple criou o iPhone para ter a mesma performance que o Sony Ericsson e o Nokia”, afirmou.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail