Home > Notícias

Wi-Fi 6 está chegando. O que esperar dele em 2019?

Primeira e mais notável característica do padrão é que ele foi projetado para operar nos ambientes de rádio cada vez mais congestionados

Michael Simon, PC World/EUA

05/11/2018 às 17h24

Foto: Shutterstock

O Wi-Fi 6 - também conhecido como 802.11ax - começará a entrar em novas instalações em 2019, trazendo consigo uma série de atualizações tecnológicas destinadas a simplificar os problemas da rede sem fio.

A primeira e mais notável característica do padrão é que ele foi projetado para operar nos ambientes de rádio cada vez mais congestionados. Ele suporta tecnologia multiusuário, de múltiplas entradas e múltiplas saídas (MIM-MIMO), o que significa que um determinado ponto de acesso pode lidar com tráfego de até oito usuários ao mesmo tempo e com a mesma velocidade. Os APs da geração anterior ainda dividem sua atenção e largura de banda entre usuários simultâneos.

Melhor ainda é o acesso múltiplo por divisão de frequência ortogonal (OFDMA), uma tecnologia emprestada e controlada por operadoras do mundo sem fio. A tecnologia subdivide cada um dos canais independentes disponíveis em um determinado AP por um fator adicional de quatro, significando ainda menos lentidão para os APs atenderem a vários clientes ao mesmo tempo.

Simplificando, além de ser mais rápido do que as versões anteriores do Wi-Fi, o Wi-Fi 6 será mais capaz de lidar com a crescente densidade de clientes presente na TI moderna. Quer se trate de espaços de escritório cada vez mais conectados, com smart TVs e vários clientes por funcionário, ou a IoT, com dispositivos conectados de todos os tipos, o Wi-Fi 6 é adequado para atender a essas demandas.

O estado atual
Os pontos de acesso do Wi-Fi 6 já estão no mercado. Aerohive chegou lá primeiro, mas os outros grandes fornecedores estavam logo atrás. As entradas iniciais do Aerohive são o AP630 e o tri-band AP650 e AP650X - este último possui antenas extras para maior alcance efetivo. No entanto, a D-Link, a Asus e a TP-Link também já trouxeram Wi-Fi 6 APs para o mercado, e os principais fornecedores corporativos como Cisco e Aruba estão quase certamente visando 2019 para começar a vender seus dispositivos.

Os endpoints ainda não estão no mercado, e os especialistas parecem ter concordado em 2020 como o ano em que a adoção em massa do Wi-Fi 6 realmente começa. Mas os profissionais de TI que arquitetam as redes que terão que lidar com esses endpoints precisam estar à frente do jogo.

Por que o atraso?
O Wi-Fi 6 teve um caminho difícil para o estado de quase adoção que encontramos hoje. Os primeiros rascunhos da norma falharam duas vezes para sair do comitê relevante do IEEE, portanto a ratificação completa ainda não aconteceu, embora isso seja esperado em 2019. Parte da solução tem sido os fornecedores tomando as rédeas e lançando o hardware antes da ratificação final - não é uma prática incomum no mundo Wi-Fi, especialmente quando essas empresas têm certeza de que sabem como será o padrão final.

Além disso, o processo de introdução de um novo padrão Wi-Fi no mercado é demorado. Na melhor das hipóteses, conforme os chipsets seguem os padrões de rascunho em alguns meses, os APs dos consumidores para os primeiros adeptos seguem alguns meses depois, os empreendimentos alguns meses depois disso, e finalmente ampla disponibilidade de endpoints compatíveis após um ano ou mais. Portanto, se o consenso geral de que as empresas com visão de longo prazo precisam começar a planejar o Wi-Fi 6 em 2019 for verdadeiro, o uso ativo do padrão na produção pode não decolar por mais um ano.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail