Home > Dicas

Use seu Mac para digitalizar LPs e passar as músicas para CDs

Além de transformar o conteúdo dos discos em arquivos digitais, softwares separam as faixas automaticamente; conheça alguns deles

Macworld / Reino Unido

04/08/2010 às 17h51

Foto:

Alguns usuários mais nostálgicos que não conseguem largar os LPs utilizam acessórios,  como toca-discos USB, para migrar seus discos para o computador. Contudo, o software que acompanha o equipamento muitas vezes grava o LP como um faixa inteira, sem a possibilidade de escolher uma gravação faixa por faixa, além de apresentar dificuldades em colocar essas gravações em um CD. Para isso, separamos algumas dicas para facilitar esse processo, começando pelo toca-discos:

O equipamento
Qualquer editor de áudio pode ser usado para capturar o som do toca disco USB para o Mac; basta selecionar o acessório como entrada de áudio nas preferências de Som do sistema e acionar a aplicação apropriada para capturar e analisar o som. Para aqueles que o toca-discos não possui saída USB, é preciso encontrar um jeito de conectar o aparelho ao computador.

 

vinil.jpg

 

Não é possível fazer uma conexão direta por causa da curva de equalização RIAA – ela reduz as baixas freqüências e amplia as freqüências altas.  Vale canalizar  as informações do acessório através de um dispositivo que corrija a curva RIAA. Esse aparelho pode ser algo simples como um receptor estéreo; coloque um cabo com miniplug RCA entre a saída receptor e o Mac e isso deve resolver.

Se o receptor não possuir as entradas e saídas necessárias, uma alternativa é um pré-amplificador Phono. Isso aumenta o sinal do toca-discos para níveis aceitáveis, assim como corrige a curva RIAA. O preço de um pré-amplificado desse tipo nos Estados Unidos varia entre 20 e 150 dólares. No Brasil, ele tem preços a partir de 120 reais.

 

O software
Como foi dito anteriormente, qualquer editor de áudio serve para gravar o som de um toca-disco ou toca-fita USB – o GarageBand da Apple certamente dará conta co recado. Mas como objetivo é separar automaticamente o conteúdo dos LPs em faixas, vai ser preciso um aplicativo que “ouça” as lacunas entre os sons e crie novos arquivos baseado nesses momentos de silêncio.

Caso o usuário tenha uma cópia do Toast Titanium da Roxio (salgados 100 dólares), há essa aplicação no pacote, chamada CD Spin Doctor. A operação é muito simples: comece a gravação, coloque a agulha, toque o lado do LP  e ao clicar em Stop no CD Spin Doctor o programa vai identificar as lacunas. Caso concorde com as decisões, escolha a opção para dividir o arquivo em faixas separadas; caso o programa tenha errado na marcação, é possível ajustar a separação de faixas.

É importante notar que as versões mais antigas do CD Spin Doctor são menos confiáveis do que as mais novas. Se a versão não for a mais atualizada e se o usuário não fizer o upgrade para o Toast Titanim 10 para tê-la, há outras opções.

Uma delas é o WireTap Studio (69 dólares) da Ambrosia Software. Assim como o CD Spin Doctor, ele também identifica o silêncio e cria automaticamente arquivos baseados nos momentos de ausência de som. Também é possível adicionar facilmente marcadores ou criar novas faixas enquanto o disco toca.

Outra opção é o pacote Audio Hijack Pro/Fission (50 dólares) da Rogue Amoeba. O Fisson é um editor de áudio fácil de usar, que automaticamente corta os arquivos baseado no silêncio. 

 

fission.jpg

Ao identificar o silêncio, o Fission separa o áudio do toca-discos em faixas

Ambos os programas exportam os arquivos diretamente para o iTunes, onde as faixas podem ser organizadas em playlists e gravadas em um CD.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail