Home > Notícias

Virtualização de desktops deve ser maior que a de servidores

Vice-presidente sênior da Citrix diz que a recente área de desktops virtuais terá grande adesão das empresas em três anos.

Luiza Dalmazo, do COMPUTERWORLD

02/07/2008 às 11h54

Foto:

O tema virtualização remete a maioria das pessoas, principalmente, a servidores. Segundo a IDC, o mercado de virtualização de servidores receberá investimentos de 52 milhões de dólares apenas na América Latina em 2011. Apesar disso, a "virtualização de desktops" poderá superar em tamanho o mercado de virtualização de servidores. Pelo menos é o que acredita o vice-presidente sênior e diretor de marketing da Citrix, Wes Wasson.

Segundo o executivo, o número de desktops é muito superior do que o de servidores. "Por isso eu acredito que a virtualização de desktops terá uma adesão muito grande em três anos", aposta.

Um dos fatores que mais motiva as empresas para isso é a governanca de TI e a necessidade de estar em conformidade com as regras. "Isso é especialmente comum nas verticais de finanças e de saúde", indica.

Além disso, de acordo com Wasson, as empresas querem não só reduzir seu custo total de controle e propriedade, como também mudar o estilo de trabalho, permitindo que os funcionarios fiquem em casa trabalhando. "Até mesmo para não terem que recrutar pessoas baseadas na região em que a empresa está", acrescenta.

A Citrix defende que o investimento inicial em um projeto de virtualização de desktops é 25% maior do em desktops tradicionais, mas que em um ano os custos de propriedade (TCO) caem 40%.

"Um desktop tradicional gera um TCO de 5 mil dólares em um ano, por exemplo. Em um projeto de virtualização, há uma economia de 1 mil dólares por ano", afirma Ashley Stirrup, vice-presidente do grupo de marketing da divisão de entrega de sistemas da Citrix.

* A repórter viajou a Santa Clara, EUA, a convite da Citrix.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail