Home > Notícias

Tim Cook aborda briga com Android/Windows e avalia mercardo brasileiro

Principal executivo da Apple faz uma análise do desempenho da companhia nos últimos meses e diz que o Brasil é uma grande oportunidade para a empresa

Macworld/EUA

27/01/2012 às 19h02

Foto:

Quando a Apple emite seus relatórios a respeito dos resultados financeiros do trimestre, a empresa realiza uma conferência com seus analistas financeiros. Alguns pontos de vista da companhia de Cupertino foram expostos no evento da semana passada, quando Tim Cook, CEO da companhia, respondeu às perguntas dos especialsitas. Veja a análise da empresa pelos olhos de seu comandante.

iOS e Mac contra Android e Windows
Eu não classificaria
como Mac versus Windows de forma alguma. O Mac ultrapassou o mercado por
mais de 20 trimestres consecutivos, entretanto ainda possui uma
porcentagem de apenas um dígito no mercado mundial. Se você olhar para
celulares, tablets e para o iPod touch, vendemos mais de 315 milhões de
dispositivos iOS. E mais de 62 milhões desses foram comercializados no
último trimestre. Não tenho números comparáveis para o Android: não
encontrei uma maneira de obter um relatório que fosse tão detalhado e
transparente quanto o nosso. 

No entanto, dados da NPD, que saíram há poucos dias, mostram que, nos
EUA, a porcentagem do iPhone é de 43%, contra 47% do Android.
Informações recentes da Nielsen mostram que, entre outubro e dezembro, o
iPhone obteve 45% contra 47% do Android e, por fim, os dados mais
recentes da ComScore mostram o iPhone com 42% versus 41% do Android;
diria que é uma corrida muito acirrada. Não tenho dados específicos em
relação ao iPad, porém creio que todos nós acreditamos que ele está
muito à frente. E não há um produto comparável ao iPod, logo o iOS está
indo extremamente bem.

iPhone 4S
Ficamos animados com os 37 milhões de iPhones que vendemos. Isso representa 128% de crescimento de mercado em relação aos 40% previstos na última projeção do IDC. E isso é significativamente acima do último recorde de 20 milhões de unidades vendidas. Os consumidores estão adorando esse produto.  

Fizemos uma grande aposta no começo do trimestre, sobre a demanda. No final, apesar de nossa aposta, estávamos com falta de material de nossos fornecedores, o que provocou um acúmulo significativo. A situação voltou a melhorar no fim do último trimestre, porém com estoques ainda baixos em algumas regiões.

Cada um dos modelos (3GS, iPhone 4 e iPhone 4S) foi muito importante para a alcançar a marca de 37 milhões de unidades, e estamos contentes em atender o mercado com ótimos produtos. Contudo, o iPhone 4S foi o mais popular entre eles. Não podíamos estar mais felizes, apostamos alto, e acho que muitos de vocês pensavam que não sabíamos o que estávamos fazendo. Entretanto, se constata que não apostamos alto o suficiente; o 4S foi o iPhone mais popular durante o último trimestre.

No espaço corporativo, como um exemplo, vimos o iPhone se tornar um catalisador, e o iPad chega logo depois, e em certos casos, vimos o Mac seguir o mesmo caminho. Há exemplos claros nos quais um produto puxou um segundo, que puxou um terceiro. Vimos esse comportamento que o iPod criou para o Mac entre 2002 e 2004, então esse não é um fenômeno novo para nós. 

 

iphone4s_390c.jpg
iPhone 4S: 37 milhões de unidades vendidas em três meses

iPad
Estamos contentes com os 15,4 milhões de iPads que vendemos. Isso é consistente com nossa convicção de que, desde quando apresentamos o produto, essa é uma oportunidade para a Apple duradoura. Claramente acredito que chegará o dia em que o mercado de tablets, em unidades, será maior do que o mercado de PCs. Na verdade, é interessante notar que, nos EUA, fica claro nos dados mais recentes do IDC de que as vendas de tablets ultrapassaram as de PCs no último trimestre. Penso que já é possível enxergar indicadores de que este é um momento significativo.

Em termos de competitividade, o ecossistema do iPad está em uma classe por si só. Queremos otimizar aplicações para que elas possam aproveitar telas maiores, e estamos atualmente com 170 mil apps disponíveis, e isso se compara a apenas algumas centenas em relação à concorrência. 

Acho que as pessoas querem fazer muitas coisas com seus tablets, e portanto não vemos esses tablets limitados e e-readers na mesma categoria. Certamente há clientes que irão comprar estes, e uma grande quantidade será vendida, porém, não acredito que aqueles que querem um iPad irão adquirir um tablet com funções limitadas. 

Existe a canibalização do Mac feita pelo iPad, todavia acreditamos que os PCs com Windows são muito mais afetados pelo iPad e há muito mais deles para serem canibalizados. E adoramos esse comportamento, achamos ótimo para nós. O que é diferente em relação ao iPad é que você pode começar a vê-lo aparecer em todos os lugares.

 

ipad2facetime01300.jpg
iPad é conquistando espaço dos PCs com Windows, afirma Cook

Em K-12 (sigla americana que representa educação primária e secundária), vendemos o dobro de iPads, assim como aconteceu com os Macs; no geral, a educação adota novas tecnologias muito devagar, logo isso é um tanto quanto surpreendente. Entre os consumidores que olham o produto, pensam sobre o ecossistema e as enormes vantagens e a experiência de usuário em geral, acho que ganhamos muitos desses, e isso pode ser visto nos resultados. Não poderíamos estar mais felizes em vender mais de 15 milhões e acho extraordinário termos atingido mais de 55 milhões de iPads, e estamos no mercado somente desde abril de 2010. 

Em relação aos outros tablets, ano passado era para ter sido o ano do tablet, e acho que muitos iriam concordar que foi o ano do iPad, pela segunda vez consecutiva. E então vamos inovar demais nessa área, e penso que podemos continuar a competir com qualquer um que está vendendo ou pretende vender tablets no futuro. 

Apple TV
A Apple TV está indo muito bem. No último ano fiscal, que terminou em setembro, vendemos mais de 2.8 milhões de unidades, e, apenas no último trimestre, quebramos um novo recorde ao alcançar 1,4 milhão. Entretanto, se você monetizar a receita, ainda classificamos isso como um hobby, porém continuamos a adicionar coisas ao produto. Se estiver utilizando a última versão, não sei vocês, mas não conseguiria viver sem a minha. É um produto fantástico e queremos ver até onde ele vai. 

iCloud
Já temos mais de 85 milhões de pessoas utilizando o iCloud, e é incrível que isso tenha acontecido em um período de tempo de apenas alguns meses. Estamos impressionados e a resposta dos consumidores tem sido incrível; ele resolveu muitos dos problemas dos usuários e tornou suas vidas muito mais fáceis. Foi fundamental reconhecer que as pessoas possuem diversos dispositivos e gostariam que a maior parte do conteúdo ficasse na nuvem, e estamos vendo a resposta para isso. Não é apenas um produto, é a estratégia para a próxima década. 

 

icloudnovo_390.jpg
Serviço em nuvem da Apple faz backups de fotos, contatos, aplicativos e outras informações

 

 

 

iPhone no mundo
Estamos com mais de 130 mil pontos de venda ao redor do mundo, o que representa um crescimento de 35% em uma base anual. Isso aconteceu tanto ao adicionar operadoras ou através de nossa própria distribuição, assim como em revendedores que são particularmente importantes em certos mercados. Adicionamos a Sprint nos EUA, a KDDI no Japão e ambas operadoras podem mostrar seus próprios resultados.

Em relação à China, a China Unicom (operadora de telefonia estatal) continua sendo um parceiro importante, porém, como já dissemos, o país representa um mercado extremamente importante para nós, e continuamos a ver como podemos expandi-lo ainda mais. 

No Brasil, estamos atualmente vendendo através de uma loja online e revendedores autorizados, incluindo operadoras de telefonia. Estamos presentes na Rússia, na Índia, porém estamos focando muito mais energia no mercado Chinês. Isso não significa que haja menos esforço ou foco nos outros, apenas que é menos do que estamos investindo na China hoje. 

 

lancamento4s_01.jpg

Brasil: lançamento do país reuniu centenas de pessoas

 

O segundo país nessa lista de quatro países para nós seria o Brasil. Penso que há uma grande oportunidade para nós lá, e começamos a ir mais fundo. Entretanto isso não significa que haverá uma loja da Apple lá, pois não enxergo isso acontecendo a curto prazo. 

Tim como CEO

Vocês sabem, eu amo a Apple, e é apenas um lembrete diário do tamanho do privilégio que é trabalhar com uma equipe tão incrível e quão sortudo sou. Penso que eles estão fazendo um trabalho fantástico, nos sentimos muito bem onde estamos.  

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail