Home > Notícias

TI: tecnologias, produtos e serviços que não devem vingar em 2009

Implementação em massa do Windows Vista, preocupação com a ecologia e adoção de ferramentas de inteligência estão longe do foco.

Redação da CIO Magazine / UK

23/12/2008 às 11h41

Foto:

Nesta época do ano, jornalistas adoram compor listas sobre o que deve acontecer nos próximos doze meses. Nada errado com isso, mas estamos aqui para – na forma de antídoto – sugerir algumas coisas que não devem acontecer em 2009.

1. Renovação nos parques de desktops
– o Windows Vista ainda é um sistema operacional distante do mercado e
PCs comprados há menos de cinco anos ainda estão com suas CPUs,
memórias RAM e discos plenamente funcionais. Conclusão: a renovação dos
parques de PCs deve aguardar ainda mais um ano.

2. Boom do offshoring
algumas pessoas acreditam que a recessão representa o momento de
terceirizar tudo que se mova. Talvez o movimento ocorra, mas não em
setores como serviços financeiros, viagens e outras verticais que irão
procurar se mexer menos em 2009, especialmente em relação a novos
projetos, não importando que percepção tenham do valor da terceirização.

3. Combinar estratégias de ERP
– haverá um tempo para muitas companhias em que todos os aplicativos
corporativos adquiridos ao longo dos anos farão sentido. Mas com
empresas como Oracle e SAP ainda organizando os aplicativos que eles
uniram com suas aquisições, isso não acontecerá em 2009.

4. Tornar-se verde
– é um mito que a TI está se tornando verde. Muitos CIOs estão olhando
com muito cuidado como tirar mais valor de seus investimentos e parte
disso inclui o corte de custos aonde for possível, incluindo o consumo
de energia. Salvar o planeta é apenas um bônus.

5. Vasto desenvolvimento de ferramentas de inteligência – muitas pessoas pensam que ferramentas de BI serão utilizadas em mais desktops e que, com isso, os usuários finais poderão entendê-las melhor, o que permitiria aos fornecedores ampliar sua base, hoje composta basicamente de executivos. Mas o BI é, na verdade, um software avançado para usuários avançados, e fornecer ferramentas de análise em escala para todos os usuários é algo como usar uma metralhadora para matar um rato (difícil e um tanto quanto perigoso). Tornar as ferramentas mais baratas e mais ‘utilizáveis’ é algo que ainda está na esfera dos departamentos de marketing dos fornecedores.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail